Pular para o conteúdo principal

Materializando o passado

O passado pode se materializar quando lemos um documento produzido há muito tempo. As palavras, com sua força expressiva, são capazes de descrever cenários, desvendar sentimentos. Por isto história e literatura são tão próximas e tão parceiras na reconstituição do tempo.


Esta é a sensação despertada por uma ata de sessão extraordinária da Câmara Municipal que registrou acontecimento festivo do dia 31 de janeiro de 1830, época em que a Vila Nova de São João da Cachoeira se constituía de poucas ruas, almas* e fogos**. Naquele dia, os vereadores saíram trajados de gala e se dirigiram à Igreja Matriz, depois participaram de uma procissão pelas ruas. A descrição do secretário que lavrou a ata é destes registros que de fato permitem que o passado ganhe corpo:

Ata de sessão extraordinária de 31/1/1830 - CM/OF/A-002
- fl. 36

CM/OF/A-002, fl. 36v - Acervo documental Arquivo Histórico

[Anotado na folha 36]
SeSsão Extra-Ordinaria do dia 31 de Janeiro 1830 =

Dada a hora, e feita a chamada achárão-se presentes Seis Senhores Vereadores, faltando com causa o Senhor Pinto.

Declarou o Senhor Presidente aberta a Sessão.

Leu o Secretario a Acta da antecedente, que ficou approvada.
Seguio a Camara vestida de Grande Galla, a Igreja Matriz, por entre concurrencia de pôvo; ali postada huma Guarda do Bacthalhão e Estrangeiros Numero vinte e trez, commandada por hum Cappitam, e hum Tenente, estando toda a Tropa ricamente vestida, se fizerão as continencias do custume; e o Muito Reverendo vigario de Capa d’Aspergé, veio á porta da Igreja receber a Camara. Tomando a Camara aSsento mais se arrebatou pela concurrencia do Povo, e a parte, que tomárão neste festejo. As Auctoridades, vestidas de Galla Grande coadjuvárão ao brilho; fazendo realizar a elegancia com que esteve ornada a Igreja; as Alfaias as mais ricas; as luzentas Bambicullas, que tremião; o Throno illuminado, fazião recuar a vista, sucumbir a imaginação, e expontaneamente apparecia a saptisfação geral. Então emtrou a Missa Solemne, emtoada pelo Muito Reverendo vigario, seguido da melhor Musica de Paiz; expoz-se o Senhor no Trono; e na sua Expozição, e segundo o custume a Tropa deu quatro salvas, sendo de trez descargas cada huma. Nam houve Sermão por falta de Orador. No fim se emtrou o Te Deum, solemnisado pela orquestra, e muzica, seguido de trez descargas: não faltando no fogo artificial de ar, cujo estrepido reSsoava de continuo; cujo fumo, formava como que huma nuvem dença.
Emtam se recolhêo a Camara, adiada a Sessão, e ás quatro horas da tarde, achando-se reunida a Camara na Salla das Sessoens, se encaminhou a Igreja Matriz, e depois das Venias do custume princi-
[Anotado na folha 36v]
principiou a ProciSsão, seguida de todas as Irmandades, Clero, e Nobreza; e apoz a Camara, e a Guarda, correndo a Villa se notárão as Ruas matizadas de flores, e folhagens, e as janellas guarnecidas ricamente, e occupadas pelo bello sexo, ornado emtam com elegancia, e os ares estrepidando de continuo com o fogo artificial.
Recolhida a ProciSsão, ao emtrar do Sol, se emSserrou o Sacramento; todos se recolherão, e chegando a Camara a Salla das Sessoens, Declarou o Senhor Presidente feichada a SeSsão extraordinaria.

E para constar se lavrou esta Acta, em que assignárão.

Eu João Jozé da Silva, Secretario a escrevÿ ---
[Anotado rente à margem direita]
Jozé Custodio Coelho Leal
Ignacio Roiz’. de Carv.o
Antonio Xavier da Silva
Joze Gomes de Oliveira
Gaspar Fran.co Glz.’
Manoel Alvares dos Santos Pessôa


CM/OF/A-002, fls. 36 e 36v


Esta postagem homenageia a nossa colega Maria Lúcia Mór Castagnino, a Ucha, cuja aposentadoria se impôs, privando-nos de sua presença e precioso auxílio. Muitos dos documentos da nossa história passaram por ela, traduzindo e materializando as informações do passado.

Ucha transcrevendo documento

*almas: pessoas, habitantes
**fogos: casas, lares

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da