Pular para o conteúdo principal

Marista Roque: de quartel da Guarda a Ginásio Municipal

O Colégio Marista Roque está a um ano de completar seu 90.º aniversário. No ano anterior, 1928, às vésperas do início efetivo de seu funcionamento, importantes medidas foram tomadas para que Cachoeira ganhasse, a exemplo do que já havia em Santa Maria, um ginásio que oferecesse aos estudantes do município a oportunidade de optarem por um curso comercial ou ginasial que também lhes permitisse prestar exames de preparatórios para cursos superiores.

Colégio Marista Roque - colegiomarista.org.br

A primeira tentativa de estabelecimento de uma escola de orientação marista se deu em 1907, quando Irmão Climaco e Irmão Geraldo estiveram em visita a Cachoeira para escolher um local para abertura de um ginásio. No ano seguinte, foi fundado por eles o Colégio Nossa Senhora da Conceição, na Rua Saldanha Marinho, com funcionamento regular até 1914.

A segunda tentativa, muito bem sucedida, começou com a assinatura de um contrato entre a Associação Champagnat, mantenedora dos maristas, e a Intendência Municipal para cessão do prédio do antigo quartel da Intendência, erguido em 1895 na Rua Saldanha Marinho. O contrato, de 12 cláusulas, assinado em 9 de janeiro de 1928 pelo intendente em exercício João Neves da Fontoura e pelo irmão Weibert, representante do irmão provincial Geraldo, previa, dentre outras coisas, a construção pela Intendência de duas salas para aulas e fazer as reparações necessarias no predio. Enquanto funcionasse, o estabelecimento de ensino seria isento de taxas e impostos municipais e do pagamento do abastecimento de água e esgotos, correndo por conta da Associação as construcções e installações dos serviços que se fizerem. 

Ginásio Municipal Roque Gonzales  - antigo quartel da Guarda Municipal
- Fototeca Museu Municipal

Para garantir a manutenção do ginásio, a Intendência comprometeu-se a dar uma subvenção annual de treis contos de reis, desde a installação do Collegio e durante os primeiros cinco annos, podendo esta subvenção ser prorrogada por mais tempo, no todo ou em parte, se assim o entender a Municipalidade, o que ficou acertado na cláusula terceira.

A cláusula seguinte estabelecia um compromisso duplo: No decurso de dez annos, a Intendencia Municipal obriga-se a vender a Associação Champagnat pelo preço de cem contos de reis (100:000$000) o predio de que trata o presente contracto, o que veio a se concretizar em 1.º de setembro de 1938, mas não como compra e venda, mas em forma de doação da Prefeitura Municipal, representada pelo Prefeito Reynaldo Roesch, à União Sul-Brasileira de Educação e Ensino, representada pelo irmão Afonso, provincial dos maristas.

Reynaldo Roesch - Galeria de Prefeitos

A cláusula sétima do contrato determinava à Associação Champagnat a obrigação de instituir e manter, com o número necessario de professores, um curso commercial identico ao que mantem o Gymnasio Municial Santa Maria e um curso Gymnasial até o 3.º anno inclusive, de modo a que os alumnos possam prestar exames finaes de preparatorios, para cursos superiores, de accordo com a legislação correspondente, como filial do alludido Gymnasio de S. Maria. Esta cláusula foi cumprida regiamente até 1994, quando foi extinto o então curso Técnico em Contabilidade. 

As demais cláusulas previam a manutenção e conservação do prédio pela Associação, incluindo as instalações sanitárias exigidas, o estabelecimento de um internato, desde que fosse ministrado o ensino gratuitamente a dez alumnos indicados pelo Intendente Municipal, dos quaes dois internos, quando houver internato e definiam a obrigação dela installar o Collegio em março de 1929, devendo funccionar todos os cursos desde que haja matricula correspondente de 20 alumnos, pelo menos. O que foi igualmente cumprido, entrando o Gymnasio  Municipal Roque Gonzales em funcionamento a partir de 21 de janeiro de 1929. A escola mantém, até os dias de hoje, bolsas de estudos e projetos gratuitos para crianças e jovens da comunidade.

Pátio interno do colégio - aproximadamente 1929
- Acervo Colégio Marista Roque

Para as obras de adaptação do antigo prédio da Guarda Municipal para nele funcionar o ginásio a Intendência assinou, em 27 de setembro de 1928, contrato com a firma Scarano & Filhos para o serviço de construcção de um augmento no predio á rua Saldanha Marinho, destinado ao Gymnasio Municipal.

A assinatura foi firmada por José Carlos Barbosa, intendente municipal, e Miguel Scarano, sócio principal de Scarano & Filhos, vencedores da concorrência pública. O prazo estipulado para a conclusão da obra era o de 120 (cento e vinte) dias decorridos da assignatura do presente contracto, sob pena de multa de 20% sobre o seu valor.

O Colégio Marista Roque é responsável pela formação de muitas gerações de cachoeirenses e nome de referência na história da educação em Cachoeira do Sul. Mas chegou a esta condição graças às reiteradas tentativas dos irmãos maristas e à boa acolhida dos gestores municipais. Seguiram a máxima de uma antiga casa comercial - a Casa Augusto Wilhelm - que dizia: Insista, periga ter!

Fonte: IM/G/AB/C-004, pp. 34v. a 35v. e 50 a 51v.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da