Pular para o conteúdo principal

Desordem e prisão

Vista geral de Cachoeira no começo do século XX - Fototeca Museu Municipal

A vida da cidade não era tão pacata assim há 100 anos. Como prova da agitação que por vezes tomava as ruas, uma notícia publicada na edição de 16 de janeiro de 1918 d'O Commercio refere desordem e prisão na calada da noite cachoeirense:

V. M. e E. B., em companhia das horisontaes* A. C. e P. M., resolveram consagrar à farra a noite de sexta-feira, noite tradicionalmente conhecida como escolhida para a apparição de bruxas, almas do outro mundo, boi-tatás e quejandas coisas que o vulgo rodeia de pavoroso mysterio, architectando, sobre ellas, as lendas mais extravagantes.

Na Pensão 15 de Outubro, de C. M., nome sob o qual se disfarça o cabaret localisado no extremo leste da rua Andrade Neves, entregaram-se esses comparsas de orgia a libações excessivas, ultrapassando o limite que o corpo era susceptivel de comportar sem desequilibrio.

Sahindo d'ali, já pela madrugada de sabbado, começaram a manifestar signaes de forte perturbação do entendimento, quebrando violentamente algumas vidraças do cabaret.

Depois, parando á rua 15 de Novembro, quadra entre as ruas General Portinho e Andrade Neves, uma das pandegas, sobre cujo systema nervoso o alcool, com certeza, estava a produzir grande excitação, começou a gritar desesperadamente, como si lhe estivessem a cortar algum membro do corpo com uma faca afiada.

Os gritos lancinantes, que mais pareciam uivos de cão do que vozes humanas, acordaram e puzeram em polvorosa todas as familias daquella quadra pacifica, deshabituada a semelhantes interrupções do seu placido repouso!

Debalde um dos comparsas dizia: Fica quieta! Qual nada! A incommoda creatura continuava a berrar, como quem estava nos derradeiros estertores da agonia.

Tal gritaria attrahiu para as janellas e as portas uma grande parte da vizinhança, e, d'ahi ha pouco. appareceu tambem a policia administrativa, que prendeu correcionalmente os quatro perturbadores do socego nocturno.

Triste fim da alegre noitada de assombro: hospedagem á sombra e pagamento, per capita, de 5$000 réis pela sahida, alem da indemnisação pela quebra das vidraças do cabaret.

- Sabemos que, na mesma noite, esses ou outros desordeiros, cuja culpabilidade cabe á policia averiguar, quebraram vidraças de alguns predios da rua Ramiro Barcellos, quadra entre as ruas 15 de Novembro e 1.º de Março, casas essas pertencentes á exma. sra. d. Maria Isabel da Silva Souto. (O Commercio, 16/1/1918, p. 3).

Bruxas, boitatás, almas do outro mundo... nada mais são do que mistérios que dão tempero e disfarce às coisas mais mundanas.

*horizontais: meretrizes.
Nota: os nomes dos meliantes, apesar de século passado, foram abreviados. 

MR

Comentários

  1. Bela história, perturbação da ordem desde os primórdios já existia...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da