Pular para o conteúdo principal

Asilo da Velhice Nossa Senhora Medianeira - 70 anos

Em 6 de janeiro de 1949, na sede da SCAN - Sociedade Cachoeirense de Auxílio de Necessitados, aconteceu uma reunião para fundação e eleição da primeira diretoria do Asilo da Velhice Nossa Senhora Medianeira. A reunião foi promovida pela senhorita Rica Carvalho Bernardes e presidida pelo Dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha, prefeito municipal.

O jornal O Comércio, edição do dia 12 de janeiro de 1949, em sua primeira página, traz a notícia: 

Asilo da Velhice Nossa Senhora Medianeira
Eleita presidente a senhorinha Rica Carvalho Bernardes

(...)

Esta reunião foi concorridissima e preliminarmente os trabalhos estiveram sob a presidência do dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha, prefeito Municipal, que após declarar abertos os mesmos, explicou aos presentes a finalidade daquela assembleia, tendo a seguir procedido a leitura dos estatutos que regerão a nova entidade, os quaes foram aprovados por unanimidade.

Dr. Liberato S. V. da Cunha - prefeito municipal
- Fototeca Museu Municipal

Em seguida foi procedida a eleição da primeira diretoria, decorrendo a votação em meio de grande entusiásmo. Serviram como escrutinadores os srs. dr. Ari Pilar Soares e Miguel Fachin, que proclamaram vencedora a seguinte chapa:

Presidente Rica Carvalho Bernardes; Vice idem, José Joaquim de Carvalho; 1.º secretário, Emiliana Saldanha; 2.º idem, Erich Engel; 1.º tesoureiro, Miguel Fachin; 2.º idem, Aida Elwanger.

D. Rica Carvalho Bernardes - Fototeca Museu Municipal

Comissão de Contas: Honorino J. de Freitas, Edwino Schneider e Achylles Figueiredo.

Convidando a presidente eleita, o dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha, transmitiu o cargo, à senhorinha Rica Carvalho Bernardes, empossando tambem os demais membros eleitos.

Nesta ocasião o dr. Liberato S. V. da cunha, usando da palavra exteriorisou as suas felicitações e dos demais presentes à primeira presidente da nóvel entidade, fazendo votos para que o Asilo preenchesse realmente as suas verdadeiras finalidades, de dar amparo à nossa velhice pobre.

Setenta anos se passaram. O Asilo Nossa Senhora Medianeira atravessou décadas prestando o amparo que o Dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha almejava em 1949. Hoje, apesar das mudanças havidas no tempo e inclusive no emprego da terminologia relativa às pessoas que alcançam idade avançada, a instituição também alargou sua assistência, abrangência e credibilidade. A par de muitas dificuldades, de hercúleo envolvimento dos voluntários e de lutas que enobrecem ainda mais o seu trabalho, o Asilo oferece uma opção de vida assistida àqueles que já perderam o vigor, a independência e, muitas vezes, os vínculos com a família e a sociedade.

Prédio principal do Asilo da Velhice Nossa Senhora Medianeira
http://www.asilomedianeira.org.br

Muito ainda é preciso avançar, mas chegar aos 70 anos sem se desvirtuar das verdadeiras finalidades é como erguer um troféu. Parabéns a todos que ao longo das últimas sete décadas têm entregue um pouco de si à causa dos que muito já deram para a sua comunidade.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da