Pular para o conteúdo principal

Dr. João Neves da Fontoura - 130 anos

Há 130 anos, nascia em Cachoeira João Neves da Fontoura, filho de Isidoro Neves da Fontoura e de Adalgisa Godoy da Fontoura, um dos vultos mais ilustres e importantes desta terra.

Dr. João Neves da Fontoura - Fototeca Museu Municipal

Em 16 de novembro de 1927, por ocasião de seu 40.º aniversário, João Neves foi alvo de homenagens. A notícia que ocupou a primeira página do jornal O Commercio, edição de 23 de novembro, dá mostras do quão importante já era o jovem político, cuja trajetória futura o consagraria ainda mais. 

Dr. João Neves da Fontoura

O nosso illustre amigo dr. João Neves da Fontoura, "leader" da maioria republicana da Assembléa e candidato á vice-presidencia do Estado, recebeu, por motivo do seu anniversario natalicio, a seguinte carta de congratulações que lhe enviou o dr. Borges de Medeiros, eminente presidente do Estado e chefe do Partido Republicano Rio-Grandense.

"Porto Alegre, 16 de novembro de 1927. - Prezado amigo dr. João Neves da Fontoura. N/C.
Acceitae as minhas effusivas felicitações pelo transcurso do vosso anniversario natalicio, que os correligionarios e os admiradores do vosso peregrino talento festejam jubilosos, na data de hoje.
Fazendo votos pelo prolongamento da vossa existencia, que uma mocidade radiosa e cheia de serviços á causa publica já recommendou ao apreço dos rio-grandenses, apraz-me renovar-vos as seguranças da minha estima e consideração - Borges de Medeiros".
---
A Federação assim noticiou o seu anniversario:

"Transcorre hoje o anniversario natalicio do nosso illustre amigo dr. João Neves da Fontoura, "leader" da maioria republicana da Assembléa dos Representantes e candidato á vice-presidencia do Estado no proximo quinquennio.
O fulgor de seus peregrinos talentos, a lealdade de suas convicções, a sua permanente e efficaz actividade em funcções politicas e administrativas, em que tem revelado predicados invulgares de operosidade e competencia, fazem de João Neves na vida republicana do Rio Grande do Sul uma individualidade de remarcado relevo.
Na Assembléa dos Representantes, a sua palavra eloquente e vibrante, na defesa dos nossos principios e das realisações fecundas do governo rio-grandense, é o reflexo empolgante e persuasivo da consciencia republicana, dos seus ideaes e das suas aspirações.
O apreço e a admiração que merece João Neves do seu partido estão expressos na indicação de seu nome á vice-presidencia do Estado, feita pelo eminente chefe republicano, dr. Borges de Medeiros, com o applauso e a solidariedade dos seus correligionarios.
Ao devotado republicano e insigne parlamentar A Federação envia affectuosas saudações.

João Neves chegaria à vice-presidência do Estado, tendo como presidente Getúlio Vargas. Em 1928 entregaria a Intendência de Cachoeira para seu sucessor José Carlos Barbosa. Entrou para a história local como o administrador que mais e grandiosas obras urbanas empreendeu. 

Com esta postagem, a equipe do Arquivo Histórico do Município de Cachoeira do Sul presta sua homenagem ao homem e ao líder que disse um dia: 

"De quantas honrarias depois me couberam, dentro e fora do Brasil, nenhuma me trouxe mais alegria do que o exercício de uma modesta prefeitura do interior."

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co