Pular para o conteúdo principal

Rei Momo preparando-se para a estrepitosa arrancada

Em 2018 não haverá carnaval de rua em Cachoeira do Sul. Ou melhor, o carnaval com apoio institucional não terá os tradicionais desfiles de rua. Mas como carnaval é paixão, alguns blocos carnavalescos irão levar a folia para as ruas, fazendo seu tributo a Momo e aos folguedos típicos desta época.

Os desfiles de rua há muito aconteciam em Cachoeira e tais registros aparecem na imprensa desde 1900, quando surgiu O Commercio, jornal de que foi preservada a coleção.

Há 100 anos, os cachoeirenses de então reuniram-se na Praça das Paineiras para ver os corsos passarem, atirando-se ao "jogo do confete e serpentina". Em 1928, alguns blocos, como os Grooms  e Os Fidalgos promoveram "um animado corso na Avenida". Havia também o bloco Os Futuristas, "do Alto", e o Sai da Frente.

Em 1938, O Commercio, edição do dia 16 de fevereiro, traz a seguinte notícia em sua primeira página:

"Rei Momo" preparando-se para a estrepitosa "arrancada". Rei Momo vae iniciar, esta semana, seus preparativos para a retumbante "arrancada" de 26 e 28 de Fevereiro e 1.º de Março. 
Assim, hoje, quarta-feira, está projectada uma forte "investida" á residencia do sr. Edwino Schneider.

Casa adquirida por Edwino Schneider em 1928 - Fototeca Museu Municipal

Sabbado, ao que consta, haverá, no Commercial, um baile burlesco, entre cujos blocos surgirão, com aquella animação que os caracterisam, o desacatante "Carurú" e os ruidosos "Casados" e "Solteiros".

Bloco carnavalesco defronte à sede do Clube Comercial - AP João Carlos Mór

Também é provavel que, neste dia, os diversos cordões das ruas façam a sua exhibição, notadamente: "Floresta-Aurora", o terror dos paralelepípedos; "Filhas do Trabalho" e o "Bloco dos Sargentos", cujos dois ultimos obtiveram, no carnaval passado, um grance successo.
Por sua vez, o Concordia e Sociedade Italiana não ficarão, indubitavelmente, sem darem uma nota magnifica, distincta, assim como a do anno transcurso, que foi fulgurante.
Pelo que observamos, parece que apezar das "crisias" e outras "brusuras" (como diz o Bichinho), teremos um carnaval regular, pois o movimento no sentido de organizações de blocos vae estendendo, sendo confeccionadas letras e adaptadas musicas para sambas, canções e marchas.
São as seguintes as marchas e canções das "enfezadas turmas" do Commercial:
"Maria Sapeca", "Ama secca", "Eu dei", "Que horas são?", "Nos callos não me pise", "Apanhar não é prazer", "Vem, meu bem", "Você gosta de brincar", "Yes, nós temos bananas" e "Vacca preta".

Bloco carnavalesco Fica Firme - década de 1930 - Clube Comercial
- AP João Carlos Mór

Como se vê, há muito Momo reina sobre as plagas cachoeirenses e o povo, mesmo em situações adversas, acha um jeito de render-lhe divertidas homenagens.

MR

Comentários

  1. O Clube Comercial era onde hoje se encontra o arquivo. A fachada não mudou nada. Show!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co