Pular para o conteúdo principal

Tabela das Passagens de Rios

As necessárias reformas na Ponte do Fandango, neste ano de 2018, há tanto pleiteadas, têm feito os cachoeirenses conviverem com a problemática de travessia do rio Jacuí através de balsas. Os humores do rio, as mudanças climáticas típicas de inverno rigoroso, as questões burocráticas e a logística da travessia por este meio de transporte têm dominado as conversas e as notícias. 

Poucas pessoas se dão conta de que cruzar o Jacuí e seus tributários tem sido um desafio de séculos. Cachoeira se aproxima rapidamente de seus 200 anos de história oficial, descontados aí os primeiros tempos de ocupação a partir de 1750, quando o Jacuí dominou (e segue dominando) a cena, uma vez que a cidade se desenvolveu a partir de sua existência. Como a navegação comercial desapareceu da vida corrente, por vezes esquecemos do quanto ela já foi preponderante e de que justamente por isto necessitava de disciplinamento para funcionar de forma que atendesse usuários e prestadores dos serviços.

Na documentação do Arquivo Histórico há várias tabelas contendo taxas de passagens e o quanto de impostos incidia sobre o serviço. Em uma delas, de 12 de novembro de 1862, assinada pelo secretário da Câmara Municipal, Antonio Joze de Almada, tem-se uma ideia dos valores dos impostos cobrados dos diferentes veículos da época quando de sua travessia pelos rios. 

Tabella

Do imposto de paSsagem de rios
1.º De carreta ou cousa semelhante tirada por bois, carregada 2$000 reis; em meia carga 1$280 reis, e descarregada 1$000 reis.
2.º De carretilha, omnibus, ou cousa semelhante, tirada por cavallos ou bestas, metade das quantias designadas no numero acima.
3.º Por paSsar a carga de uma carreta 1$000 reis; por meia carga 500 reis. Pela de cada carretilha ou carroça metade do imposto.
4.º Por cargueiro carregado 200 reis, descarregado 100 reis.
5.º Por passar a carga de um cargueiro 120 reis.
6.º Por paSsar animal cavallar, muar ou vaccum 80 reis.
7.º Por animal ovelhum, cabrum ou suino 40 reis.
8.º Por peSsoa 80 reis.
9.º Por paSsar carreta em paSso onde não houver barca 500 reis.
10.º Por paSsar a reboque animal cavallar, muar, ou vaccum 80 reis.
11.º Por canoa que se empregar em puxar madrinha de tropa, ou em dirigir animaes soltos 400 reis.
Estando o rio cheio fora do leito serão dobradas as passagens.
Cachoeira 12 de Novembro de 1862
Conforme
O Secretario
A. J. d'Almada

Tabela de 12/11/1862 - CM/S/SE/RG-Caixa 22
Documentos, como a tabela acima, remetem-nos muito além do conteúdo que expõem. Dão-nos ideia de muitas outras coisas que o tempo levou.

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da