Pular para o conteúdo principal

Um simples requerimento - uma janela para o passado

Diz Anna Fran.ca Roiz. Pereira, residente em Porto Alegre, por seu procurador abaixo assignado, que tendo subido extraordinam.te o preço dos alugueis de casas, e a fim de fazer face ao pagam.to da que aluga p.ª sua moradia e de sua numerosa familia, vem respeitosam.te pedir a V.S.ª se digne ordenar q. d'esta data em diante lhe seja pago o aluguel da casa occupada pela Guarda Municipal, pelo preço de quarenta mil reis mensaes; attendendo tambem a q. é um edificio que está sugeito a m.tos estragos, cujas reconstrucções correm por conta da proprietaria supp.e, como succedeu por occasião do conflicto de 25 de Março de 1891, q. nenhuma indemnisação teve a supp. do Governo Federal como era de justiça, attendendo mais a que com o pagam.to da décima urbana que integralm.te faz a supp.e, nao fica oneroso aos cofres municipaes o acrescimo que pede: Portanto

P. a VS.ª se digne
deferir o q. requer

E  R. M.ce
Cachoeira 31 de Março 1894
Policarpo Perª de Carvº e S.ª 
(IM/S/SE/CR-001)

Requerimento 31/3/1894 - IM/S/SE/CR-002

O requerimento de Anna Francisca Rodrigues Pereira, que havia sido a primeira professora pública nomeada em Cachoeira, traz uma informação muito interessante quando solicitou ao intendente que ordenasse lhe fosse majorado o aluguel para 40.000 réis mensais pela casa ocupada em Cachoeira como quartel da guarda municipal. Com o valor desse aluguel, poderia fazer frente ao que lhe era cobrado pela casa de moradia que alugava para sua numerosa familia. Em seus argumentos para o aumento do aluguel, Anna Francisca referiu que a casa necessitava de muitos reparos que corriam por sua conta, como ocorrera por ocasião de um conflito havido na cidade. Com este simples pedido, ela lança o olhar de hoje para um episódio acontecido em 25 de março de 1891, fato que até o presente momento não havia sido descoberto, muito em razão da inexistência de exemplares de jornais da época. Que conflito teria sido este?

Desde 1884, Porto Alegre dispunha do jornal A Federação, órgão do Partido Republicano, que noticiava os acontecimentos nos mais diferentes recantos do estado. E eis que na  edição de 27 de março de 1891, pôde ser encontrada a notícia Conflicto na Cachoeira, onde se lê que na noite de 25 ocorreu luta entre praças da guarda cívica e do batalhão de engenheiros estacionado na cidade. Encontrando-se em uma rua travaram lucta, informa o jornal. Os praças da guarda cívica buscaram reforços em seu quartel e partiram a atacar o do batalhão de engenheiros. Ali travou-se grave conflicto, ficando feridos soldados de parte a parte. Tambem ficaram feridos o tenente Carlos Pacheco, commandante da secção civica, e o delegado de policia. Pessoas do povo tambem tomaram parte na lucta, a favor das praças civicas. Obedecendo a ordens superiores o batalhão partiu hoje para esta capital, pela estrada de ferro de Porto  Alegre a Uruguayana, ficando na Cachoeira os soldados feridos a elle pertencentes. O jornal informou ainda que seguiria para Cachoeira um reforço da guarda cívica.

Jornal A Federação - edição de  27/3/1891 
http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=388653&PagFis=6107&Pesq=mar%C3%A7o%20de%201891

Jornal A Federação - edição de  28/3/1891
http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=388653&PagFis=6107&Pesq=mar%C3%A7o%20de%201891

Na edição do dia seguinte, o jornal faz uma mais bem detalhada descrição do conflito, dizendo que tudo começara no dia anterior, quando um soldado do batalhão havia sido ferido por outro da guarda cívica. Em a noite do dia seguinte, logo após a entrada do sol, começaram a apparecer grupos de soldados do batalhão, munidos de cacetes e armas brancas. Começaram os ataques e na contenda o grupo invasor do quartel da guarda civica, composto de cerca de trinta soldados do batalhão, quebrou janellas, arrombou portas, extraviou o archivo, tomou o armamento e com elle começou a fazer fogo contra os populares que então se reuniam na praça. Cerca de uma hora durou o tiroteio. Alem do commandante da guarda civica e do delegado, ficaram feridos mortalmente um guarda e um cidadão, e outros levemente.

Pelo que se deduz das informações contidas n'A Federação, os envolvidos no conflito representavam maus elementos que tinham participado dos episódios ocorridos no Rio. Na confusão em Cachoeira, não acataram as ordens de disciplina dos distinctos officiaes do batalhão que se apresentaram para contel-os na occasião do ataque ao quartel da guarda civica. 

O inocente requerimento da antiga professora Anna Francisca Rodrigues Pereira, cujo despacho do intendente não lhe foi favorável, traz à luz de nossos dias preciosas e até então desconhecidas informações. E juntamente com as novas, traz interrogações que, por enquanto, ainda ficarão à espera de desvendamento. Que conflitos teriam se ferido no Rio? Seria a casa que ela solicitava majoração no aluguel a antiga Aula de Meninas, onde começara a lecionar no final dos anos 1840? Tal casa, segundo ela mesma informou no requerimento, havia sido bastante avariada com o conflito. E sendo aquela a casa, sua localização, na Rua Moron, próxima às praças da Igreja e do Mercado, permitiria que lá o povo se reunisse para observar a briga.

Antiga Aula de Meninas, na Rua Moron - COMPAHC

Daqui a pouco, quando menos se espera, poderão surgir outros documentos com luzes sobre estas dúvidas. Mas muito importante, um excelente achado, foi a preciosa informação que termina a matéria da edição do dia 28 de março de 1891 d'A Federação: O  dr. Ramiro Barcellos compareceu a prestar soccorros medicos aos feridos. Definitivamente o documento encontrado é demais precioso, pois abriu uma janela para o passado, comprovando que o Dr. Ramiro Barcellos realmente um dia clinicou na terra natal!

Dr. Ramiro Barcellos - Wikipédia

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co