Pular para o conteúdo principal

Um disco voador em Cachoeira

"Apareceu um Disco Voador". Com este título o Jornal do Povo fechou a edição do dia 18 de março de 1954, relatando que algumas pessoas, na Vila Barcelos, tinham avistado um destes objetos voadores não identificados que se constituíram em "febre", especialmente no pós-guerra.

Diz a matéria:

Jornal do Povo - Acervo de Imprensa

Apareceu um Disco Voador sôbre esta cidade, terça-feira às 11 horas da manhã - É o que asseguram, pelo menos, pessoas residentes na Vila Barcelos. 

Tempo houve em que andavam proliferando os "discos voadores". E não faltou até fotografias (?) do fenômeno que, até hoje, ainda não foi perfeitamente explicado. Se há quem não acredita em sua existência, maior é o número dos que crêm na possibilidade de existirem os "discos", que já andaram merecendo estudos do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

Últimamente, porém, vinham rareando as notícias sôbre os misteriosos aparecimentos. Neste município, aliás, bem poucas vêzes surgiram informações a respeito. Mas agora, segundo asseguram pessoas residentes na Vila Barcelos, apareceu têrça-feira, às 11 horas da manhã, um "disco voador" sôbre a cidade.

Quem nos trouxe a informação foi o Sr. Ronildo (Xola) Fortes, residente naquela vila e funcionário da agência local do Banco Nacional do Comércio. Segundo o Sr. Ronildo, em companhia de vários vizinhos, observou perfeitamente o "fenômeno" que êle assim descreve:

- "Vi perfeitamente um enorme disco opaco, deslocando-se velozmente na direção leste-oeste, a uma altura que pode ser calculada entre 200 a 300 metros. Ao chegar exatamente sôbre o centro da cidade, o disco descreveu uma curva, brilhando intensamente (reflexos da luz solar) e tomou a direção norte, desaparecendo em seguida." (Jornal do Povo, Ano XXV, N.º 139, 5.ª feira, 18 de março de 1954, página 4).

São várias as histórias envolvendo a aparição de objetos voadores não identificados - os OVNIs - nos mais diferentes recantos, inclusive em municípios localizados nos arredores de Cachoeira. Muitos são os aficionados no tema e certamente vários são os relatos de discos voadores que não chegaram à imprensa, inclusive em Cachoeira. Intrigantes, palpitantes e curiosas discussões surgem quando o assunto são estes "passageiros" de outros mundos perdidos entre nós...

Você já avistou algum?

MR

Comentários

  1. Estava lembrando da famosa noite de discos voadores sobre os quartéis! Acredito que foi nesta mesma época! A nossa quadra foi quase na totalidade até a descida do Amorim para poder assistir. Fomos no carro do dr. Edir Lima com as duas famílias amontoadas! E assistimos toda a façanha de camarote! Não esqueço, jamais

    ResponderExcluir
  2. Também quero saber mais Mafalda !!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co