Pular para o conteúdo principal

A chegada do telefone


O telefone, aparelho inventado por Graham Bell em 1876, chegou a Cachoeira no ano de 1904, quando aqui se instalou a empresa de Emilio Guardiola, denominada Telephone Commercial. Ainda era uma operação bem rudimentar, se comparada com o avanço que a telefonia atingiu nos últimos tempos, especialmente no que se refere a telefones móveis, impensáveis no começo do século XX. Aqueles eram tempos em que o máximo de modernidade estava atrelada à telefonia fixa, comandada por uma telefonista, a quem os usuários solicitavam a operação de localizar, chamar o número pretendido e estabelecer a ligação.

Os aparelhos da época, último lançamento, tinham o formato de castiçal e eram acionados por uma manivela, acessando a telefonista que completava a ligação. O processo às vezes era demorado e regularmente apresentava falhas devido a problemas operacionais.

Telefone tipo castiçal, modelo 1904 - Pinterest

Em abril daquele ano, o empreendedor Emilio Guardiola esteve na cidade para dar início à instalação da rede, conforme noticiou O Comércio, edição do dia 25:

Empresa telephonica: - Acha-se nesta cidade o sr. Emilio Guardiola, que aqui trata de estender uma rede telephonica. Será, sem duvida, um melhoramento que concorrerá para o progresso da localidade. 


O Comércio, 25/4/1904

O mesmo jornal, no dia 1.º de junho de 1904, publicou:

Telephone. - Tiveram inicio os trabalhos da collocação da rede telephonica, que vai ser installada nesta cidade pelo pelo sr. Emilio Guardiola, em empresa particular sob a denominação de Telephone Commercial. A iniciativa daquelle operoso cidadão tem encontrado lisongeiro acolhimento.

Em 1909 havia, em todo o município de Cachoeira, 69 aparelhos telefônicos que faziam em média 110 ligações diárias e, em 1911, conforme o jornal Rio Grande de 23 de abril:

 Linha telephonica - Já se acham promptas 5 leguas da linha telephonica que partindo desta cidade vae a colonia Serro Branco. Dentro em breve estará prompta esta linha, preenchendo grande lacumna em nosso meio commercial.




Jornal Rio Grande, 23/4/1911

Em 20 de março de 1912, Emilio Guardiola & Filho escreveram ao Intendente Isidoro Neves da Fontoura solicitando dispensa do pagamento do imposto de Indústrias e Profissões, por terem cedido gratuitamente ao município três aparelhos telefônicos, o que pela tabela então em vigor correspondia à quantia muito superior ao imposto. O intendente atendeu à solicitação, o que parece ter deixado a empresa satisfeita porque, em 13 de abril do ano seguinte, o subintendente do 7.º distrito de Cachoeira, Athayde Quilião, comunicava ter sido instalada na subintendência a linha telefônica que partia da central localizada na casa de Antonio Posselt.

Em 1915, depois da morte de Emilio Guardiola, a empresa então chamada Viúva Guardiola & Filhos, representada por Álvaro Cunha e Aristides Guardiola, dirigiu-se a Porto Alegre para tratar com Juan Ganzo Fernandez, diretor da Companhia Telephonica Rio Grandense, a fusão de ambas. O negócio foi procedido e, em 1916, a Intendência renovou seu contrato de telefonia com a referida companhia, tendo em vista que a então firma Viúva Guardiola & Filhos tinha sido a única empresa a apresentar proposta ao edital de exploração do serviço no município. Como havia sido incorporada pela Companhia Telephonica Rio Grandense, o contrato foi assinado pelo vice-intendente Francisco Fontoura Nogueira da Gama e por Juan Ganzo Fernandez, diretor da Telephonica. O contrato previa um serviço de comunicações aperfeiçoado e permanente, ramificado a todos os distritos e com a condição de gratuidade a todas as repartições da municipalidade, conforme publicou O Comércio de 5 de abril de 1916. Um ano depois, Cachoeira estava ligada a Porto Alegre por via telefônica.

Juan Ganzo Fernandez - http://familiaganzo.blogspot.com/

Em linhas gerais foram estes os primeiros avanços da telefonia em Cachoeira, município que no início do século XX se destacava dentre os demais do estado do Rio Grande do Sul em termos de modernidade e serviços.

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co