Pular para o conteúdo principal

Hospital de Caridade

Há 80 anos a comunidade cachoeirense estava empenhada em erguer um segundo prédio para o Hospital de Caridade, uma vez que o primeiro, inaugurado em 1910, já estava acanhado para atender à demanda.

Primeiro prédio do Hospital - 1922  - Museu Municipal

Para isto, a exemplo do que aconteceu com o primeiro Hospital, contar com o auxílio da comunidade era medida importantíssima e capaz de levantar os recurso necessários para tão importante obra.

O jornal O Commercio, em sua edição do dia 18 de outubro de 1939, alertou os leitores sobre o momento crucial enfrentado pela diretoria da instituição hospitalar e comissão de construção:

O Comércio - 18/10/1939

O Hospital de Caridade de Cachoeira atravessa, no momento, a phase mais difficil de sua construcção. Escassos se vão tornando os recursos de que dispõe a directoria para fazer face ao vultoso custo do arremate da obra, do mobiliario e do aparelhamento cirurgico e clinico necessarios.
Em veemente appello dirigido, ha pouco, á população de Cachoeira, a directoria do Hospital frisou que, sem um novo esforço do povo, no sentido de effectuar o pagamento de suas contribuições já promettidas, estariam as obras na imminencia de paralisação. Felizmente o apello da directoria, que tem consagrado á essa obra o melhor de seus esforços, ecoou profundo na alma de todos os que sentem a necessidade de um Hospital á altura do progresso de Cachoeira. Muitos que já haviam contribuido, voltaram, voluntariamente, a prestar seu auxilio, com novas e maiores doações. Entretanto ainda ha muitos que deram pouco em relação ás suas posses e outros que ainda nada deram. Chegou, porém, a occasião de uns e outros prestarem o auxilio que o Hospital requer de todos, visto que, para todos, está sendo elle cosntruido e nesse sentido a sua directoria renova seu appello aos cachoeirenses para que congreguem  seus esforços em prol de uma nova campanha para a finalisação dessa grande obra que será o amparo dos necessitados e o orgulho de Cachoeira.
---
Durante a semana finda registraram-se mais as seguintes contribuições: 
Exma. sra. Martha Fuerstenau 5:000$000
Exma. sra. d. Rosa Hipp               500$000
Festival realisado pelas Irmãs Missionarias  300$000
Exma. sra. d. Hilda Preussler Gressler - mobiliario completo de quarto de 2.ª classe
- Chá corrente realisado na residencia da senhorinha Adalgisa N. Xavier  250$000

A comunidade cachoeirense mais uma vez aderiu à causa, venceu as dificuldades e atingiu o objetivo de inaugurar as novas dependências de seu Hospital de Caridade e Beneficência, o que ocorreu festivamente em 19 de maio de 1940.

Hospital de Caridade - fachada da Rua 7 de Setembro - Museu Municipal

A história do Hospital de Caridade e Beneficência sempre foi marcada pelas ações comunitárias em prol de seu desenvolvimento. A gênese de tudo isto foi plantada em 1903, quando o advogado Ernesto Barros conclamou todos a se unirem em prol da causa de dotar a cidade de um hospital através da manifestação publicada na imprensa com o título de Appello aos corações generosos.

Desde então, os corações jamais deixaram de ser generosos.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da