Pular para o conteúdo principal

De Cachoeira para Passo Fundo

Passados 60 anos da morte de Joaquim de Almeida Vidal, natural que sejam relembradas as suas obras construtivas e a participação que teve na vida cultural e social da cidade. Cidadão que sempre se envolveu com os grandes acontecimentos locais, com sua habilidade de desenhista/projetista, foi decorador de vitrines para eventos especiais, criador de carros alegóricos e artífice nos salões dos clubes em festas de carnaval, bailes e solenidades.

Seu legado arquitetônico, ainda que pouco reconhecido, vem sendo aos poucos redescoberto, especialmente por força do trabalho de identificação e ordenamento do acervo de plantas e projetos existentes no acervo do Arquivo Histórico, tarefa em curso e executada em parceria com acadêmicos da Faculdade de Arquitetura/UFSM, Campus Cachoeira do Sul, sob a coordenação da Ms. Letícia Castro Gabriel.

Ms. Letícia Gabriel analisando conjunto de plantas e projetos
- Acervo Cartográfico do Arquivo Histórico

Planta do pavilhão restaurante da VI Festa Nacional do Trigo
- Acervo Cartográfico do Arquivo Histórico

O que poucos sabem é que Joaquim Vidal, a partir de sua experiência com o planejamento e construção dos pavilhões para a VI Festa Nacional do Trigo, ocorrida em Cachoeira entre 20 e 22 de outubro de 1956, utilizou sua expertise na próxima sede da festa, na cidade de Passo Fundo, no ano seguinte. Das instalações da festa sediada em Cachoeira nada restou e as poucas fotografias conhecidas do evento e das instalações do parque de exposições, sediado no atual Parque da FENARROZ, são de autoria de Alvino Friedrich, proprietário da Fábrica de Trilhadeiras Friedrich, ou estão disponíveis nas coleções de imprensa da época.

Uma das fotos de Alvino Friedrich no parque da VI Festa Nacional do Trigo
- Fototeca Museu Municipal

Ao contrário de Cachoeira do Sul, Passo Fundo, que em 1957 completou seu centenário, registrou fotograficamente os grandes pavilhões de sua festa e, graças ao arquivo particular de Joaquim Vidal existente no Arquivo Histórico, é possível verificar, em um belo álbum, a extensão do trabalho que ele desenvolveu naquela cidade.


Pavilhões da Indústria, do Trigo e da Cultura - VII Festa Nacional do Trigo
- AP Joaquim Vidal

Projeto do Pavilhão do Trigo  - VII Festa Nacional do Trigo
- Acervo Cartográfico do Arquivo Histórico

A dedicação foi tamanha, que Vidal mudou-se com a família para Passo Fundo a fim de orientar e supervisionar as obras. 

Joaquim Vidal trabalhando em Passo Fundo. Na mesa, a maquete
do pavilhão principal da VII Festa Nacional do Trigo
- AP Joaquim Vidal

O gênio criativo de Joaquim Vidal parecia não se esgotar. Desde que assumiu suas funções na Secretaria de Obras Públicas do município de Cachoeira, no ano de 1919, muitas foram as suas frentes de trabalho no embelezamento de recantos públicos e particulares. Mas nem a aposentadoria conquistada depois de 35 anos de trabalho o fez parar, pois ainda empregou sua criatividade e marca pessoais naquele último grande trabalho que o levou de Cachoeira para Passo Fundo.

Joaquim Vidal faleceu no ano seguinte ao da realização da VII Festa Nacional do Trigo, no dia 13 de março de 1958, deixando a esposa Carlinda, os filhos Cléo, Eda, Léo, Neusa, Nelita e vários netos.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co