Pular para o conteúdo principal

Desordem e prisão

Vista geral de Cachoeira no começo do século XX - Fototeca Museu Municipal

A vida da cidade não era tão pacata assim há 100 anos. Como prova da agitação que por vezes tomava as ruas, uma notícia publicada na edição de 16 de janeiro de 1918 d'O Commercio refere desordem e prisão na calada da noite cachoeirense:

V. M. e E. B., em companhia das horisontaes* A. C. e P. M., resolveram consagrar à farra a noite de sexta-feira, noite tradicionalmente conhecida como escolhida para a apparição de bruxas, almas do outro mundo, boi-tatás e quejandas coisas que o vulgo rodeia de pavoroso mysterio, architectando, sobre ellas, as lendas mais extravagantes.

Na Pensão 15 de Outubro, de C. M., nome sob o qual se disfarça o cabaret localisado no extremo leste da rua Andrade Neves, entregaram-se esses comparsas de orgia a libações excessivas, ultrapassando o limite que o corpo era susceptivel de comportar sem desequilibrio.

Sahindo d'ali, já pela madrugada de sabbado, começaram a manifestar signaes de forte perturbação do entendimento, quebrando violentamente algumas vidraças do cabaret.

Depois, parando á rua 15 de Novembro, quadra entre as ruas General Portinho e Andrade Neves, uma das pandegas, sobre cujo systema nervoso o alcool, com certeza, estava a produzir grande excitação, começou a gritar desesperadamente, como si lhe estivessem a cortar algum membro do corpo com uma faca afiada.

Os gritos lancinantes, que mais pareciam uivos de cão do que vozes humanas, acordaram e puzeram em polvorosa todas as familias daquella quadra pacifica, deshabituada a semelhantes interrupções do seu placido repouso!

Debalde um dos comparsas dizia: Fica quieta! Qual nada! A incommoda creatura continuava a berrar, como quem estava nos derradeiros estertores da agonia.

Tal gritaria attrahiu para as janellas e as portas uma grande parte da vizinhança, e, d'ahi ha pouco. appareceu tambem a policia administrativa, que prendeu correcionalmente os quatro perturbadores do socego nocturno.

Triste fim da alegre noitada de assombro: hospedagem á sombra e pagamento, per capita, de 5$000 réis pela sahida, alem da indemnisação pela quebra das vidraças do cabaret.

- Sabemos que, na mesma noite, esses ou outros desordeiros, cuja culpabilidade cabe á policia averiguar, quebraram vidraças de alguns predios da rua Ramiro Barcellos, quadra entre as ruas 15 de Novembro e 1.º de Março, casas essas pertencentes á exma. sra. d. Maria Isabel da Silva Souto. (O Commercio, 16/1/1918, p. 3).

Bruxas, boitatás, almas do outro mundo... nada mais são do que mistérios que dão tempero e disfarce às coisas mais mundanas.

*horizontais: meretrizes.
Nota: os nomes dos meliantes, apesar de século passado, foram abreviados. 

MR

Comentários

  1. Bela história, perturbação da ordem desde os primórdios já existia...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co