Pular para o conteúdo principal

Um cemitério para a Vila

Até meados da primeira metade do século XIX era prática corrente em todo o Brasil enterrar os mortos dentro das igrejas e cabia aos padres a tarefa de registrar nos livros correspondentes os assentos de batismos, casamentos e óbitos dos fiéis, bem como providenciar os sepultamentos.

Na Vila Nova de São João da Cachoeira não era diferente e, apesar dos incômodos, especialmente o mau cheiro dos corpos em decomposição na estrutura mal vedada das paredes da Igreja Matriz, as autoridades nada faziam para solucionar a prática. Até que em 4 de outubro de 1827, o cirurgião-mor do Império, Gaspar Francisco Gonçalves, fez um alerta em sessão dos vereadores, prevenindo-os da urgente necessidade da construção de um cemitério fora da vila.

Em seu pronunciamento, Gaspar Francisco Gonçalves foi contundente, afirmando que sepultar os mortos dentro da igreja consistia em causa pestífera assaz capaz de infeccionar uma grossa cidade, quanto mais uma vila tão pequena, como se prova pelas grandes mortandades que têm grassado pelo povo, muito principalmente porque já se sepultam os cadáveres uns sobre os outros, e a entrada da igreja é uma prova evidente pelo cheiro que exala. 

Além dos sepultamentos dentro da igreja, o terreno fronteiro a ela e o dos fundos também constituíam cemitérios, sendo aquele ponto um local que exalava morte.

Em 11 de abril de 1831, o vigário Ignacio Francisco Xavier dos Santos redigiu uma carta ao presidente e demais vereadores da Câmara comunicando que havia recebido aviso para que fossem suspensos os sepultamentos dentro da igreja e efetuados em cemitérios fora das povoações. 



Carta do padre Ignacio F. X. dos Santos enviada à Câmara
em 11/4/1831 - CM/OF/Ofícios - Cx. 12

Na mesma carta, o vigário informava que em 1827, de comum acordo com o ouvidor Japi Assú, haviam escolhido o lugar para o cemitério no alto da Aldeia, tendo na ocasião sendo bento na forma do ritual romano. No entanto, o padre reclamava que a Câmara ainda não havia mandado amurar e erigir o altar e que mais de uma vez havia representado contra ele junto ao presidente da província. Por fim, solicitava à Câmara que cumprisse a sua parte para que, finalmente, ele pudesse cumprir a sua.

Os impasses se seguiram ainda por um tempo. A contragosto do vigário, os sepultamentos tiveram que cessar dentro e no entorno da Igreja Matriz para, finalmente, terem os mortos por destino o atual Cemitério das Irmandades, cuja chave foi entregue ao vigário Ignacio Francisco Xavier dos Santos em janeiro de 1833.

Quanto à obra do muro de cercamento do cemitério, reclamada pelo vigário à Câmara, somente em dezembro de 1853 houve a contratação do serviço de Antônio Xavier da Silva, mas ainda sem o total fechamento do terreno. Finalmente, em 11 de dezembro de 1856, por obra contratada a José Ferreira Neves, foi totalmente amurado o Cemitério das Irmandades. O padre Ignacio não testemunhou esta obra, pois passou a ocupar túmulo naquele cemitério em junho de 1844.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co