Pular para o conteúdo principal

A Escola e Sua Messe

Em tempos de sonoras discussões a respeito da educação, sobre qual o papel da escola X o da família e sobre reduções de investimentos em área de extrema importância para a qualificação e desenvolvimento do país, vale olhar documentos do passado para perceber neles os sinais de valoração que gerações passadas emprestavam ao ato de ensinar crianças e jovens. 

Retrocedamos ao final do século XIX, mais especificamente a 28 de novembro de 1896, época em que os alunos eram submetidos a exames para avaliação de seu desempenho por uma banca geralmente constituída por autoridades reconhecidas do município (o que conferia credibilidade ao exame e ao parecer). Nos exames, orais e escritos, não restava dúvida da qualificação do aluno e, consequentemente, da eficácia do papel do professor. 

Cada exame gerava uma ata em que a comissão deixava seu parecer devidamente assinado. Pelos termos do documento, é possível verificar que disciplinas constavam do currículo e quais habilidades os alunos deviam demonstrar, o que concede um panorama da oferta de ensino daquela época.

Eis a ata de exames procedidos pela Intendência Municipal na 1.ª Aula Mista, da professora D. Emilia Praia de Sá, escolhida dentre outras tantas que há no acervo documental do Arquivo Histórico:



IM/S/SI/Atas  - Cx. 12 - 28/11/1896


Acta de exames.

Aos vinte e oito dias do mez de Novembro de 1896, a commissão abaixo assignada, constituida pela dignissima Intendencia Municipal, compareceu na sala onde funciona a 1.ª aula mixta, dirigida pela provecta professôra D Emilia Praia de Sá, e passando a proceder as provas de aproveitamento das alumnas e alumnos, que forão arguidos nas seguintes materias: calligraphia, leitura, lingua portugueza, arithmetica e geographia do Estado, pontos que forão satisfatoriamente respondidos por uma consideravel turma de alumnas e alumnos, distinguindo-se entre as primeiras, as alumnas: Alice de Almeida, Mathilde Xavier, Francisca Bemvenuto, Guilhermina Treptow, Sylvia Krieger, Jovelina Soares, Adél Pinheiro, Alfredo Rodrigues, Alice Vieira, Eloina de Almeida e Volfilda Hausen.
A maior parte das alumnas apresentaram tambem primorósos trabalhos da industria feminina, como bordados, crochets, etc. etc, que forão muito apreciados pela commissão e merecerão tanto mais attenção por serem alguns elaborados por meninas de idade muito tenra que mostrão não vulgar habilidade para delicados e bellos trabalhos concernentes ao adôrno domestico.
Portanto, a commissão não póde deixar desapercebido um vóto de louvor a digna professôra que pelo seu methodo de ensino, sua doçura maternal para com as alumnas, sua longa pratica e dedicação ao ensino faz-se credôra de toda a consideração e respeito publico.
Tambem recitou uma bella pesia a alumna D. Alice de Almeida, e um bello discurso análogo ao acto, a alumna D. Mathilde Xavier, que muito impressionou o auditorio.
Em fim, a commissão se exulta de prazer por ver que o ensino dado pela incansavel educadôra muito aproveitará a infancia e futura juventude da terra que foi nosso berço

A commissão

Tiburcio José de Magalhães.
Dionisio Pereira Porto.
Leonel Antonio de Sá.

(IM/S/SI/Atas - Caixa 12)

Além das informações de conteúdos e habilidades exigidas, o documento acima transcrito denota o tanto de respeito que a professora merecia e as qualidades que possuía, consentâneas com a sua época, quando à mulher de bem a profissão oportuna e aconselhável era a do magistério, justamente por aproximá-la, em seu exercício, das qualidades e dons de mãe. As boas alunas, seguindo a lógica daqueles tempos, necessitavam ser preparadas para a produção de objetos para o "adorno doméstico". Outros tempos e outra messe, literalmente... 

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da