Pular para o conteúdo principal

Relógio parado...

Vez em quando a história do relógio sumido que existia no cruzamento das ruas Sete de Setembro e Dr. Sílvio Scopel (antiga Travessa 24 de Maio) vem às rodas de conversas. "- Que fim levou o relógio?" é a pergunta mais recorrente. A resposta definitiva ainda não foi dada...

Relógio no cruzamento das ruas Sete de Setembro com Travessa 24 de Maio
(atual Rua Dr. Sílvio Scopel) - Fototeca Museu Municipal

Instalado naquele local em fins de janeiro de 1928, o relógio estava "montado em columna com degráus de marmore côr de rosa e adornado de arbustos floriferos nas bases. Os angulos da columna estão providos de 3 thermometros e um barometro", segundo noticiava o jornal O Commercio de 1.º de fevereiro, página 4.

Relógio e trânsito da Rua Sete de Setembro - Fototeca Museu Municipal

Pois o mesmo jornal O Commercio, edição de exatos 80 anos, dia 5 de abril de 1939, na primeira página, traz um pequeno texto, sem autoria, que diz o seguinte:

"Não sabemos porque ainda anda parado o relogio do Obelisco da praça José Bonifácio.
Dizem que isto acontece devido a trepidação do movimento de vehiculos que por ali transitam.
Está certo. Mas tambem para ter-se um "chronometro" que nunca funcciona não sabemos qual a vantagem.
Si não ha um geito, para que então, no seu logar, não se põe uma outra cousa de utilidade, de expressão?"

O texto claramente faz crítica à falta de manutenção do relógio público, instalado então há apenas 11 anos. Mas o que chama atenção é um dos motivos alegados para a avaria do relógio: "a trepidação do movimento de vehiculos que ali transitam." Pelo sim pelo não, provavelmente o trânsito de automóveis ou outros veículos devia ser de monta para a época, denotando um bom fluxo nas ruas principais, motivado certamente pela economia robustecida, pela concentração de atrativos comerciais na rua principal, pela existência ali do Mercado Público, da Praça José Bonifácio e também do Cine Teatro Coliseu nas imediações. Outro fator de movimentação intensa era ser então a Rua Sete de Setembro o caminho natural tomado para quem vinha ou se dirigia à Estação Ferroviária.

Há 80 anos a questão era a ineficiência do relógio. Hoje o lamento de muitos é a inexistência do relógio.

MR

Comentários

  1. De estar na casa de um "poderoso" da cidade "que se acha né?" O Lula não levou o faqueiro de Ouro que foi dado de presente para o Brasil na época do presidente Costa e Silva? Alguns políticos sr acham donos do patrimônio público quando assumem seus cargos. Me admiro as musas do chateau Deau estarem lá ainda kkkkk. Brincadeiras à parte, é um absurdo sumirem ou destruirem nossa história

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co