Pular para o conteúdo principal

Parece, mas não é...

Os jornais locais do começo do século XX traziam diferentes assuntos para os seus leitores, até porque uma cidade interiorana não produzia notícias suficientes para encher uma edição. Poemas, artigos, novidades do comércio e da indústria, chegadas e partidas de cachoeirenses e visitantes, conselhos médicos, anúncios comerciais, forasteiros oferecendo toda sorte de produtos e serviços, festas, casamentos, variadas notas fazem dos exemplares d'O Commercio uma deliciosa leitura.

Na edição do dia 30 de outubro de 1901, à página 2, um cidadão que se assinava Urbano Duarte publicou um texto que deve ter produzido boas discussões e até risadas entre os leitores. Ei-lo:

O Comércio, 30/10/1901, p. 2

Os Nomes
Si o nome é uma voz com que se dão a conhecer as cousas, com certeza não é uma voz com que se dêm a conhecer as pessoas. Olhem que parece mesmo de proposito! Vou tratar com um Cordeiro, já sei que me sae um sujeito rispido e raivoso; travo conhecimento com fulano de tal Leão, tenho quasi certeza de encontrar um cavalheiro timido, macio, encalistrado, suave nos modos.
Conheci um individuo por nome Cordeiro Leão, que tinha alma de pomba e coração de tatú; em minha terra havia um Thomaz "Rola", assassino de profissão, caudilho de uma tropa de bandidos, que saqueava as fazendas circumvizinhas.
Quasi todos os "Valentes" sentem frio nos intestinos a qualquer signal de alarma; e sei de um Sebastião "Bravo" que apanha constantemente surras da mulher sem reagir.
Quando me apresentaram o Dr. "Rosado", reparei um semblante côr de cera derretida. Ha dias sentei-me no bond junto de um individuo que tresandava escandalosamente a suores pouco odoriferos. D'ahi a pedaço ouvi o companheiro tratal-o pelo nome. Chamava-se Flores.
O cabello do Sr. Jeronymo Penteado, Official de Justiça, jamais viu pente, e o meu amigo Frederico Barbado tem o cuidado de escanhoar o queixo todas as manhãs.
Desconfio sempre dos Benignos, dos Benedictos, dos Benevenutos e dos Bernardos; mas em compensação não me arreceio dos Crespos nem dos Espinheiros, que quasi sempre são pessoas trataveis.
Os Bastos, que parecem "bastos", quasi sempre são delgados e espigadinhos; e quanto aos Santos, conheço alguns levados dos diabos. Prazeres é nome de preto velho da Bahia, armador de defuntos.
Recebi ha tempos o cartão de um homem que precisava falar-me: "Palmeira Ayrosa Junior". Fui procural-o, e pelo apelido de um sujeito alto, airoso elegante. Pois sahiu-me uma pipa.
Quanto ás mulheres, é a mesma coisa. toda Clara é morena, toda Margarida é preta e as Angelicas são ás vezes diabolicas. As Candinhas, as Virginias e as Purezas polulam em certos recantos, onde se dá tanta importancia á pureza virginal como um cordeiro. De tilbury á divina comedia".
Urbano Duarte

Depois deste escrito antigo, agora em diante os nomes certamente serão vistos sob outro prisma... Ah, os nomes... Neologismos não permitem esta jocosa comparação!

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co