Pular para o conteúdo principal

A Escola e Sua Messe

Em tempos de sonoras discussões a respeito da educação, sobre qual o papel da escola X o da família e sobre reduções de investimentos em área de extrema importância para a qualificação e desenvolvimento do país, vale olhar documentos do passado para perceber neles os sinais de valoração que gerações passadas emprestavam ao ato de ensinar crianças e jovens. 

Retrocedamos ao final do século XIX, mais especificamente a 28 de novembro de 1896, época em que os alunos eram submetidos a exames para avaliação de seu desempenho por uma banca geralmente constituída por autoridades reconhecidas do município (o que conferia credibilidade ao exame e ao parecer). Nos exames, orais e escritos, não restava dúvida da qualificação do aluno e, consequentemente, da eficácia do papel do professor. 

Cada exame gerava uma ata em que a comissão deixava seu parecer devidamente assinado. Pelos termos do documento, é possível verificar que disciplinas constavam do currículo e quais habilidades os alunos deviam demonstrar, o que concede um panorama da oferta de ensino daquela época.

Eis a ata de exames procedidos pela Intendência Municipal na 1.ª Aula Mista, da professora D. Emilia Praia de Sá, escolhida dentre outras tantas que há no acervo documental do Arquivo Histórico:



IM/S/SI/Atas  - Cx. 12 - 28/11/1896


Acta de exames.

Aos vinte e oito dias do mez de Novembro de 1896, a commissão abaixo assignada, constituida pela dignissima Intendencia Municipal, compareceu na sala onde funciona a 1.ª aula mixta, dirigida pela provecta professôra D Emilia Praia de Sá, e passando a proceder as provas de aproveitamento das alumnas e alumnos, que forão arguidos nas seguintes materias: calligraphia, leitura, lingua portugueza, arithmetica e geographia do Estado, pontos que forão satisfatoriamente respondidos por uma consideravel turma de alumnas e alumnos, distinguindo-se entre as primeiras, as alumnas: Alice de Almeida, Mathilde Xavier, Francisca Bemvenuto, Guilhermina Treptow, Sylvia Krieger, Jovelina Soares, Adél Pinheiro, Alfredo Rodrigues, Alice Vieira, Eloina de Almeida e Volfilda Hausen.
A maior parte das alumnas apresentaram tambem primorósos trabalhos da industria feminina, como bordados, crochets, etc. etc, que forão muito apreciados pela commissão e merecerão tanto mais attenção por serem alguns elaborados por meninas de idade muito tenra que mostrão não vulgar habilidade para delicados e bellos trabalhos concernentes ao adôrno domestico.
Portanto, a commissão não póde deixar desapercebido um vóto de louvor a digna professôra que pelo seu methodo de ensino, sua doçura maternal para com as alumnas, sua longa pratica e dedicação ao ensino faz-se credôra de toda a consideração e respeito publico.
Tambem recitou uma bella pesia a alumna D. Alice de Almeida, e um bello discurso análogo ao acto, a alumna D. Mathilde Xavier, que muito impressionou o auditorio.
Em fim, a commissão se exulta de prazer por ver que o ensino dado pela incansavel educadôra muito aproveitará a infancia e futura juventude da terra que foi nosso berço

A commissão

Tiburcio José de Magalhães.
Dionisio Pereira Porto.
Leonel Antonio de Sá.

(IM/S/SI/Atas - Caixa 12)

Além das informações de conteúdos e habilidades exigidas, o documento acima transcrito denota o tanto de respeito que a professora merecia e as qualidades que possuía, consentâneas com a sua época, quando à mulher de bem a profissão oportuna e aconselhável era a do magistério, justamente por aproximá-la, em seu exercício, das qualidades e dons de mãe. As boas alunas, seguindo a lógica daqueles tempos, necessitavam ser preparadas para a produção de objetos para o "adorno doméstico". Outros tempos e outra messe, literalmente... 

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co