Pular para o conteúdo principal

A Freguesia às portas da Vila

3 de agosto de 1820. A Freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Cachoeira estava às portas do grande dia em que seria emancipada da vizinha Vila de Rio Pardo. Os preparativos já se faziam notar, especialmente pela presença do Ouvidor Geral e Corregedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina, Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, que providenciava o aparato e os documentos para a grande solenidade de instalação do município, marcada para 5 de agosto.

Uma das tarefas do Ouvidor foi a de abrir os livros competentes para o lançamento das rotinas administrativas do futuro município, com destaque para o que serviria ao registro dos termos da criação da Vila Nova de São João da Cachoeira, o mais importante dos livros abertos naquela época:

Este Livro háde servir, para nelle se lansarem os Termos da Creação da Villa Nova de São João da Cachoeira, o qual vai numerado, e rubricado por mim Ouvidor Geral, e Corregedor da Comarca, e no fim leva o seu encerramento. Cachoeira, "3 de Agosto de 1820"

Joaqm. Bernardino de Senna Ribr.º


Termo de Abertura do livro CM/OF/TA-008
Capa do livro 1.º de Criação da Vila - CM/OF/TA-008

Pouco se sabe da vida de Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa e sequer ficou registrado  o tempo de sua permanência entre os cachoeirenses de então. Sua chegada foi bem anterior ao dia 5, como atestam os livros por ele abertos. Onde teria ficado? Que personagens daquele período histórico teriam sido seus anfitriões e auxiliares? A solenidade de instalação da Vila, constante da abertura dos pelouros e respectivos livros, eleição dos vereadores e demais cerimônias constantes do ritual devem ter demandado uma preparação, cabendo à autoridade máxima proceder à sistematização da documentação que faria os registros da história do quinto município mais antigo do Rio Grande do Sul.

É provável que o local onde se reuniu o povo para a cerimônia de instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira tenha sido o terreno que dez anos depois receberia o nome de Praça do Pelourinho (atual Praça José Bonifácio), certamente em alusão ao espaço em que foi erguido o pelourinho, símbolo e marco da autonomia municipal.

Se de Joaquim Bernardino pouco ou quase nada se sabe, sua rápida passagem pelo município foi de suma importância para que ficasse registrado como o homem que abriu, lavrou e rubricou os primeiros instrumentos de registro da nossa história político-administrativa. Em sua memória o município nomeou a Rua Joaquim Senna Ribeiro, no Bairro Barcelos.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co