Pular para o conteúdo principal

Fritz Strohschoen - 100 anos

8 de maio de 1920 - 8 de maio de 2020, dia de relembrar o historiador Fritz Strohschoen pelo centenário de seu nascimento e de celebrar todos os seus feitos em prol da conservação da memória histórica de Cachoeira do Sul; dia de reverenciar o cidadão que contribuiu para o crescimento de sua cidade, seja como professor, contabilista, advogado, vereador, como pai de família e liderança comunitária.

Participação de nascimento - O Comércio, 12/5/1920


Dr. Fritz Strohschoen - Acervo familiar


Fritz Strohschoen nasceu na Cachoeira que estava prestes a comemorar seu primeiro centenário, cuja legitimidade da data histórica - 5 de agosto de 1820 - vinha sendo discutida desde o ano anterior. Naquele tempo, o historiador Aurélio Porto prestou-se a elucidar com seu amplo conhecimento a importância do dia 5 de agosto, pondo fim aos questionamentos de então. Por estas coincidências inexplicáveis, coube a Fritz, 64 anos depois, retomar e endossar a defesa feita por Aurélio Porto para corrigir a data que constava do brasão do município.

Aurélio Porto sempre foi inspiração para o historiador que Fritz se tornou. Como ele, Fritz também se debruçou sobre a vasta documentação produzida desde a instalação do município, dando corpo e divulgação a fatos e personagens que escreveram as primeiras páginas da Vila Nova de São João da Cachoeira. E fazia isto nas madrugadas, em seu escritório, lendo, analisando e transcrevendo volumes de atas e outros documentos que trazia da velha Prefeitura. Alguns destes documentos, ao passarem por suas mãos, ganharam a oportunidade da conservação, uma vez que ainda não existia um arquivo histórico que lhes desse o tratamento devido. A paixão pela pesquisa era tanta, que nem a deficiência visual que portava desde a adolescência o impediu de levar a termo as leituras e transcrições em letra caprichada e criteriosa organização.

Mas Fritz Strohschoen não foi só um perscrutador e divulgador da história, foi também professor admirado por seus alunos no noturno do "Colégio dos Padres", hoje Colégio Marista Roque, onde concluiu o curso ginasial em 1935. Ele guardava agradáveis lembranças do educandário onde atuou por 33 anos, assim como das outras experiências profissionais, incluindo a de perito grafólogo no Fórum. Foi também instruído e atilado vereador, chegando à presidência da Câmara por mais de uma vez e ocupando o cargo de chefe do Executivo em três ocasiões, em razão do afastamento do prefeito Arnoldo Paulo Fürstenau. Abraçou também, com a tenacidade que lhe caracterizava, várias causas comunitárias, algumas delas significativas na área da educação.

Como forma de homenagear e agradecer o excepcional serviço que Fritz Strohschoen prestou à sua terra natal, especialmente na conservação e divulgação da história, a sala de pesquisa do Arquivo Histórico recebeu o seu nome em 27 de agosto de 1996.

Sala Dr. Fritz Strohschoen - Arquivo Histórico


Fritz Strohschoen faleceu em 14 de janeiro de 2011 e, em dezembro daquele ano, o Arquivo Histórico e o Museu Municipal lançaram o Caderno de História n.º 7 - Fritz Strohschoen, em reconhecimento ao inestimável serviço que prestou ao ofício das duas instituições.

Falar do homem, do pai da família que constituiu com Olga Stallbaum, formada por Marly, Mário, Mirna, Milda e Mayra, do profissional, do cidadão engajado e do historiador pode ser muito bem arrematado com uma frase que ele gostava muito de repetir e que dimensiona o seu compromisso e o rico currículo de realizações em prol da sua terra: "Cachoeira gosta de mim, e eu dela."

Fritz e Olga Strohschoen - Arquivo Histórico

Com esta postagem o Arquivo Histórico relembra o historiador Fritz Strohschoen em seu centenário de nascimento, cumprimentando todos seus descendentes e demais familiares.

MR

Comentários

  1. Miriam querida,nós emocionamos ao ler tua postagem sobre o Dr.Fritz.Alegria,alegria!Obrigada Mário e Aninha

    ResponderExcluir
  2. Grande professor e historiador! Professor no Roque e encantava seus alunos contando a verdadeira História de Cachoeira do Sul!Linda homenagem a quem realmente merece ser lembrado por seus feitos! De onde estiver está vendo que sua passagem não foi em vão!Parabéns Mirian!

    ResponderExcluir
  3. Linda homenagem a uns dos historiadores mais importantes ! Contava a história real de Cachoeira do Sul e encantava seus alunos! Parabéns Mirian!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da