Pular para o conteúdo principal

Gafanhotos!

As últimas notícias que dão conta de uma imensa nuvem de gafanhotos que se aproxima do Rio Grande do Sul tem posto em alvoroço as autoridades e a população. Em época de pandemia e de economia combalida, tudo o que não poderia acontecer é uma destruição massiva das culturas que estão em nossos campos.

Nuvens de gafanhotos não são acontecimentos inéditos, embora menos comuns nos dias de hoje. Há relatos nos jornais e documentação no Arquivo sobre sucessivos ataques e os meios utilizados para conter a sanha destrutiva destes insetos.

O Comércio de 23 de setembro de 1906, em sua primeira página, traz a seguinte notícia:

Jornal O Commercio, 26/9/1906, p. 1

Extincção dos gafanhotos
Por intermedio das intendencias municipaes, a Estação Agronomica do Estado tem distribuido um folheto em portuguez, italiano e allemão, contendo instrucções sobre a extincção dos gafanhotos, as quaes se reduzem ao seguinte:
Desova. - Na época da desova convém espantar os gafanhotos, afim de que se reunam, possivelmente, em logares sem vegetação, accessiveis ao trabalho do arado.
Todo e qualquer sitio, onde ha desova, deve ser assignalado com estacas ou marcos.
Para destruir os ovos depostos, empregam-se varios meios, o melhor, porém consiste, quando as condições do terreno o permittem, de lavrar com um bom arado a terra, a uma profundidade de 15 cms, pelo menos. O arado Sack presta-se perfeitamente a esse fim.
Em terras nas quaes não é possivel applicar-se o arado, este serviço se faz com a pá, virando completamente a leiva, na profundidade acima indicada.
Tambem se aconselha o pisoteio com animaes cavallares.
A incubação dura de accordo com a temperatura da estação: assim pode-se admittir que os ovos postos no mez de agosto levam 50 dias para incubar; os que forem postos em setembro, 45 dias; em outubro, 40 dias; em novembro, 30 dias; e em dezembro e janeiro, 20 a 25 dias.
A destruição do ovo é de uma importancia extrema, pois, ás vezes, num metro quadrado de superficie, existem depostos cerca de cem mil ovos de gafanhotos.
Extincção dos saltões. - Do ovo nasce um insecto se azas que na primeira idade toma o nome de saltão.
O saltão para criar azas emprega de 45 a 50 dias.
A vida do saltão se divide em tres periodos.
No primeiro periodo o insecto come pouco e sempre se agrupa em montões. Esse periodo dura oito dias, até o gafanhoto effectuar a 1.ª muda. Nesse estado extingue-se com o pisoteio, com insecticidas, com o fogo, com o reviramento da terra e com outros meios rudimentares, que estiverem ao alcance da gente. 
No segundo periodo, que dura até o insecto completar a 2.ª muda, que de ordinario se dá 20 dias depois de ter nascido, para destruil-o applicam-se pela manhã e pela tarde os processos que se empregam no primeiro periodo. Nos logares incultos, porém, aconselha-se empregar as barreiras e os vallos que se adoptam no terceiro periodo.
Este terceiro periodo dura até o gafanhoto criar azas, isto é, 25 a 30 dias depois da segunda muda. Durante esse tempo, o gafanhoto come com uma voracidade espantosa, marcha em grandes bandos e produz os maiores prejuizos.
Afóra outros meios de extincção, recommenda-se, como o mais vantajoso, o emprego das barreiras articuladas metalicas e os vallos.
As barreiras metalicas são folhas de ferro ou zinco, da altura de 35 cms, reunidas entre si com ganchos.
Estas barreiras, collocadas de pé, não permittem que o saltão passe d'um logar para outro; ellas aliás servem para levar os insectos a fossos escavados de antemão, onde, cahindo, são em seguida enterrados. Estes fossos ordinariamente têm 1 metro de largura, 1 a 1,m50 de profundidade e 2 a 4 metros de comprimento.
O gafanhoto voador. - O gafanhoto voador extingue-se com o fogo e com outros meios mais praticos que vêm á mão. Quando apparece em bandos, para impedir que pouse nas lavouras, fazem-se fogueiras com macega, galhos verdes, capim, procurando fazer muita fumaça, de modo que o vento a leve em direcção ás lavouras que se deseja preservar da invasão do gafanhoto. E' muito conveniente, n'um caso destes, lançar sobre a fogueira enxofre: a fumaça que se desprende afugenta o insecto até onde ella chega.

Gafanhoto - http://denizdalgasi.blogcu.com/kaplanla-cekirge/258253

Nos dias que correm, apesar dos recursos destrutivos de variados produtos químicos, a natureza massacrada pelo homem ainda é capaz de provocar surpresas assustadoras como esta da invasão de uma grande nuvem de gafanhotos, nascidos pelas condições favoráveis do descontrole climático e da falta de predadores.

MR

Comentários

  1. Por favor, Mirian, fale mais sobre os gafanhotos que estiveram aqui, na década de 40...

    ResponderExcluir
  2. Lisara, assim que der o farei.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da