Pular para o conteúdo principal

Colheita do arroz - 1908

O arroz, historicamente, como sabido pelos cachoeirenses, é o produto que mais longe levou o nome do município. A excelência de sua produção e o pioneirismo em técnicas de cultivo com irrigação artificial das lavouras credenciaram Cachoeira do Sul ao título de Capital Nacional do Arroz. É bom relembrar isto em tempos que se aproximam da realização da 20.ª FENARROZ, que acontecerá de 29 de maio a 3 de junho de 2018.

Arroz - riqueza municipal - foto Robispierre Giuliani

Há 110 anos, o produto estava em ascensão. Grandes áreas cultivadas rendiam excepcionalmente, dando destaque a nomes como Neves, Torres & Cia. e André Kochemborger, com grandes lavouras de irrigação mecanizada junto ao arroio Irapuá; Dr. Arlindo Leal e Ernesto Pertille, junto ao rio Jacuí, e Nunes, Preussler & Cia., no Alto Ferreira.

Jorge Franke, João Jorge Krieger, Fidélis Prates, Roberto Danzmann, Eurípedes Mostardeiro, João Baptista Carlos e Dr. Balthazar de Bem, entre outros, já tinham feito investimentos na irrigação mecanizada de suas lavouras um ano antes, despertando o interesse de novos empreendedores.

Jorge Hugo Franke, pioneiro na irrigação artificial 


O jornal Rio Grande , edição de 8 de maio de 1908, traz a seguinte nota:

Colheita do arroz. Prosseguem com a maior actividade, em todo o municipio, os trabalhos da colheita de arroz. Infelizmente, pella secca a principio, ultimamente pela intensidade do frio, a producção vae ser muito inferior aos calculos feitos no começo da safra. A producção da colonia pode considerar-se completamente perdida.
E' provavel, no entanto, que a escassez do producto seja compensada pela elevação do preço, visto que a diminuição da colheita tem sido assignalada este anno em todo o Rio Grande do Sul, como nos estados do norte, segundo  informações da imprensa.

Chama a atenção a eterna preocupação com o preço do produto, o que a distância mais do que centenária não conseguiu mudar. Também é digno de nota o frio que já naquele princípio de maio de 1908 estava a causar prejuízos às lavouras, exatamente o contrário do que maio de 2018 tem mostrado.

2018 e 1908, apesar do hiato de tempo, no quesito arroz, guardam diferenças e similaridades que não se afetam apenas ao clima ou ao preço do produto no mercado. Em 110 anos, Cachoeira do Sul desceu alguns degraus no ranking, chegando em 2015 ao 10.º posto dentre os municípios com maior produção de arroz no Rio Grande do Sul. Mas "quem é rei nunca perde a majestade".

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co