Pular para o conteúdo principal

Fritz Strohschoen - 100 anos

8 de maio de 1920 - 8 de maio de 2020, dia de relembrar o historiador Fritz Strohschoen pelo centenário de seu nascimento e de celebrar todos os seus feitos em prol da conservação da memória histórica de Cachoeira do Sul; dia de reverenciar o cidadão que contribuiu para o crescimento de sua cidade, seja como professor, contabilista, advogado, vereador, como pai de família e liderança comunitária.

Participação de nascimento - O Comércio, 12/5/1920


Dr. Fritz Strohschoen - Acervo familiar


Fritz Strohschoen nasceu na Cachoeira que estava prestes a comemorar seu primeiro centenário, cuja legitimidade da data histórica - 5 de agosto de 1820 - vinha sendo discutida desde o ano anterior. Naquele tempo, o historiador Aurélio Porto prestou-se a elucidar com seu amplo conhecimento a importância do dia 5 de agosto, pondo fim aos questionamentos de então. Por estas coincidências inexplicáveis, coube a Fritz, 64 anos depois, retomar e endossar a defesa feita por Aurélio Porto para corrigir a data que constava do brasão do município.

Aurélio Porto sempre foi inspiração para o historiador que Fritz se tornou. Como ele, Fritz também se debruçou sobre a vasta documentação produzida desde a instalação do município, dando corpo e divulgação a fatos e personagens que escreveram as primeiras páginas da Vila Nova de São João da Cachoeira. E fazia isto nas madrugadas, em seu escritório, lendo, analisando e transcrevendo volumes de atas e outros documentos que trazia da velha Prefeitura. Alguns destes documentos, ao passarem por suas mãos, ganharam a oportunidade da conservação, uma vez que ainda não existia um arquivo histórico que lhes desse o tratamento devido. A paixão pela pesquisa era tanta, que nem a deficiência visual que portava desde a adolescência o impediu de levar a termo as leituras e transcrições em letra caprichada e criteriosa organização.

Mas Fritz Strohschoen não foi só um perscrutador e divulgador da história, foi também professor admirado por seus alunos no noturno do "Colégio dos Padres", hoje Colégio Marista Roque, onde concluiu o curso ginasial em 1935. Ele guardava agradáveis lembranças do educandário onde atuou por 33 anos, assim como das outras experiências profissionais, incluindo a de perito grafólogo no Fórum. Foi também instruído e atilado vereador, chegando à presidência da Câmara por mais de uma vez e ocupando o cargo de chefe do Executivo em três ocasiões, em razão do afastamento do prefeito Arnoldo Paulo Fürstenau. Abraçou também, com a tenacidade que lhe caracterizava, várias causas comunitárias, algumas delas significativas na área da educação.

Como forma de homenagear e agradecer o excepcional serviço que Fritz Strohschoen prestou à sua terra natal, especialmente na conservação e divulgação da história, a sala de pesquisa do Arquivo Histórico recebeu o seu nome em 27 de agosto de 1996.

Sala Dr. Fritz Strohschoen - Arquivo Histórico


Fritz Strohschoen faleceu em 14 de janeiro de 2011 e, em dezembro daquele ano, o Arquivo Histórico e o Museu Municipal lançaram o Caderno de História n.º 7 - Fritz Strohschoen, em reconhecimento ao inestimável serviço que prestou ao ofício das duas instituições.

Falar do homem, do pai da família que constituiu com Olga Stallbaum, formada por Marly, Mário, Mirna, Milda e Mayra, do profissional, do cidadão engajado e do historiador pode ser muito bem arrematado com uma frase que ele gostava muito de repetir e que dimensiona o seu compromisso e o rico currículo de realizações em prol da sua terra: "Cachoeira gosta de mim, e eu dela."

Fritz e Olga Strohschoen - Arquivo Histórico

Com esta postagem o Arquivo Histórico relembra o historiador Fritz Strohschoen em seu centenário de nascimento, cumprimentando todos seus descendentes e demais familiares.

MR

Comentários

  1. Miriam querida,nós emocionamos ao ler tua postagem sobre o Dr.Fritz.Alegria,alegria!Obrigada Mário e Aninha

    ResponderExcluir
  2. Grande professor e historiador! Professor no Roque e encantava seus alunos contando a verdadeira História de Cachoeira do Sul!Linda homenagem a quem realmente merece ser lembrado por seus feitos! De onde estiver está vendo que sua passagem não foi em vão!Parabéns Mirian!

    ResponderExcluir
  3. Linda homenagem a uns dos historiadores mais importantes ! Contava a história real de Cachoeira do Sul e encantava seus alunos! Parabéns Mirian!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co