Pular para o conteúdo principal

Escola Estadual Cândida Fortes Brandão - 90 anos

E.E.E.F. Cândida Fortes Brandão - Rua Pinheiro Machado, 2343
- escolacandidda.blogspot.com

No dia 21 de maio de 1930, foi criado o Grupo Escolar Alto dos Loretos que, por decreto de 16 de outubro de 1940, passou a se chamar Grupo Escolar Cândida Fortes Brandão, homenageando uma das mais prestigiadas professoras cachoeirenses.

Professora Cândida Fortes Brandão - patrona da escola
- Museu Municipal

O jornal O Comércio, em sua edição de 17 de julho de 1929, noticiou o seguinte:

Grupo Escolar. - Foi escolhido o edificio em que actualmente funcciona o Club União Familiar, á Avenida Brasil, no arrabalde do Alto, para nelle funccionar um grupo escolar. Afim de inspeccionar o referido edificio, em que serão realizados trabalhos de adaptação, esteve nesta cidade o dr. Freitas de Castro, diretor geral da instrucção publica do Estado.


O Comércio, 17/7/1929
A instalação do Grupo Escolar ocorreu no dia 26 de maio de 1930, abrigando cerca de 200 alunos.

Professora Corina F. Carvalho e seus alunos - 1932 - AP Arquivo Histórico
Novo prédio para o Grupo Escolar "Cândida Fortes Brandão". Conforme autorização já concedida pelo Secretário da Educação do Estado para construir um prédio para um grupo escolar de 200 alunos nesta cidade, terão início dentro de poucos dias as respectivas obras, que orçarão em 84 contos de réis, aproximadamente. O Grupo Escolar "Cândida Fortes Brandão" será localizado no alinhamento da Avenida Brasil, num dos pontos mais altos e aprazíveis do Alto dos Loretos. (Jornal do Povo, 5 de janeiro de 1941). A inauguração oficial, com a presença do Secretário de Estado da Educação, Dr. Coelho de Souza, ocorreu em agosto de 1944.

Jornal do Povo, 5/1/1941

Prédio da Rua Pinheiro Machado - escolacandidda.blogspot.com


Em 14 de outubro de 1980, a Escola Cândida Fortes Brandão recebeu autorização para instalar e pôr em funcionamento uma classe especial para deficientes auditivos, a primeira do gênero no município de Cachoeira do Sul, contando com profissionais habilitados em Libras, que é a Língua Brasileira de Sinais.

Em 26 de março de 1987, foi criada a Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Auditivos - APADA, sediada na escola.

Cândida Fortes Brandão - a patrona da Escola

A cachoeirense Cândida Fortes Brandão, batizada como Cândida de Oliveira Fortes, foi a primeira professora com diploma da Escola Normal na história de Cachoeira do Sul. Professora particular e pública, foi a primeira diretora do Colégio Elementar Antônio Vicente da Fontoura, fundado em 1915. Mas sua vida não foi somente dedicada ao magistério, mas também às letras. Em tempo em que as mulheres raramente conseguiam espaço nos jornais para publicações, Cândida já despontava como uma das mais frequentes com poemas e artigos no O Comércio e Rio Grande, de Cachoeira. Também colaborou com várias publicações no país e em Portugal, tendo publicado um único livro, Fantasia, de 1897, editado pelas oficinas do Correio do Povo, de Porto Alegre, dividido em duas partes: Revérberos, de versos, e Contos às minhas irmãs, em prosa.

Folha de rosto do livro Fantasia - Museu Municipal

Cândida, que nasceu em 24 de abril de 1862, faleceu com 60 anos no dia 4 de novembro de 1922, sem filhos, deixando o marido Augusto César Brandão.

A equipe do Arquivo Histórico saúda os 90 anos desta importante e histórica instituição educacional, bem como a 24.ª Coordenadoria de Educação pelos seus 55 anos de funcionamento e coordenação do ensino público estadual.

Pesquisa no Acervo de Imprensa: Neiva E. C. Köhler

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co