Pular para o conteúdo principal

Arquivo Histórico registrado na XII Semana de Museus de Franca

Foi com satisfação que a equipe do Arquivo Histórico recebeu a publicação Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus, resultado de uma reflexão proposta pelo Instituto Brasileiro de Museus - IBRAM sobre "quais as histórias que nossos museus estão contando? Como eles colaboram para a construção ou para o questionamento das versões oficiais dos grupos dominantes? Quais outras histórias precisam ser lembradas? Como trabalhar na expografia o confronto entre lembranças e esquecimento?" 

Capa da publicação de Franca - SP

Uma das histórias retratadas na publicação, que contém outros onze textos, traz a vida de um personagem que se ligou a Cachoeira, mais especificamente ao comando da Guarda Nacional. Trata-se de José Pinheiro de Ulhoa Cintra, natural de Jacuí, Minas Gerais, e que foi coronel da República Rio-Grandense. A pesquisa, assinada por Sônia Regina Belato de Freitas Lelis e Walter Antônio Marques Lelis, foi publicada com o título Mineiros na Guerra dos Farrapos - Um filho de Jacuí - MG, Coronel da República Farroupilha, em cujas referências de consulta consta o Arquivo Histórico do Município de Cachoeira do Sul. 

Segundo os autores, José Pinheiro de Ulhoa Cintra teria vindo para o Rio Grande do Sul em 1826, como alferes do 1.º Corpo de Artilharia, sediado em São Gabriel. De lá foi para Rio Pardo, onde constituiu família com a cachoeirense Ricarda Elisea da Silva, prima-irmã do General Manuel Luís Osório. O casal teria tido seis filhos, sendo um único homem, Jayme Pinheiro de Ulhoa Cintra. Durante a Revolução Farroupilha, em que teve participação importante, sua casa em Caçapava sediava reuniões dos farrapos. Conhecida por "Casa dos Ministérios", é tombada pelo IPHAE - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado. Naquela cidade, Ulhoa Cintra foi vulto político importante, tendo desempenhado as funções de vereador e juiz municipal, dentre outras. Foi ainda deputado provincial nas legislaturas de 1848/1849, de 1854/1855 e de 1863/1866. Seu falecimento, em Caçapava, se deu em 24 de julho de 1883.

Dados de José Pinheiro de Ulhoa Cintra na publicação

O arquivo de documentos da Guarda Nacional existente no Arquivo Histórico possui várias correspondências destinadas ou geradas pelo Major José Pinheiro de Ulhoa Cintra, oficial do comando da região de Cachoeira e Caçapava. Há neste arquivo também documentos que citam o tenente-coronel Jayme Pinheiro de Ulhoa Cintra, seu filho.

Em um destes documentos, o Major José Pinheiro oficia de Caçapava ao Tenente Coronel Balthazar Francisco de Bem, Chefe do Estado Maior e Comandante Superior interino da Guarda Nacional, remetendo  por portador o pequeno arquivo que estava em seu poder, esclarecendo que por estar dispensado do exercício de major e doente, estava impossibilitado de prestar-se a qualquer exigência feita pela Guarda Nacional. O ofício traz a data de 4 de fevereiro de 1865.

Arquivo Guarda Nacional - 4/2/1865

Documentos são suportes do tempo. Guardam histórias, muitas vezes indizíveis, termo muito apropriadamente empregado pelo IBRAM para trazer à tona histórias e diferentes versões, ou pontos de vista, fazendo emergir do passado personagens e fatos que poderiam seguir adormecidos até que alguém buscasse por eles. Ou não.

Os arquivos históricos, assim como os museus, podem ser depositários de acervos que se desdobram em diferentes possibilidades de narrativa e dialética. São instituições afins e complementares, oferecendo inúmeras e diferentes formas de leitura do passado.

Nota: agradecimentos aos pesquisadores Sônia Regina Belato de Freitas Lelis e Walter Antônio Marques Lelis pela oferta da publicação.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da