Pular para o conteúdo principal

Parece, mas não é...

Os jornais locais do começo do século XX traziam diferentes assuntos para os seus leitores, até porque uma cidade interiorana não produzia notícias suficientes para encher uma edição. Poemas, artigos, novidades do comércio e da indústria, chegadas e partidas de cachoeirenses e visitantes, conselhos médicos, anúncios comerciais, forasteiros oferecendo toda sorte de produtos e serviços, festas, casamentos, variadas notas fazem dos exemplares d'O Commercio uma deliciosa leitura.

Na edição do dia 30 de outubro de 1901, à página 2, um cidadão que se assinava Urbano Duarte publicou um texto que deve ter produzido boas discussões e até risadas entre os leitores. Ei-lo:

O Comércio, 30/10/1901, p. 2

Os Nomes
Si o nome é uma voz com que se dão a conhecer as cousas, com certeza não é uma voz com que se dêm a conhecer as pessoas. Olhem que parece mesmo de proposito! Vou tratar com um Cordeiro, já sei que me sae um sujeito rispido e raivoso; travo conhecimento com fulano de tal Leão, tenho quasi certeza de encontrar um cavalheiro timido, macio, encalistrado, suave nos modos.
Conheci um individuo por nome Cordeiro Leão, que tinha alma de pomba e coração de tatú; em minha terra havia um Thomaz "Rola", assassino de profissão, caudilho de uma tropa de bandidos, que saqueava as fazendas circumvizinhas.
Quasi todos os "Valentes" sentem frio nos intestinos a qualquer signal de alarma; e sei de um Sebastião "Bravo" que apanha constantemente surras da mulher sem reagir.
Quando me apresentaram o Dr. "Rosado", reparei um semblante côr de cera derretida. Ha dias sentei-me no bond junto de um individuo que tresandava escandalosamente a suores pouco odoriferos. D'ahi a pedaço ouvi o companheiro tratal-o pelo nome. Chamava-se Flores.
O cabello do Sr. Jeronymo Penteado, Official de Justiça, jamais viu pente, e o meu amigo Frederico Barbado tem o cuidado de escanhoar o queixo todas as manhãs.
Desconfio sempre dos Benignos, dos Benedictos, dos Benevenutos e dos Bernardos; mas em compensação não me arreceio dos Crespos nem dos Espinheiros, que quasi sempre são pessoas trataveis.
Os Bastos, que parecem "bastos", quasi sempre são delgados e espigadinhos; e quanto aos Santos, conheço alguns levados dos diabos. Prazeres é nome de preto velho da Bahia, armador de defuntos.
Recebi ha tempos o cartão de um homem que precisava falar-me: "Palmeira Ayrosa Junior". Fui procural-o, e pelo apelido de um sujeito alto, airoso elegante. Pois sahiu-me uma pipa.
Quanto ás mulheres, é a mesma coisa. toda Clara é morena, toda Margarida é preta e as Angelicas são ás vezes diabolicas. As Candinhas, as Virginias e as Purezas polulam em certos recantos, onde se dá tanta importancia á pureza virginal como um cordeiro. De tilbury á divina comedia".
Urbano Duarte

Depois deste escrito antigo, agora em diante os nomes certamente serão vistos sob outro prisma... Ah, os nomes... Neologismos não permitem esta jocosa comparação!

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da