Pular para o conteúdo principal

Rei Momo preparando-se para a estrepitosa arrancada

Em 2018 não haverá carnaval de rua em Cachoeira do Sul. Ou melhor, o carnaval com apoio institucional não terá os tradicionais desfiles de rua. Mas como carnaval é paixão, alguns blocos carnavalescos irão levar a folia para as ruas, fazendo seu tributo a Momo e aos folguedos típicos desta época.

Os desfiles de rua há muito aconteciam em Cachoeira e tais registros aparecem na imprensa desde 1900, quando surgiu O Commercio, jornal de que foi preservada a coleção.

Há 100 anos, os cachoeirenses de então reuniram-se na Praça das Paineiras para ver os corsos passarem, atirando-se ao "jogo do confete e serpentina". Em 1928, alguns blocos, como os Grooms  e Os Fidalgos promoveram "um animado corso na Avenida". Havia também o bloco Os Futuristas, "do Alto", e o Sai da Frente.

Em 1938, O Commercio, edição do dia 16 de fevereiro, traz a seguinte notícia em sua primeira página:

"Rei Momo" preparando-se para a estrepitosa "arrancada". Rei Momo vae iniciar, esta semana, seus preparativos para a retumbante "arrancada" de 26 e 28 de Fevereiro e 1.º de Março. 
Assim, hoje, quarta-feira, está projectada uma forte "investida" á residencia do sr. Edwino Schneider.

Casa adquirida por Edwino Schneider em 1928 - Fototeca Museu Municipal

Sabbado, ao que consta, haverá, no Commercial, um baile burlesco, entre cujos blocos surgirão, com aquella animação que os caracterisam, o desacatante "Carurú" e os ruidosos "Casados" e "Solteiros".

Bloco carnavalesco defronte à sede do Clube Comercial - AP João Carlos Mór

Também é provavel que, neste dia, os diversos cordões das ruas façam a sua exhibição, notadamente: "Floresta-Aurora", o terror dos paralelepípedos; "Filhas do Trabalho" e o "Bloco dos Sargentos", cujos dois ultimos obtiveram, no carnaval passado, um grance successo.
Por sua vez, o Concordia e Sociedade Italiana não ficarão, indubitavelmente, sem darem uma nota magnifica, distincta, assim como a do anno transcurso, que foi fulgurante.
Pelo que observamos, parece que apezar das "crisias" e outras "brusuras" (como diz o Bichinho), teremos um carnaval regular, pois o movimento no sentido de organizações de blocos vae estendendo, sendo confeccionadas letras e adaptadas musicas para sambas, canções e marchas.
São as seguintes as marchas e canções das "enfezadas turmas" do Commercial:
"Maria Sapeca", "Ama secca", "Eu dei", "Que horas são?", "Nos callos não me pise", "Apanhar não é prazer", "Vem, meu bem", "Você gosta de brincar", "Yes, nós temos bananas" e "Vacca preta".

Bloco carnavalesco Fica Firme - década de 1930 - Clube Comercial
- AP João Carlos Mór

Como se vê, há muito Momo reina sobre as plagas cachoeirenses e o povo, mesmo em situações adversas, acha um jeito de render-lhe divertidas homenagens.

MR

Comentários

  1. O Clube Comercial era onde hoje se encontra o arquivo. A fachada não mudou nada. Show!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da