Pular para o conteúdo principal

1878 - Medidas para controle de pestes

Ainda sobre momentos de epidemias, é interessante destacar que a municipalidade, na medida de suas possibilidades e do que havia disponível em cada época, sempre tentou tomar as providências cabíveis para controlar a situação.

Uma circular do Palácio do Governo, em Porto Alegre, remetida à Câmara de Cachoeira em 26 de novembro de 1878, informa o que era recomendado naqueles tempos:

Circular de 26/11/1878 - CM/S/SE/CR-Caixa 19

Transmitto a Vm.cês dez exemplares impressos do Decreto n.º 7027 de 6 de Setembro deste anno, contendo instrucções sobre desinfecção das casas ou estabelecimentos publicos e particulares desse municipio em que se derem casos de molestias contagiosas ou transmissiveis, e conselhos sanitarios ao povo para as occasiões de epidemia; os quaes devem Vm.cês mandar distribuir gratuitamente, como recommenda o Snr. Ministro do Imperio em Aviso circular n.º 3410 de 30 de Setembro ultimo.

Deus Guarde a Vm.cês

Snrs. Presidente e mais Vereadores da Camara Municipal da Cachoeira.

O Decreto citado na circular trata sobre a desinfecção das casas e estabelecimentos públicos ou particulares em que houvesse ocorrência de casos de moléstias contagiosas e traz as seguintes orientações:

- sempre que houver casos de doenças transmissíveis, como febre amarela, cólera, varíola, escarlatina, tifo e outras da mesma natureza, os moradores ou responsáveis, tanto de residências quanto de estabelecimentos públicos, deveriam proceder à desinfecção de todos os aposentos, segundo as orientações da Junta de Higiene; a desinfecção seria estendida aos prédios e lugares próximos ao foco toda vez que a autoridade sanitária julgasse conveniente;

- quando a contaminação atingisse pessoa sem condições para proceder ao tratamento, as autoridades deveriam ser imediatamente comunicadas, para providenciar na remoção do doente ou no sepultamento imediato, em caso de morte; a desinfecção da casa correria por conta do Estado;

- em caso de descumprimento, os moradores, donos ou arrendatários de habitações infectadas seriam multados em 30 mil réis; a falta de comunicação às autoridades redundaria em multa de 20 mil réis; em caso de reincidência, o dobro do valor.

Pelo sim pelo não, tais medidas foram tentativas de conter a propagação de doenças contagiosas em tempos de poucos recursos médicos e da precariedade de um país continental e ainda parco em desenvolvimento.

As medidas adotadas no século XIX ainda guardam similaridade às recomendadas no século XXI, apesar do imenso avanço da medicina e do poder da comunicação. Ainda a lamentar as carências do país que segue continental em extensão e com condições sanitárias díspares entre as diversas regiões.

MR   

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co