Pular para o conteúdo principal

Jornal do Povo - 90 anos

No dia 29 de junho de 1929, nasceu aquele que já entrou para a história como o mais longevo jornal cachoeirense: o Jornal do Povo. No entanto, a primeira edição saiu um dia depois da fundação, ou seja, em 30 de junho. Segundo a história, um pequeno contratempo impediu que o número 1 fosse à lume no dia 29, adiando em algumas horas que os fundadores Virgílio de Abreu e Mário Godoy Ilha vissem circular o primeiro JP, de seis páginas, e que trazia como manchete Successão presidencial, referindo a rápida passagem do Dr. Oswaldo Aranha por Cachoeira. Eram tempos em que Cachoeira recebia as mais diferentes lideranças da política estadual e nacional em razão da importância da figura de Borges de Medeiros, então recolhido à sua estância do Irapuazinho.

Edição n.º 1 do Jornal do Povo - 30/6/1929
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico

O Jornal do Povo pertencia à Cachoeira Graphica Limitada, sociedade de quotas integralizadas por vários cidadãos que apoiavam a iniciativa dos fundadores. Suas edições eram bissemanais, ou seja, circulavam nas quartas-feiras e domingos, muito em razão do tipo de composição, que era manual, e impressão feita em máquina plana, aprontando duas páginas por vez.

Cabeçalho da 1.ª edição do JP - 30/6/1929 - Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico

Em 1.º de outubro de 1944, o jornal foi adquirido pela firma Manoel Carvalho Portella & Cia. Ltda., integrada por Portella e Liberato Salzano Vieira da Cunha. Naquele mesmo ano, o irmão de Liberato, Paulo Salzano Vieira da Cunha, ingressou no Jornal do Povo. A partir de 1950, Liberato passou a dirigir sozinho a firma, época em que a circulação do jornal passou a ser diária.

Com a morte de Liberato Salzano Vieira da Cunha, em abril de 1957, a empresa foi adquirida por seu irmão Paulo que deu novos rumos ao Jornal do Povo.

O Jornal do Povo chega aos 90 anos sob a direção de quatro dos seis filhos do Chefe Paulo, como ele era carinhosamente chamado. Além da circulação impressa diária, o JP chega aos seus milhares de leitores também na forma digital, mantendo o compromisso da informação e da interação permanente com as questões que envolvem a comunidade de Cachoeira do Sul, como bem deixou expresso em seu primeiro editorial:

JORNAL DO POVO - não no sentido demagogico, mas no de pugnar incessantemente por seus legitimos intereses dentro da ordem, da fraternidade e da concordia, olhos fitos, especialmente, no desenvolvimento economico e, em geral, nos multiplos interesses da vida municipal, dos quaes depende o bem estar da população.

Parabéns, JP! O Arquivo Histórico orgulha-se em disponibilizar sua coleção à comunidade.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo