Pular para o conteúdo principal

Jornal do Povo - 90 anos

No dia 29 de junho de 1929, nasceu aquele que já entrou para a história como o mais longevo jornal cachoeirense: o Jornal do Povo. No entanto, a primeira edição saiu um dia depois da fundação, ou seja, em 30 de junho. Segundo a história, um pequeno contratempo impediu que o número 1 fosse à lume no dia 29, adiando em algumas horas que os fundadores Virgílio de Abreu e Mário Godoy Ilha vissem circular o primeiro JP, de seis páginas, e que trazia como manchete Successão presidencial, referindo a rápida passagem do Dr. Oswaldo Aranha por Cachoeira. Eram tempos em que Cachoeira recebia as mais diferentes lideranças da política estadual e nacional em razão da importância da figura de Borges de Medeiros, então recolhido à sua estância do Irapuazinho.

Edição n.º 1 do Jornal do Povo - 30/6/1929
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico

O Jornal do Povo pertencia à Cachoeira Graphica Limitada, sociedade de quotas integralizadas por vários cidadãos que apoiavam a iniciativa dos fundadores. Suas edições eram bissemanais, ou seja, circulavam nas quartas-feiras e domingos, muito em razão do tipo de composição, que era manual, e impressão feita em máquina plana, aprontando duas páginas por vez.

Cabeçalho da 1.ª edição do JP - 30/6/1929 - Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico

Em 1.º de outubro de 1944, o jornal foi adquirido pela firma Manoel Carvalho Portella & Cia. Ltda., integrada por Portella e Liberato Salzano Vieira da Cunha. Naquele mesmo ano, o irmão de Liberato, Paulo Salzano Vieira da Cunha, ingressou no Jornal do Povo. A partir de 1950, Liberato passou a dirigir sozinho a firma, época em que a circulação do jornal passou a ser diária.

Com a morte de Liberato Salzano Vieira da Cunha, em abril de 1957, a empresa foi adquirida por seu irmão Paulo que deu novos rumos ao Jornal do Povo.

O Jornal do Povo chega aos 90 anos sob a direção de quatro dos seis filhos do Chefe Paulo, como ele era carinhosamente chamado. Além da circulação impressa diária, o JP chega aos seus milhares de leitores também na forma digital, mantendo o compromisso da informação e da interação permanente com as questões que envolvem a comunidade de Cachoeira do Sul, como bem deixou expresso em seu primeiro editorial:

JORNAL DO POVO - não no sentido demagogico, mas no de pugnar incessantemente por seus legitimos intereses dentro da ordem, da fraternidade e da concordia, olhos fitos, especialmente, no desenvolvimento economico e, em geral, nos multiplos interesses da vida municipal, dos quaes depende o bem estar da população.

Parabéns, JP! O Arquivo Histórico orgulha-se em disponibilizar sua coleção à comunidade.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co