Pular para o conteúdo principal

De Cachoeira para Passo Fundo

Passados 60 anos da morte de Joaquim de Almeida Vidal, natural que sejam relembradas as suas obras construtivas e a participação que teve na vida cultural e social da cidade. Cidadão que sempre se envolveu com os grandes acontecimentos locais, com sua habilidade de desenhista/projetista, foi decorador de vitrines para eventos especiais, criador de carros alegóricos e artífice nos salões dos clubes em festas de carnaval, bailes e solenidades.

Seu legado arquitetônico, ainda que pouco reconhecido, vem sendo aos poucos redescoberto, especialmente por força do trabalho de identificação e ordenamento do acervo de plantas e projetos existentes no acervo do Arquivo Histórico, tarefa em curso e executada em parceria com acadêmicos da Faculdade de Arquitetura/UFSM, Campus Cachoeira do Sul, sob a coordenação da Ms. Letícia Castro Gabriel.

Ms. Letícia Gabriel analisando conjunto de plantas e projetos
- Acervo Cartográfico do Arquivo Histórico

Planta do pavilhão restaurante da VI Festa Nacional do Trigo
- Acervo Cartográfico do Arquivo Histórico

O que poucos sabem é que Joaquim Vidal, a partir de sua experiência com o planejamento e construção dos pavilhões para a VI Festa Nacional do Trigo, ocorrida em Cachoeira entre 20 e 22 de outubro de 1956, utilizou sua expertise na próxima sede da festa, na cidade de Passo Fundo, no ano seguinte. Das instalações da festa sediada em Cachoeira nada restou e as poucas fotografias conhecidas do evento e das instalações do parque de exposições, sediado no atual Parque da FENARROZ, são de autoria de Alvino Friedrich, proprietário da Fábrica de Trilhadeiras Friedrich, ou estão disponíveis nas coleções de imprensa da época.

Uma das fotos de Alvino Friedrich no parque da VI Festa Nacional do Trigo
- Fototeca Museu Municipal

Ao contrário de Cachoeira do Sul, Passo Fundo, que em 1957 completou seu centenário, registrou fotograficamente os grandes pavilhões de sua festa e, graças ao arquivo particular de Joaquim Vidal existente no Arquivo Histórico, é possível verificar, em um belo álbum, a extensão do trabalho que ele desenvolveu naquela cidade.


Pavilhões da Indústria, do Trigo e da Cultura - VII Festa Nacional do Trigo
- AP Joaquim Vidal

Projeto do Pavilhão do Trigo  - VII Festa Nacional do Trigo
- Acervo Cartográfico do Arquivo Histórico

A dedicação foi tamanha, que Vidal mudou-se com a família para Passo Fundo a fim de orientar e supervisionar as obras. 

Joaquim Vidal trabalhando em Passo Fundo. Na mesa, a maquete
do pavilhão principal da VII Festa Nacional do Trigo
- AP Joaquim Vidal

O gênio criativo de Joaquim Vidal parecia não se esgotar. Desde que assumiu suas funções na Secretaria de Obras Públicas do município de Cachoeira, no ano de 1919, muitas foram as suas frentes de trabalho no embelezamento de recantos públicos e particulares. Mas nem a aposentadoria conquistada depois de 35 anos de trabalho o fez parar, pois ainda empregou sua criatividade e marca pessoais naquele último grande trabalho que o levou de Cachoeira para Passo Fundo.

Joaquim Vidal faleceu no ano seguinte ao da realização da VII Festa Nacional do Trigo, no dia 13 de março de 1958, deixando a esposa Carlinda, os filhos Cléo, Eda, Léo, Neusa, Nelita e vários netos.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da