Pular para o conteúdo principal

Tabela das Passagens de Rios

As necessárias reformas na Ponte do Fandango, neste ano de 2018, há tanto pleiteadas, têm feito os cachoeirenses conviverem com a problemática de travessia do rio Jacuí através de balsas. Os humores do rio, as mudanças climáticas típicas de inverno rigoroso, as questões burocráticas e a logística da travessia por este meio de transporte têm dominado as conversas e as notícias. 

Poucas pessoas se dão conta de que cruzar o Jacuí e seus tributários tem sido um desafio de séculos. Cachoeira se aproxima rapidamente de seus 200 anos de história oficial, descontados aí os primeiros tempos de ocupação a partir de 1750, quando o Jacuí dominou (e segue dominando) a cena, uma vez que a cidade se desenvolveu a partir de sua existência. Como a navegação comercial desapareceu da vida corrente, por vezes esquecemos do quanto ela já foi preponderante e de que justamente por isto necessitava de disciplinamento para funcionar de forma que atendesse usuários e prestadores dos serviços.

Na documentação do Arquivo Histórico há várias tabelas contendo taxas de passagens e o quanto de impostos incidia sobre o serviço. Em uma delas, de 12 de novembro de 1862, assinada pelo secretário da Câmara Municipal, Antonio Joze de Almada, tem-se uma ideia dos valores dos impostos cobrados dos diferentes veículos da época quando de sua travessia pelos rios. 

Tabella

Do imposto de paSsagem de rios
1.º De carreta ou cousa semelhante tirada por bois, carregada 2$000 reis; em meia carga 1$280 reis, e descarregada 1$000 reis.
2.º De carretilha, omnibus, ou cousa semelhante, tirada por cavallos ou bestas, metade das quantias designadas no numero acima.
3.º Por paSsar a carga de uma carreta 1$000 reis; por meia carga 500 reis. Pela de cada carretilha ou carroça metade do imposto.
4.º Por cargueiro carregado 200 reis, descarregado 100 reis.
5.º Por passar a carga de um cargueiro 120 reis.
6.º Por paSsar animal cavallar, muar ou vaccum 80 reis.
7.º Por animal ovelhum, cabrum ou suino 40 reis.
8.º Por peSsoa 80 reis.
9.º Por paSsar carreta em paSso onde não houver barca 500 reis.
10.º Por paSsar a reboque animal cavallar, muar, ou vaccum 80 reis.
11.º Por canoa que se empregar em puxar madrinha de tropa, ou em dirigir animaes soltos 400 reis.
Estando o rio cheio fora do leito serão dobradas as passagens.
Cachoeira 12 de Novembro de 1862
Conforme
O Secretario
A. J. d'Almada

Tabela de 12/11/1862 - CM/S/SE/RG-Caixa 22
Documentos, como a tabela acima, remetem-nos muito além do conteúdo que expõem. Dão-nos ideia de muitas outras coisas que o tempo levou.

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co