Pular para o conteúdo principal

Disciplinamento do Trânsito em 1928

Quem percorre as ruas de Cachoeira do Sul percebe as dificuldades causadas pela intensa circulação de veículos. Ainda que a movimentação cause transtornos, especialmente na obtenção de vagas para estacionamento, é preciso compreender a cidade como um espaço que pouco ou quase nada fez para receber, distribuir e conviver com tamanho fluxo. As ruas centrais conservam essencialmente o desenho reproduzido por João Martinho Buff em 1850, quando ruas poeirentas só recebiam o trânsito de pedestres, cavalos, mulas, carroças e carros-de-boi. 

Imaginemos então a possibilidade de transportar um habitante do passado para os nossos dias. Datemos a transposição no ano de 1928, escolhendo como destino a Rua Sete de Setembro em 2019. Certamente o passageiro do passado seria guindado à estupefação. Seus olhos incrédulos procurariam as referências de seu tempo - quase todas desaparecidas - e instantaneamente ele pensaria aonde fora parar o guarda que controlava o trânsito nas proximidades do relógio. Em seus pensamentos visualizaria os poucos veículos de sua época circulando sob as ordens do guarda. Como agora, ou melhor, no seu futuro, tantos carros e outros veículos para ele desconhecidos conseguiam circular em tamanha quantidade sem um guia?

Rua Sete de Setembro - 1928 - Fototeca Museu Municipal

Guarda nas proximidades do relógio público - Rua Sete de Setembro
- Fototeca Museu Municipal

Conjeturas à parte sobre as diferenças entre 1928 e 2019, interessante é que justamente naquele final da década de 1920 a Intendência Municipal, então preocupada com a regulamentação do trânsito público, decretou medidas para melhorar a sua efetivação:

Decreto n.º 268

No uso das attribuições que me confére a Lei Organica, art. 17, n.º 4, considerando a necessidade de melhor regulamentar o trânsito publico, resolvo, ampliando as demais disposições estatuidas em os decretos anteriores,
Decretar:
Art. 1.º - Os vehiculos não poderão parar a menos de cinco metros dos cruzamentos de ruas.
Art. 2.º - Os vehiculos não poderão descer as ruas 24 de Maio* e 7 de Setembro, nas seguintes quadras:
Paragrapho 1.º - Na rua 24 de maio entre as ruas Saldanha Marinho e 7 de Setembro.
Paragrapho 2.º - Na rua 7 de Setembro, entre o Largo Colombo** e a rua Venancio Ayres***.
Art. 3.º - Os vehiculos não poderão subir a rua Saldanha Marinho no trecho compreendido entre a rua Venancio Ayres e o trilho da Via Ferrea.
Art. 4.º - Os vehiculos não poderão fazer a volta contornando o relogio publico que esta sendo installado á Praça José Bonifacio, na face da rua 7 de Setembro.
Art. 5.º - Revogam-se as disposições em contrario.
Intendencia Municipal, 16 de Fevereiro de 1928.

Fonte: IM/GI/DA/ADLR-010, fls. 229 e 230.

Capa do livro IM/GI/DA/ADLR-010

Decreto n.º 268, de 16/2/1928 - IM/GI/DA/ADLR-010, fls. 229 e 230

*Rua 24 de Maio: atual Rua Dr. Sílvio Scopel.
**Largo Colombo: fronteiro à Estação Ferroviária.
***Rua Venâncio Aires: atual Rua Presidente Vargas.

Como provam os documentos do passado, disciplinamento do trânsito e modificações no fluxo da cidade já constituíam preocupações dos gestores há mais de 90 anos. Veículos e suas facilidades também já marcavam aqueles distantes tempos, quando seu uso cada vez maior começava a modificar a rotina antes pacata e calma da cidade.

Rua Sete de Setembro a partir da esquina com Venâncio  Aires - atual Presidente Vargas
- Fototeca Museu Municipal

MR

Comentários

  1. E o belo relógio público, que fim levou? Merece uma publicação especial.
    Alberto Besckow

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da