Pular para o conteúdo principal

Indústrias e profissões na Cachoeira de 1891

Cachoeira em 1891 tinha na agricultura, no comércio e na prestação de serviços farta fonte de recursos para a Junta Municipal, como era chamada a comissão de cidadãos que gerenciava a vida político-administrativa e os negócios municipais no momento que sucedeu a proclamação da República (15 de novembro de 1889). O Mercado Público, ao centro da Praça José Bonifácio, com seus quase dez anos de funcionamento, oferecia uma numerosa gama de produtos e serviços aos seus frequentadores, polo que atraía os moradores da zona colonial e outras do interior do município, pulsando em conversas animadas, negócios e apregoações.

Na indústria, destaque para as cervejarias, tamancarias, fábricas de sabão, de banha, de melado  e rapaduras. Na organização administrativa e burocrática, no setor das finanças municipais, então denominado de Seção de Recebedoria e Pagadoria, vários livros de registro de receita e despesa recebiam todas as anotações necessárias para garantir o efetivo controle de entradas e gastos.

Um destes volumes traz o lançamento de impostos sobre indústrias e profissões e é excelente fonte para conhecimento das atividades desenvolvidas, os nomes das pessoas e profissionais existentes e os seus locais de desempenho.

Folha de rosto dos lançamentos - JM/Po/DRD/B-001

Uma das constatações que o documento permite é a localização dos principais negociantes ser na Rua Sete de Setembro. Nesta via, até hoje a mais importante da cidade, conviviam pequenos,  médios e grandes estabelecimentos comerciais, indústrias e escritórios, locais de serviços diversos, como funilarias, relojoarias, padarias, alfaiatarias, sapatarias e hotéis, para citar somente alguns. Nomes conhecidos através do tempo, pelo protagonismo histórico, também surgem, como os de Isidoro Neves da Fontoura, um dos mais importantes políticos do século XX e que, num futuro próximo àquela época, ocuparia a chefia do Partido Republicano local e a Intendência Municipal.

Isidoro Neves da Fontoura - estabelecido com casa de negócio em 1891
Outra personalidade da época, Crescêncio da Silva Santos, construtor do Mercado Público, aparece na lista estabelecido como marceneiro na Rua Moron. Alfredo Xavier da Cunha, futuro intendente do município, mantinha açougue no Mercado e Raphael Riccardi, italiano que se celebrizou trabalhando com sapatos, tinha uma sapataria e casa de negócios na Rua 15 de Novembro.

O documento revela também profissões que desapareceram - ou quase - com o tempo e a modernização da sociedade: pipeiros (os vendedores de água em pipas), mascates, seleiros, curtidores de couro, fabricantes de tamancos e outras. 

Os menores valores pagos ficavam na cifra de cinco mil réis (5$000), taxa aplicada para quem possuía carroças particulares, pipas d'água, chegando ao máximo de 60 mil réis (60$000) para proprietários de algumas casas de negócio.

Manusear documentos conservados em arquivos é mais do que viajar no tempo, é buscar neles peças para compor o imenso quebra-cabeças que constitui a história.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da