Pular para o conteúdo principal

A escrava que foi a pé até Rio Pardo

Uma série de documentos advindos dos aparelhos da justiça, com datas anteriores à Revolução Farroupilha e que estão cuidadosamente preservados no Arquivo Histórico, começaram a passar por processo de transcrição. Sob o olhar atento da assessora Maria Lúcia Mór Castagnino, a Ucha, as urdiduras do passado têm vindo à tona. E as situações são surpreendentes e às vezes inusitadas, revelando aspectos de um tempo distante e absolutamente distinto do atual.

Ucha em atento trabalho de transcrição

O documento em transcrição é um auto cível de averiguação, datado de 16 de dezembro de 1829, cujo suplicante era Jozé Raimundo da Cunha, senhor da escrava Matildes, que estivera desaparecida desde setembro daquele ano. A audiência e lavratura dos correspondentes registros foram feitas

em caza de morada do Juis de Pás Suplente o Capitão Bernardo Moreira Lirio onde Escrivão do seu Cargo adiante nomeado e asignado foi vindo e sendo ahi tão bem prezente o Capitão Jozé Raimundo da Cunha (...). 


Primeira página dos Autos - Acervo Justiça

Perguntado pelo juiz se a escrava era sua e a quantos anos, Jozé Raimundo respondeu que Matildes era de sua propriedade há 34 anos, havida por dote de sua sogra, D. Jacinta Maria de Jesus, viúva de Antonio Simoins Teixeira, e que estava desaparecida desde setembro de 1829. Inquerido sobre o motivo da fuga,

Respondeu que sabia que Niceto Ferreira Lopes a tinha ceduzido para a fuga dizendo-lhe que ella hera Liberta no batismo que elle Aniceto tinha vendido para Porto Alegre a Jozé Francisco Duarte a certidão de edade e dinheiro que dela tinha recebido para promover a sua Liberdade.

Passando a interrogar a escrava, acompanhada pelo curador para isto nomeado, Jozé do Prado Lima, o juiz perguntou-lhe se de fato havia sido escrava do casal da

Finada dona Jacinta Maria de Jesus e se tinha passado ao poder do suplicante e como. Respondeu que tinha sido Escrava de Joze Ramos morador na Capella de Viamão que dele passou ao poder de Dona Jacinta Maria de Jesus e que desta passou ao poder do Suplicante em dote por se aver cazado com dona Angelica filha da mesma Dona Jacinta Maria de Jesus. 

O juiz perguntou ainda se durante todo esse tempo ela estava

serta de que hera captiva e como tal o servira. Respondeu que nunca duvidou do seu captiveiro e que porisso sempre servio bem a seus Senhores sem que tivese praticado alguma fuga senão a prezente. Preguntoulhe porque tendo ella sido sempre boa Escrava e servido bem a seus Senhores agora lhe tinha fugido de caza. Respondeu que tendo seu Senhor justado ao Carpinteiro Aniceto Ferreira Lopes para trabalhar nas Cazas que edeficou nesta villa e axandoce ella Interogada na mesma obra para Cuzinhar e fazer os mais serviços Nesessarios para o dito Carpinteiro e mais trabalhadores o mesmo Aniceto a entrou a ceduzir dezendo lhe que ella héra Liberta no Batismo e que elle sabe disso pela sua Certidão de Idade ese lhe oferecia para Cuidar na sua Liberdade e que por este principio lhe for alcanssando algum dinheiro que ella tinha adequirido de suas quitandas athe a quantia pouco mais ou menos de sete do Blas, e que afinal lhe dera um Papel dizendo ser asua Certidão de Batismo o qual tornou a receber no fim de tres dias a Conselhando-a que devia hir para Porto Alegre porque aqui se não poderia arumar e que ella Interogada Convencida de que odito Aniceto lhe falara verdade tratou com elle seguir para a dita Cidade e então elle lhe dice que seguice e se aprezentace a Joze Francisco Duarte que elle Aniceto Já lhe tinha enviado dinheiro e os Papeis para se lhe fazer o requerimento ao Senhor Prezidente. E que ela Interogada convencida de tudo a couza de dois mezes e meio se auzentou da Caza de seu Senhor siguindo a pé athe a Villa do Rio Pardo e dali embarcada athe Porto Alegre. 

A pobre escrava iludida foi a pé até Rio Pardo e de lá embarcou para Porto Alegre atrás da sua liberdade! Tal trajeto, certamente eivado de toda sorte de situações, ganha aos olhos de hoje um caráter fantástico. Quanto tempo teria levado para percorrer a distância entre a Vila da Cachoeira e a Vila do Rio Pardo? Que tipo de obstáculos encontrou? Como e onde dormiu? Alimentou-se de que forma? Que suspeitas despertou, sendo uma cativa? Perguntas que o documento não responde, abrindo espaço para a imaginação dos leitores.

Em seu depoimento, Matildes contou que chegando em Porto Alegre procurou o indicado Joze Francisco Duarte que disse

qui não tinha recebido papeis nem dinheiro algum e que tinha recebido uma carta mais que não a achava. E que ella Interogada entrando no conhecimento de que tinha sido Lograda só esperava o momento de vir para caza de seu Senhor por ter procurado certificarce da Verdade athé pasando a Capela de Viamão e examinando o asento do seu Batismo que veio achar na Camara Ecleziastica da mesma Cidade de Porto Alegre, e que assim desemganada e aparecendo lhe ali seu Senhor moço Zeferino Jozé da Cunha com elle voltou a caza de seu Senhor onde se acha. 

Última página dos Autos - Acervo Justiça

Triste a sina da escrava Matildes. Sonhando com a liberdade, saiu estrada afora. Frustrada em seu intento, só lhe restou voltar para casa e para o cativeiro. Mal ou bem, a casa de seu senhor era o seu único porto seguro.

Quanto ao sedutor da escrava Matildes, Aniceto Ferreira Lopes... Sumiu! Sabe-se lá se não foi aplicar o mesmo golpe em outra freguesia.

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co