Pular para o conteúdo principal

Agência do antigo Banco Pelotense - Patrimônio Histórico do Estado do RS


Sábado último, ao meio-dia, foi festivamente comemorada a colocação da cumeeira no vasto edifício que o Banco Pelotense está mandando construir à Rua 7 de Setembro, esquina da Rua Venâncio Aires. Já começou a colocação das telhas no belo edifício, construído sob a direção do Dr. Santiago Borba que pretende entregá-lo ainda antes do fim do ano. 

Com a notícia acima, o jornal O Commercio, de 15 de junho de 1921, à página três, informou aos leitores o andamento das obras do alteroso edifício que o Banco Pelotense estava erguendo na esquina da Rua Sete de Setembro com a então Venâncio Aires, hoje Rua Presidente Vargas, prédio tombado como patrimônio histórico-cultural pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado - IPHAE no último dia 17 de agosto, Dia Nacional e Estadual do Patrimônio.

Agência Banrisul - Patrimônio Tombado do Estado do Rio Grande do Sul (17/8/2019)
- Foto Renato F. Thomsen

Uma das mais admiradas construções da zona urbana de Cachoeira do Sul, o prédio do antigo Banco Pelotense tem sido ocupado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul desde o início dos anos 1930, quando foi extinto. Inventariado como bem cultural do município, há muito o prédio do Banrisul despertava ao olhar dos defensores do patrimônio e admiradores uma condição protetiva de sua riqueza arquitetônica.

Instalada na cidade desde 1916, a agência do Banco Pelotense funcionou primeiramente na Rua 7 de Setembro, junto à casa de Francisco Cunha. O jornal O Commercio divulgou, no dia 17 de agosto de 1921, que até o fim do ano corrente deverão estar concluídos os trabalhos de edificação do belo e vasto sobrado que o Banco Pelotense está mandando construir (....), para nele ser instalada a sua filial desta cidade. 

Primeiro endereço do Banco Pelotense - Acervo Claiton Nazar

No mesmo jornal O Commercio, de 15 de março de 1922, finalmente a notícia de que o Banco Pelotense estava ocupando seu novo endereço: 

Desde alguns dias está instalada em seu novo edifício próprio, à Rua Sete de Setembro, esquina da Rua Venâncio Aires, a filial do Banco Pelotense desta cidade. O novo edifício, que é assobradado e dispõe de amplos e adequados compartimentos, tanto para comodidade de seu pessoal e dos seus numerosos clientes, como para maior facilidade do trabalho, veio contribuir, indubitavelmente, para o embelezamento da principal artéria da nossa cidade. O andar superior é destinado à residência do gerente, nosso amigo Sr. José Carlos Barbosa.

Gerente José Carlos Barbosa
- Fototeca Museu Municipal


Uma das primeiras imagens registradas do edifício do Banco Pelotense está no Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato, lançado no ano do centenário da Independência do Brasil, 1922, mesmo ano inscrito no frontão do edifício. 

Banco Pelotense - Foto Benjamin Camozato (1922)
Interior e funcionários do Banco Pelotense - Foto Benjamin Camozato (1922)
Uma curiosidade é que o fotógrafo Benjamin Camozato deixou registradas em seu álbum aquelas que podem ser consideradas as primeiras imagens panorâmicas de Cachoeira até então localizadas. E tais imagens foram justamente tomadas da sacada do então novíssimo Banco Pelotense!

MR

Comentários

  1. Boa tarde. Gostaria de saber o funcionamentodo Banco Pelotense na cidade de Encantado. Sede no Predio de meu avô.Antonio José Chanan. Temos fotos onde aparece o nome na fachada do Predio. "Banco Pelotense".Antes era Banco Pfeifer?.

    ResponderExcluir
  2. Novamente - Nome original de meu avô era Antonio José kanan.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia! Algum dado sobre o Banco Pfeiffer em Cachoeira? Funcionou na Rua Sete de Setembro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da