Pular para o conteúdo principal

1900 - Linguagem das Luvas

Uma diferença quase abissal separa o ano 1900 de 2018! A comunicação entre as pessoas hoje se dá majoritariamente no dedilhar em celulares e poucas não são as vezes que elas se comunicam, mesmo que lado a lado, por meio de mensagens no WhatsApp!

Imaginemos então como seria a comunicação entre homens e mulheres há 118 anos, quando ambos ensaiavam algum flerte... Flerte? Palavra também em desuso nos nossos dias. Traduzindo: aproximação, paquera... 

A moda, por incrível que pareça, também é fator de interferência nas atitudes das pessoas. Em 1900, os trajes eram recatadíssimos. Homens e mulheres deixavam entrever poucas partes de seus corpos e as luvas eram acessórios de ambos.

http://pinicando.blogspot.com/2012/11/historia-da-moda.html
https://estilocool.wordpress.com
No jornal O Commercio, em sua edição inaugural de 1.º de janeiro de 1900, página 1, um interessante texto chama a atenção, pois informa a linguagem das luvas, ensinando aos enamorados códigos para o seu entendimento íntimo:


Diz assim:

Ao Bello Sexo
Achando-se em um salão dois namorados, e querendo a namorada corresponder-se com o seu adorado, poderá, sem ser percebida pelos extranhos, executar os signaes seguintes por meio da
Linguagem das Luvas
Deixar cahir uma luva significa: Sim.
Engelhar* as luvas com a mão direita: Não.
Meia luva calçada na mão esquerda: Indifferença.
Bater no hombro esquerdo com a luva: Segue-me.
Dar com as luvas na barba: Já não te amo.
As luvas do avêsso: Odeio-te.
Dobrar as luvas com o dedo pollegar de fóra: Amas-me?
Deixar cahir as luvas: Amo-te.
Dar volta ás luvas em roda dos dedos: Tem cuidado que... [rasgado]
Bater nas mãos [rasgado] incommodada.
Pegar n'uma luva em cada mão e abrir os braços: Estou furiosa.
Engelhar as luvas com ambas as mãos: Foge que vem o papae ou a mamãe.
Atirar as luvas no ar e aparal-as com as duas mãos: Approxima-te que estou sósinha.
Morder as luvas: Quando me escreves?
Mostrar ambas as mãos com as luvas calçadas: Vou passear ou fazer visitas.
NB.) No proximo numero daremos a "Linguagem do Leque".
Cupido & Cia.

Como se vê, toda época encontra meios para, burlando a vigilância e os censuradores de plantão, exercitar em código aquilo que não deve saltar aos olhos!

*engelhar: amassar, amarrotar.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co