Pular para o conteúdo principal

BANRISUL - 90 anos em Cachoeira do Sul

Quem chega pela primeira vez a Cachoeira do Sul e persegue o trajeto feito pela Rua Sete de Setembro se depara, antes da "subida dos bancos", com uma verdadeira joia do passado:  um imponente prédio encimado por figuras escultóricas representativas das atividades comerciais e industriais.

Agência central do Banrisul - foto Renato F. Thomsen
Figuras escultóricas do frontão do Banrisul - foto Renato F. Thomsen
Vista geral do prédio principal - foto Renato F. Thomsen

Este prédio, inaugurado em 1922, foi erguido pelo Banco Pelotense, instituição financeira fundada em 5 de fevereiro de 1906 por pecuaristas, charqueadores, comerciantes e profissionais liberais na cidade de Pelotas. Fazia parte da estratégia de marketing do banco a construção de prédios suntuosos, clara demonstração de riqueza e opulência que também acabou por decretar grande endividamento à instituição. Boa parte destes prédios ainda estão em pé nas cidades em que o Banco Pelotense funcionou, servindo alguns ainda hoje como agências para o Banco do Estado do Rio Grande do Sul - Banrisul, fundado em 1927, e que o encampou depois.



Banco Pelotense - Fototeca Museu Municipal


A inauguração da agência do Banco do Rio Grande do sul se deu em 25 de fevereiro de 1929 e foi assim noticiada pelo jornal O Commercio:

Banco do Rio Grande do Sul. - Á tarde de ante-hontem, no predio da rua 7 de Setembro n.º 221, foi inaugurada a succursal que o Banco do Rio Grande do Sul, de credito rural e hypothecario, installou nesta cidade.


Alguns minutos depois das 3 1/2 horas, reunidos muitos comerciantes, industrialistas, criadores, representantes dos estabelecimentos bancarios locaes e da imprensa, estando presente o sr. intendente municipal, fez uso da palavra o dr. João Neves da Fontoura.

Após ligeiras considerações sobre a utilidade do novo instituto, que vem favorecer principalmente a agricultura e a criação, pelo emprestimo de dinheiro a juro modico e a prazo longo, o dr. João Neves deu por inaugurada a succursal do Banco do Rio Grande do Sul, sendo as suas palavras seguidas de forte salva da palmas.

Logo após foi servida uma taça de champagne aos presentes, que foram gentilmente recebidos e tratados pelos srs. Edgar Leite, gerente da succursal, e Silecio Pinós, collector estadual.

Da inauguração foi lavrada uma acta pelo sr. Wladimir Gama, escrivão da collectoria, acta que foi assignada pelos presentes.

Congratulando-nos com a nossa população pela installação da succursal do Banco de Credito Rural e Hypothecario, fazemos votos para que a sua actividade fructifique em beneficios de toda ordem.

(O Comércio, 27/2/1929, p. 4.)

O Banrisul está consolidado como uma das mais populares instituições financeiras; é um patrimônio dos gaúchos. A sua agência central, em Cachoeira do Sul, é patrimônio histórico-cultural dos cachoeirenses e tem sido utilizada, desde a sua construção, sempre como instituição bancária, o que constitui marco na história do Banco do Estado do Rio Grande do Sul.

Parabéns, Banrisul!

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co