Pular para o conteúdo principal

Relógio parado...

Vez em quando a história do relógio sumido que existia no cruzamento das ruas Sete de Setembro e Dr. Sílvio Scopel (antiga Travessa 24 de Maio) vem às rodas de conversas. "- Que fim levou o relógio?" é a pergunta mais recorrente. A resposta definitiva ainda não foi dada...

Relógio no cruzamento das ruas Sete de Setembro com Travessa 24 de Maio
(atual Rua Dr. Sílvio Scopel) - Fototeca Museu Municipal

Instalado naquele local em fins de janeiro de 1928, o relógio estava "montado em columna com degráus de marmore côr de rosa e adornado de arbustos floriferos nas bases. Os angulos da columna estão providos de 3 thermometros e um barometro", segundo noticiava o jornal O Commercio de 1.º de fevereiro, página 4.

Relógio e trânsito da Rua Sete de Setembro - Fototeca Museu Municipal

Pois o mesmo jornal O Commercio, edição de exatos 80 anos, dia 5 de abril de 1939, na primeira página, traz um pequeno texto, sem autoria, que diz o seguinte:

"Não sabemos porque ainda anda parado o relogio do Obelisco da praça José Bonifácio.
Dizem que isto acontece devido a trepidação do movimento de vehiculos que por ali transitam.
Está certo. Mas tambem para ter-se um "chronometro" que nunca funcciona não sabemos qual a vantagem.
Si não ha um geito, para que então, no seu logar, não se põe uma outra cousa de utilidade, de expressão?"

O texto claramente faz crítica à falta de manutenção do relógio público, instalado então há apenas 11 anos. Mas o que chama atenção é um dos motivos alegados para a avaria do relógio: "a trepidação do movimento de vehiculos que ali transitam." Pelo sim pelo não, provavelmente o trânsito de automóveis ou outros veículos devia ser de monta para a época, denotando um bom fluxo nas ruas principais, motivado certamente pela economia robustecida, pela concentração de atrativos comerciais na rua principal, pela existência ali do Mercado Público, da Praça José Bonifácio e também do Cine Teatro Coliseu nas imediações. Outro fator de movimentação intensa era ser então a Rua Sete de Setembro o caminho natural tomado para quem vinha ou se dirigia à Estação Ferroviária.

Há 80 anos a questão era a ineficiência do relógio. Hoje o lamento de muitos é a inexistência do relógio.

MR

Comentários

  1. De estar na casa de um "poderoso" da cidade "que se acha né?" O Lula não levou o faqueiro de Ouro que foi dado de presente para o Brasil na época do presidente Costa e Silva? Alguns políticos sr acham donos do patrimônio público quando assumem seus cargos. Me admiro as musas do chateau Deau estarem lá ainda kkkkk. Brincadeiras à parte, é um absurdo sumirem ou destruirem nossa história

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da