Pular para o conteúdo principal

Indústrias e profissões na Cachoeira de 1891

Cachoeira em 1891 tinha na agricultura, no comércio e na prestação de serviços farta fonte de recursos para a Junta Municipal, como era chamada a comissão de cidadãos que gerenciava a vida político-administrativa e os negócios municipais no momento que sucedeu a proclamação da República (15 de novembro de 1889). O Mercado Público, ao centro da Praça José Bonifácio, com seus quase dez anos de funcionamento, oferecia uma numerosa gama de produtos e serviços aos seus frequentadores, polo que atraía os moradores da zona colonial e outras do interior do município, pulsando em conversas animadas, negócios e apregoações.

Na indústria, destaque para as cervejarias, tamancarias, fábricas de sabão, de banha, de melado  e rapaduras. Na organização administrativa e burocrática, no setor das finanças municipais, então denominado de Seção de Recebedoria e Pagadoria, vários livros de registro de receita e despesa recebiam todas as anotações necessárias para garantir o efetivo controle de entradas e gastos.

Um destes volumes traz o lançamento de impostos sobre indústrias e profissões e é excelente fonte para conhecimento das atividades desenvolvidas, os nomes das pessoas e profissionais existentes e os seus locais de desempenho.

Folha de rosto dos lançamentos - JM/Po/DRD/B-001

Uma das constatações que o documento permite é a localização dos principais negociantes ser na Rua Sete de Setembro. Nesta via, até hoje a mais importante da cidade, conviviam pequenos,  médios e grandes estabelecimentos comerciais, indústrias e escritórios, locais de serviços diversos, como funilarias, relojoarias, padarias, alfaiatarias, sapatarias e hotéis, para citar somente alguns. Nomes conhecidos através do tempo, pelo protagonismo histórico, também surgem, como os de Isidoro Neves da Fontoura, um dos mais importantes políticos do século XX e que, num futuro próximo àquela época, ocuparia a chefia do Partido Republicano local e a Intendência Municipal.

Isidoro Neves da Fontoura - estabelecido com casa de negócio em 1891
Outra personalidade da época, Crescêncio da Silva Santos, construtor do Mercado Público, aparece na lista estabelecido como marceneiro na Rua Moron. Alfredo Xavier da Cunha, futuro intendente do município, mantinha açougue no Mercado e Raphael Riccardi, italiano que se celebrizou trabalhando com sapatos, tinha uma sapataria e casa de negócios na Rua 15 de Novembro.

O documento revela também profissões que desapareceram - ou quase - com o tempo e a modernização da sociedade: pipeiros (os vendedores de água em pipas), mascates, seleiros, curtidores de couro, fabricantes de tamancos e outras. 

Os menores valores pagos ficavam na cifra de cinco mil réis (5$000), taxa aplicada para quem possuía carroças particulares, pipas d'água, chegando ao máximo de 60 mil réis (60$000) para proprietários de algumas casas de negócio.

Manusear documentos conservados em arquivos é mais do que viajar no tempo, é buscar neles peças para compor o imenso quebra-cabeças que constitui a história.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co