Pular para o conteúdo principal

Confusão no Cinema!

Os cinemas eram atrações para lá de especiais no começo do século XX. Cachoeira, desde o Teatro Municipal, situado nas proximidades da Praça da Igreja (atual Praça Dr. Balthazar de Bem), já oferecia exibições em 1901 com os antigos cinematógrafos, anos-luz distantes do que se entende por cinema agora, mas não menos atrativos e interessantes.

Teatro Municipal - Fototeca do Museu Municipal

Dentre as casas de cinema de Cachoeira, uma teve destaque e durabilidade: o Cinema Coliseu Cachoeirense, fundado pelos irmãos Pohlmann, em 1910, com o nome de Cinema Popular. Adquirido em 1912 por Manoel Costa Júnior, trocou o nome para Coliseu Cachoeirense e, nos primeiros dias de maio de 1919, a programação de fitas escolhidas para exibição não agradou muito os frequentadores. Assim relatou o jornal O Commercio de 7 de maio de 1919:

Cinema Coliseu Cachoeirense - Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato (1922)

Coliseu Cachoeirense. - Durante as noites de quarta, quinta e sexta-feira da semana finda realizaram-se funcções cinematographicas neste centro de diversões, da empreza Costa Junior, sendo, nesta ultima noite, terminada exhibição da fita policial Judex.
- A' noite de sabbado foi projectada na tela a fita dramatica Pró Veritas.
Domingo, com casa cheia, a empreza focou duas fitas comicas e uma dramatica.
Ao ser focada a quarta parte da fita dramatica Duas vezes repellida, começou o protesto dos espectadores contra as fitas pouco atrahentes dessa noite.
Pés e bengalas a baterem no assoalho, assobios e gritos de fóra! fóra! formavam um ruido "de ensurdecer um surdo", abafando os sons da orchestra, que teve de parar ante a barulhada infernal.
Uma grande parte dos espectadores retirou-se ás 9 1/2 uns como protesto contra a fita, outros por não poderem mais supportar o ruido.
Tentando contentar o povo, o encarregado da empreza projectou outras fitas na tela, sendo afinal impedido de continuar a funcção por terem alguns espectadores tapado uma parte do panno respectivo.
Outros ainda apedrejaram, depois de sahirem, o telhado do Coliseu, emquanto alguns, lá dentro, inutilisaram algumas poltronas.
Afinal, para aquietar o povo, o encarregado da empreza prometteu realizar, em breve, um espectaculo gratuito.
O sr. Costa Junior, que achava-se na capital, dirigiu um phonogramma que foi impresso em avulsos e distribuido hontem nesta cidade, e o qual era concebido nos termos seguintes:
"Distincto e querido povo. Profundamente sentido com o desagrado que causou espectaculo hontem, peço-vos desculpar-me. Sempre impuz ás agencias fornecedoras fitas extras, porém infelizmente ausente, tudo é sempre assim. Diante disso darei proximamente funcção gratis, contentando-vos; urgentemente seguirei amanhã assumir direcção technica saudoso Coliseu que a vós tudo deve." Saudações.
Costa Junior
Porto Alegre, 5 de Maio de 1919.

Como se vê, Manoel Costa Júnior, um dos proprietários do Cinema Coliseu Cachoeirense, deu logo um jeito de acalmar e reconquistar a clientela com uma antiga máxima: "Cliente sempre tem razão." E convenhamos, Duas vezes repellida,  o título de uma das fitas repudiadas, de uma certa forma, já anunciava o desfecho da situação!

MR

Comentários

  1. Quando passou o filme O Exorcista, foi uma confusão. É que a Igreja Católica tinha entrado com uma liminar pra que o filme não passasse em lugar nenhum e, justamente nesta época, foi passar em Cachoeira. Deu até Polícia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co