Pular para o conteúdo principal

Asilo da Velhice Nossa Senhora Medianeira - 70 anos

Em 6 de janeiro de 1949, na sede da SCAN - Sociedade Cachoeirense de Auxílio de Necessitados, aconteceu uma reunião para fundação e eleição da primeira diretoria do Asilo da Velhice Nossa Senhora Medianeira. A reunião foi promovida pela senhorita Rica Carvalho Bernardes e presidida pelo Dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha, prefeito municipal.

O jornal O Comércio, edição do dia 12 de janeiro de 1949, em sua primeira página, traz a notícia: 

Asilo da Velhice Nossa Senhora Medianeira
Eleita presidente a senhorinha Rica Carvalho Bernardes

(...)

Esta reunião foi concorridissima e preliminarmente os trabalhos estiveram sob a presidência do dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha, prefeito Municipal, que após declarar abertos os mesmos, explicou aos presentes a finalidade daquela assembleia, tendo a seguir procedido a leitura dos estatutos que regerão a nova entidade, os quaes foram aprovados por unanimidade.

Dr. Liberato S. V. da Cunha - prefeito municipal
- Fototeca Museu Municipal

Em seguida foi procedida a eleição da primeira diretoria, decorrendo a votação em meio de grande entusiásmo. Serviram como escrutinadores os srs. dr. Ari Pilar Soares e Miguel Fachin, que proclamaram vencedora a seguinte chapa:

Presidente Rica Carvalho Bernardes; Vice idem, José Joaquim de Carvalho; 1.º secretário, Emiliana Saldanha; 2.º idem, Erich Engel; 1.º tesoureiro, Miguel Fachin; 2.º idem, Aida Elwanger.

D. Rica Carvalho Bernardes - Fototeca Museu Municipal

Comissão de Contas: Honorino J. de Freitas, Edwino Schneider e Achylles Figueiredo.

Convidando a presidente eleita, o dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha, transmitiu o cargo, à senhorinha Rica Carvalho Bernardes, empossando tambem os demais membros eleitos.

Nesta ocasião o dr. Liberato S. V. da cunha, usando da palavra exteriorisou as suas felicitações e dos demais presentes à primeira presidente da nóvel entidade, fazendo votos para que o Asilo preenchesse realmente as suas verdadeiras finalidades, de dar amparo à nossa velhice pobre.

Setenta anos se passaram. O Asilo Nossa Senhora Medianeira atravessou décadas prestando o amparo que o Dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha almejava em 1949. Hoje, apesar das mudanças havidas no tempo e inclusive no emprego da terminologia relativa às pessoas que alcançam idade avançada, a instituição também alargou sua assistência, abrangência e credibilidade. A par de muitas dificuldades, de hercúleo envolvimento dos voluntários e de lutas que enobrecem ainda mais o seu trabalho, o Asilo oferece uma opção de vida assistida àqueles que já perderam o vigor, a independência e, muitas vezes, os vínculos com a família e a sociedade.

Prédio principal do Asilo da Velhice Nossa Senhora Medianeira
http://www.asilomedianeira.org.br

Muito ainda é preciso avançar, mas chegar aos 70 anos sem se desvirtuar das verdadeiras finalidades é como erguer um troféu. Parabéns a todos que ao longo das últimas sete décadas têm entregue um pouco de si à causa dos que muito já deram para a sua comunidade.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co