Pular para o conteúdo principal

A inauguração da Estação Rodoviária

Com apreensão a comunidade cachoeirense recebeu a notícia de encerramento das atividades da Estação Rodoviária de Cachoeira do Sul, cujas instalações próprias foram inauguradas em 1976, constituindo-se, à época, uma grande e celebrada conquista.

Notícia da inauguração - JP, 26/2/1976, p. 1

O Jornal do Povo do dia 26 de fevereiro de 1976 estampou em sua primeira página a notícia: Nova rodoviária inaugura hoje como velho desafio que Cachoeira atende.

A partir das 10 horas de hoje, Cachoeira do Sul passará a contar com nova estação rodoviária, onde o requinte anda de par até mesmo com as necessidades futuras dos usuários. E quando o município atende um desafio de muitos anos, dentro das prioridades comunitárias e destes três anos de progresso da administração Pedro Germano, o terminal rodoviário lá está para retratar dois fatos incontestes: o trabalho de anos do concessionário Arno Radünz (e esposa Judith Heloísa Engler Radünz) e o esmero que Augusto de Lima - Arquitetura e Construções (Comércio e Indústria da Construção Civil) emprestou à construção.

O ato inaugural terá as presenças do secretário Otávio Germano, do Interior, Desenvolvimento Regional e Obras Públicas; secretário Firmino Girardello, dos Transportes; Edmar José Lerry, diretor geral do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (DAER); dos deputados cachoeirenses Geraldo Germano e Carlos Augusto de Souza; e, ainda, de outras personalidades estaduais e municipais, com estas lideradas pelo prefeito Pedro Germano.

Resumidamente, o programa inaugural da rodoviária prevê o descerramento de placa comemorativa, às 10 horas, seguido do corte da fita, benção do padre Orestes Trevisan e alocução oficial do vice-prefeito Julio Cezar Caspani, em nome da comunidade.

Tudo terá continuidade com a visitação às dependências gerais, durante a qual se inaugurará (no complexo administrativo) os retratos dos fundadores José e Irma Engler, pelo primeiro funcionário e hoje diretor da Imobiliária Rodrigues, Osvaldo Rodrigues de Figueiredo.

Arquiteto confere tudo
Diretor da firma cachoeirense que construiu tudo, o arquiteto Augusto César Mandagaran de Lima pode justificar toda a euforia atual pela consciência de ter feito o melhor. Tanto pelas linhas arquitetônicas como pela utilidade presente e futura (muitos anos adiante) do empreendimento.

Após ter empregado pouco mais de 700 dias (obra iniciou em dezembro de 73) e média diária de 80 homens trabalhando em dois turnos (só na concretagem de lajes e vigas empregou mais porque aí deve haver continuidade de até 72 horas ininterruptas e utilizou quatro turmas de 30 homens cada uma), Mandagaran de Lima tem reais motivos de contentamento.

A matéria do jornal segue explicando que a rodoviária inaugurada pertencia à chamada categoria especial, como a de Porto Alegre. O arquiteto Augusto de Lima esclareceu que desenvolveu para a rodoviária local uma projeção que está 20 vezes acima das necessidades atuais de Cachoeira. como no caso do equipamento público (saguão, venda de passagens, despachos, restaurante, sanitários e escritórios). Só os boxes estão três vezes superiores ao exigido, para evitar uma área ali ociosa.

A edição do Jornal do Povo também estampou em letras garrafais o convite feito pelo concessionário para os atos inaugurais:

Convite para inauguração - JP, 26/2/1976, p. 1

A obra inaugurada no verão de 1976, considerada a primeira etapa da construção, suplantou o valor de cinco milhões de cruzeiros e dotou Cachoeira do Sul de uma das mais modernas estações rodoviárias de seu tempo. Por ocasião do início das obras, a inquietação da cidade era a sua localização, considerada à época muito distante do centro, o que se constituiu em mais um desafio vencido pelos empreendedores.

Aspecto da Estação Rodoviária de Cachoeira do Sul - Facebook

Transcorridos 44 anos da inauguração da Estação Rodoviária, o projetado crescimento esbarrou em uma série de fatores que acabaram por enfraquecer o transporte rodoviário interurbano, agravados agora pelos nefastos efeitos provocados pela pandemia do coronavírus.

A história da concessão do serviço iniciou com José Engler em 1941, persistindo com seus descendentes por quase 80 anos. Nesse período, mais de uma geração da família seguiu prestando relevantes serviços, embarcando e desembarcando milhares de passageiros em chegadas ou partidas da Capital Nacional do Arroz.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da