Pular para o conteúdo principal

Fevereiro de 1918 - reabertura do Colégio Alemão-Brasileiro

Em fevereiro de 1918, o mundo ainda estava sob o efeito da 1.ª Guerra Mundial, cujo fim só aconteceria em novembro. Cachoeira não estava alheia aos acontecimentos e vivia também consequências do conflito mundial. Uma delas foi o fechamento do Colégio Alemão-Brasileiro, hoje Colégio  Sinodal Barão do Rio Branco, em razão de lá ser ministrado o ensino na língua alemã. O próprio nome da escola era alemão: Deutsch Brasilianische Schule. 

Deustsch Brasilianische Schule
O jornal O Commercio, em sua edição do dia 6 de fevereiro de 1918, traz uma boa notícia para a comunidade evangélica, tão ciosa da oferta de educação para os seus filhos:

Reabertura de uma escola. No principio do mez de Janeiro esteve na Intendencia Municipal a directoria da escola mantida pela Communidade Evangelica da Cachoeira, composta dos srs. Ernesto Müller, Augusto Wilhelm e Emilio Schlabitz, solicitando permissão para ser reaberta a referida escola, com a condição de leccionar sómente a lingua portugueza.

O capitão Francisco Gama consentiu na reabertura, sob o compromisso formal de ser ministrado exclusivamente o ensino da lingua vernacula.

Posteriormente foi pedida á Intendencia, pela referida directoria, uma relação dos livros adoptados nas escolas publicas, a qual foi fornecida.

As autoridades locaes exercerão a fiscalisação da referida escola, que foi reaberta no dia 4, às 8 horas da manhã.

São professores daquelle estabelecimento de ensino o sr. Gustavo Schreiber, a exma. sra. d. Gertrudes Mützel e o sr. pastor Germano Dohms, que tambem exerce as funcções de director.

A notícia acima mostra que houve um importante acordo entre o Intendente, Capitão Francisco Fontoura Nogueira da Gama, e o diretor da escola, o Pastor Germano Dohms, também a liderança religiosa da comunidade e porta-voz de decisão tomada entre os seus membros.

Augusto Wilhelm e Ernesto Müller que junto a Emílio Schlabitz
solicitaram a reabertura da escola 


Capitão Francisco Gama - Intendente
- Galeria de Intendentes
Pastor Hermann (Germano) Dohms - Portal Luterano

O Pastor Dohms, um dos grandes nomes do Sínodo Rio-Grandense, havia chegado em Cachoeira no ano de 1914, quando a comunidade contava apenas com 44 membros, mas já havia construído um prédio para a escola, onde ele encontrou acomodação para morar em um pequeno apartamento e um auditório para realizar os cultos. Tornou-se o primeiro diretor da escola, voltando-se para a educação da juventude. Em dois anos, aumentou o número de alunos de 47 para 137 matriculados. De ano em ano, segundo informações do Pastor Kurt Benno Eckert*, ia acrescentando uma série, chegando ao final de quatro anos a contar com oito séries. Por esse tempo, o Colégio Alemão-Brasileiro equiparou-se às mais requintadas escolas da capital. Dohms também foi o criador do "Proseminar" - Instituto Pré-Teológico para formação de pastores luteranos. O prédio do Proseminar foi erguido em seis meses no ano de 1917, projetado pelo arquiteto Hans von Hof.

Prédio do antigo Proseminar - tombado - Arquivo COMPAHC
Anos mais tarde, como mostra anúncio n'O Commercio de junho de 1933, a escola era chamada Colégio Brasileiro-Alemão.

Anúncio n'O Commercio - janeiro de 1933

A mais do que centenária história do Colégio Sinodal Barão do Rio Branco mostra a força da Comunidade Evangélica de Confissão Luterana de Cachoeira do Sul e das suas lideranças desde 1893, ano da sua criação, dando sustentação à trajetória importantíssima deste educandário que tantas gerações formou e ainda formará.

*Fonte: livro Quando Florescem os Arrozais - História da Comunidade Evangélica de Confissão Luterana de Cachoeira do Sul, Pastor Kurt Benno Eckert. Martins Livreiro - Editor, Porto Alegre, 1994.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da