Pular para o conteúdo principal

Confusão no Cinema!

Os cinemas eram atrações para lá de especiais no começo do século XX. Cachoeira, desde o Teatro Municipal, situado nas proximidades da Praça da Igreja (atual Praça Dr. Balthazar de Bem), já oferecia exibições em 1901 com os antigos cinematógrafos, anos-luz distantes do que se entende por cinema agora, mas não menos atrativos e interessantes.

Teatro Municipal - Fototeca do Museu Municipal

Dentre as casas de cinema de Cachoeira, uma teve destaque e durabilidade: o Cinema Coliseu Cachoeirense, fundado pelos irmãos Pohlmann, em 1910, com o nome de Cinema Popular. Adquirido em 1912 por Manoel Costa Júnior, trocou o nome para Coliseu Cachoeirense e, nos primeiros dias de maio de 1919, a programação de fitas escolhidas para exibição não agradou muito os frequentadores. Assim relatou o jornal O Commercio de 7 de maio de 1919:

Cinema Coliseu Cachoeirense - Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato (1922)

Coliseu Cachoeirense. - Durante as noites de quarta, quinta e sexta-feira da semana finda realizaram-se funcções cinematographicas neste centro de diversões, da empreza Costa Junior, sendo, nesta ultima noite, terminada exhibição da fita policial Judex.
- A' noite de sabbado foi projectada na tela a fita dramatica Pró Veritas.
Domingo, com casa cheia, a empreza focou duas fitas comicas e uma dramatica.
Ao ser focada a quarta parte da fita dramatica Duas vezes repellida, começou o protesto dos espectadores contra as fitas pouco atrahentes dessa noite.
Pés e bengalas a baterem no assoalho, assobios e gritos de fóra! fóra! formavam um ruido "de ensurdecer um surdo", abafando os sons da orchestra, que teve de parar ante a barulhada infernal.
Uma grande parte dos espectadores retirou-se ás 9 1/2 uns como protesto contra a fita, outros por não poderem mais supportar o ruido.
Tentando contentar o povo, o encarregado da empreza projectou outras fitas na tela, sendo afinal impedido de continuar a funcção por terem alguns espectadores tapado uma parte do panno respectivo.
Outros ainda apedrejaram, depois de sahirem, o telhado do Coliseu, emquanto alguns, lá dentro, inutilisaram algumas poltronas.
Afinal, para aquietar o povo, o encarregado da empreza prometteu realizar, em breve, um espectaculo gratuito.
O sr. Costa Junior, que achava-se na capital, dirigiu um phonogramma que foi impresso em avulsos e distribuido hontem nesta cidade, e o qual era concebido nos termos seguintes:
"Distincto e querido povo. Profundamente sentido com o desagrado que causou espectaculo hontem, peço-vos desculpar-me. Sempre impuz ás agencias fornecedoras fitas extras, porém infelizmente ausente, tudo é sempre assim. Diante disso darei proximamente funcção gratis, contentando-vos; urgentemente seguirei amanhã assumir direcção technica saudoso Coliseu que a vós tudo deve." Saudações.
Costa Junior
Porto Alegre, 5 de Maio de 1919.

Como se vê, Manoel Costa Júnior, um dos proprietários do Cinema Coliseu Cachoeirense, deu logo um jeito de acalmar e reconquistar a clientela com uma antiga máxima: "Cliente sempre tem razão." E convenhamos, Duas vezes repellida,  o título de uma das fitas repudiadas, de uma certa forma, já anunciava o desfecho da situação!

MR

Comentários

  1. Quando passou o filme O Exorcista, foi uma confusão. É que a Igreja Católica tinha entrado com uma liminar pra que o filme não passasse em lugar nenhum e, justamente nesta época, foi passar em Cachoeira. Deu até Polícia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da