Pular para o conteúdo principal

Bilhete de amor

Muitas vezes os livros resguardados no Arquivo documentam histórias que extrapolam o seu propósito, ou melhor, guardam em suas páginas amareladas pelo tempo rabiscos que não deveriam estar ali...

No afã da pesquisa, não raras são as vezes que surpresas interrompem a rotina do pesquisador, permitindo que ele fuja do objeto de seu trabalho para se lançar em divagações e suposições. Numa destas tão caras e importantes tarefas, eis que ao folhear um antigo livro de receita e despesa da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, ano 1834, a pesquisadora Ucha Mór localizou, dentre suas páginas, um bem dobrado bilhete escrito a lápis.

Livro 2.º de Receita e Despesa da Irmandade do Rosário

A caligrafia revela pessoa rudimentarmente iniciada no alfabeto. Trata-se de uma mulher de nome e tempo ignorados.

Bilhete manuscrito a lápis

Diz o bilhete mal traçado em um rasgo irregular de papel:

quirido velinho eu te ispereito da a tarde e tu não apareseu eu acho que ja so esquecido poz tu eu vi oje que tu esta cõm novo amor mas não a de ser nada eu sempre guardo uma esperansa que côm o tempo eu ainda eu de ser felis sim mais aseitas um beijo des-ta que não te esquese e te quer sempre

Arrematando o bilhete, escrito na parte superior do papel e na contramão do lado correto:

tomei 2 servejas para não perder o visio

O bilhete deixado no velho livro não guarda com ele nenhuma relação. A autoria, a época em que foi escrito e o motivo de estar guardado ali são incógnitas. De qualquer forma, o bilhete de amor introduzido num livro histórico, ainda que na condição de intruso, constitui-se um documento anônimo da vida de alguém - prova de uma cotidiana história dentro da história.

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co