Pular para o conteúdo principal

1928 - Chevrolet & Ford

O mercado automobilístico no século XXI oferece milhares de opções a um mundo movido por quatro rodas. Os automóveis, nos dias correntes, extrapolaram o caráter de utilitários para se tornarem verdadeiros objetos de desejo...

Imaginemos então a oferta dos autos, ou bólidos, que o mercado de 90 anos atrás disponibilizava. Era um tempo de inexistência de indústria do setor no Brasil. Automóveis e outros veículos eram todos importados - e o preço de tais luxos condizia com o longo trajeto que precisavam fazer para chegar aos revendedores locais.

Em meados de março de 1928, duas revendas em Cachoeira ofereciam novidades, conforme noticiava O Commercio, edição do dia 28:

Sabbado ultimo realizou-se, na Agencia Chevrolet, do sr. Eduardo Schaurich, e na Agencia Ford, dos srs. Schirmer & Minssen Ltda., a exposição  dos novos typos Chevrolet e Ford, com os ultimos aperfeiçoamentos introduzidos pelos fabricantes.
A Agencia Chevrolet foi aberta depois das 19 1/2, porém, desde as 19 horas já os interessados e curiosos formavam cordão á frente do edificio, provando como o automobilismo vai, em proporção crescente, despertando o interesse publico.

Agência Chevrolet - Rua 7 de Setembro - Coleção Robispierre Giuliani

Abertas as portas, exmas. senhoras, senhoritas e cavalheiros encheram o recinto da Agencia, admirando e commentando o novo modelo, de que já estavam vendidos 4 carros, inclusive o que figurava na exposição.

Chevrolet 1928 - Pinterest

Aos presentes foram servidos doces, vinho do Porto e cerveja, estando o edificio profusamente iluminado.
Uma victrola alegrou, com trechos de musica classica, a reunião, que prolongou-se até além das 9 horas da noite.
- A's 20 1/2 começou a affluencia de exmas. familias e cavalheiros á Agencia Ford, profusamente iluminada, onde estava exposto o novo modelo Ford, annunciado ha mezes e anciosamente esperado.
Entre os quatorze aperfeiçoamentos introduzidos, é notavel o augmento da força do motor, de 20 para 40 cavallos, continuando o Ford no seu ideal de produzir carros de typo leve, proprios para a campanha.

Agência Ford - Rua Saldanha Marinho - Fototeca Museu Municipal

Tambem ali houve um grande vai-vem de visitantes, que se premiam no recinto, sendo servido chopp aos presentes.

Ford 1928 Modelo A - Streetside Classics

Pelas 9 horas, a banda musical Estrella Cachoeirense chegou á Agencia, executando alguns trechos de seu repertorio.
Essas duas exposições constituiram, pela numerosa assistencia que tiveram, o principal successo da semana finda.

O século virou e a tecnologia evoluiu tremendamente, mas uma coisa segue indefectivelmente a mesma: o fascínio da humanidade pelos automóveis.

MR

Comentários

  1. Que legal.Tive vários primos que trabalharam na Chevrolet,os filhos do Clodomiro Paschoal e uma prima também. Como é bom é interessante teu Blog Miriam. Sempre parabéns pelo teu trabalho. Não comento quase,mas sempre leio.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pela leitura e valorização do nosso trabalho, Marta!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co