Pular para o conteúdo principal

Uma nota fiscal de 150 anos

O acervo documental do Arquivo Histórico oferece um universo de possibilidades para perscrutação do passado. Uma simples nota fiscal, por exemplo, item que comumente jogamos na lata de lixo, é capaz de permitir uma verdadeira viagem no tempo, especialmente se ela foi emitida há 150 anos!

Logicamente uma nota fiscal de 150 anos está arquivada no acervo documental em razão de sua condição de documento comprobatório de uma despesa gerada para a Câmara Municipal, com trânsito pelas seções então existentes dentro do aparato administrativo. A figura do procurador, que era o responsável pelas finanças municipais, tinha grande importância, pois seu compromisso era de "arrecadar e aplicar as rendas municipais e multas destinadas a despesas da Câmara; demandar a execução das Posturas Municipais, impondo penas aos contraventores; defender os direitos da Câmara perante a Justiça Ordinária; apresentar trimestralmente as contas à Câmara e conservar em boa guarda todos os objetos pertencentes à Câmara, os quais deveriam ser inventariados. Conforme registros de pagamentos em livros e documentação avulsa, competia ao procurador efetuar os pagamentos das contas da Câmara." Eis a razão da nota fiscal da Loja de Fazendas, ferragens, miudezas, louça e molhados, de Gomes & Meneses ter sido trazida aos nossos dias, revelando uma aquisição de materiais que seriam empregados na Casa de Câmara, Júri e Cadeia, constantes de:

12 Arandellas de bronse com mangas de 2 luses (valor unitário de 12 réis) - 180.000
6 Globos de vidro (valor unitário de 8 réis)  - 48.000
26 Lanternas com vidros de cores brancas (valor unitário de 1 réis) - 26.000
Acondiccionamento - 3.000
Frete ao vapor e carretos - 6.000
nota que perfez o total de 263.000 réis. Francisco de Souza Meneses, para quem a nota foi emitida, era vereador da Câmara (legislatura de 1865-1868).

Nota fiscal de Gomes & Meneses, Cachoeira, 10/4/1868
- CM/Po/DRD/DD-Caixa 26
A nota fiscal de Gomes & Meneses revela que a Cachoeira de 1868 tinha estabelecimentos comerciais especializados, capazes de abastecer o mercado com importação de produtos, pois os itens lançados tiveram que vir de vapor, com as despesas de frete incluídas na negociação. A despesa foi feita com a Casa de Câmara, Júri e Cadeia, então uma novel construção, na sua iluminação interna e externa, conforme registrado em livro de Demonstração de Receita e Despesa da Câmara Municipal da Cidade da Cachoeira - CM/Po/RD/AC-003, fl. 219.

Onde ficava a loja de Gomes & Meneses? Seria o vereador para quem a nota foi emitida, em nome da Câmara, o "Meneses" da razão social?

A história é uma "senhora" de mil faces, costumando se revelar por inusitadas formas, ou manter-se escondida, levando-nos a procurar mais e mais.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co