Pular para o conteúdo principal

Gafanhotos!

As últimas notícias que dão conta de uma imensa nuvem de gafanhotos que se aproxima do Rio Grande do Sul tem posto em alvoroço as autoridades e a população. Em época de pandemia e de economia combalida, tudo o que não poderia acontecer é uma destruição massiva das culturas que estão em nossos campos.

Nuvens de gafanhotos não são acontecimentos inéditos, embora menos comuns nos dias de hoje. Há relatos nos jornais e documentação no Arquivo sobre sucessivos ataques e os meios utilizados para conter a sanha destrutiva destes insetos.

O Comércio de 23 de setembro de 1906, em sua primeira página, traz a seguinte notícia:

Jornal O Commercio, 26/9/1906, p. 1

Extincção dos gafanhotos
Por intermedio das intendencias municipaes, a Estação Agronomica do Estado tem distribuido um folheto em portuguez, italiano e allemão, contendo instrucções sobre a extincção dos gafanhotos, as quaes se reduzem ao seguinte:
Desova. - Na época da desova convém espantar os gafanhotos, afim de que se reunam, possivelmente, em logares sem vegetação, accessiveis ao trabalho do arado.
Todo e qualquer sitio, onde ha desova, deve ser assignalado com estacas ou marcos.
Para destruir os ovos depostos, empregam-se varios meios, o melhor, porém consiste, quando as condições do terreno o permittem, de lavrar com um bom arado a terra, a uma profundidade de 15 cms, pelo menos. O arado Sack presta-se perfeitamente a esse fim.
Em terras nas quaes não é possivel applicar-se o arado, este serviço se faz com a pá, virando completamente a leiva, na profundidade acima indicada.
Tambem se aconselha o pisoteio com animaes cavallares.
A incubação dura de accordo com a temperatura da estação: assim pode-se admittir que os ovos postos no mez de agosto levam 50 dias para incubar; os que forem postos em setembro, 45 dias; em outubro, 40 dias; em novembro, 30 dias; e em dezembro e janeiro, 20 a 25 dias.
A destruição do ovo é de uma importancia extrema, pois, ás vezes, num metro quadrado de superficie, existem depostos cerca de cem mil ovos de gafanhotos.
Extincção dos saltões. - Do ovo nasce um insecto se azas que na primeira idade toma o nome de saltão.
O saltão para criar azas emprega de 45 a 50 dias.
A vida do saltão se divide em tres periodos.
No primeiro periodo o insecto come pouco e sempre se agrupa em montões. Esse periodo dura oito dias, até o gafanhoto effectuar a 1.ª muda. Nesse estado extingue-se com o pisoteio, com insecticidas, com o fogo, com o reviramento da terra e com outros meios rudimentares, que estiverem ao alcance da gente. 
No segundo periodo, que dura até o insecto completar a 2.ª muda, que de ordinario se dá 20 dias depois de ter nascido, para destruil-o applicam-se pela manhã e pela tarde os processos que se empregam no primeiro periodo. Nos logares incultos, porém, aconselha-se empregar as barreiras e os vallos que se adoptam no terceiro periodo.
Este terceiro periodo dura até o gafanhoto criar azas, isto é, 25 a 30 dias depois da segunda muda. Durante esse tempo, o gafanhoto come com uma voracidade espantosa, marcha em grandes bandos e produz os maiores prejuizos.
Afóra outros meios de extincção, recommenda-se, como o mais vantajoso, o emprego das barreiras articuladas metalicas e os vallos.
As barreiras metalicas são folhas de ferro ou zinco, da altura de 35 cms, reunidas entre si com ganchos.
Estas barreiras, collocadas de pé, não permittem que o saltão passe d'um logar para outro; ellas aliás servem para levar os insectos a fossos escavados de antemão, onde, cahindo, são em seguida enterrados. Estes fossos ordinariamente têm 1 metro de largura, 1 a 1,m50 de profundidade e 2 a 4 metros de comprimento.
O gafanhoto voador. - O gafanhoto voador extingue-se com o fogo e com outros meios mais praticos que vêm á mão. Quando apparece em bandos, para impedir que pouse nas lavouras, fazem-se fogueiras com macega, galhos verdes, capim, procurando fazer muita fumaça, de modo que o vento a leve em direcção ás lavouras que se deseja preservar da invasão do gafanhoto. E' muito conveniente, n'um caso destes, lançar sobre a fogueira enxofre: a fumaça que se desprende afugenta o insecto até onde ella chega.

Gafanhoto - http://denizdalgasi.blogcu.com/kaplanla-cekirge/258253

Nos dias que correm, apesar dos recursos destrutivos de variados produtos químicos, a natureza massacrada pelo homem ainda é capaz de provocar surpresas assustadoras como esta da invasão de uma grande nuvem de gafanhotos, nascidos pelas condições favoráveis do descontrole climático e da falta de predadores.

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co