Pular para o conteúdo principal

Os despojos de Pedro II e Tereza Cristina

Há 100 anos, no dia 8 de janeiro de 1921, o Brasil recebeu os despojos do Imperador Pedro II e de sua esposa D. Tereza Cristina, ele falecido em Paris, em 5 de dezembro de 1891, e ela no Porto, em 28 de dezembro de 1889, pouco tempo depois de terem sido banidos do país com a proclamação da República em 15 de novembro de 1889. 

D. Pedro II em 1887 - Wikipédia

Imperatriz Tereza Cristina (c. 1876) - Wikipédia


A iniciativa de dar sepultura aos monarcas em solo brasileiro fazia parte da programação que se desenhava para as comemorações do primeiro centenário da Independência do Brasil, em 7 de setembro de 1922. 

A notícia chegou a Cachoeira, via jornal O Commercio, no dia 26 de janeiro de 1921:

Notícia n'O Commercio - 26/1/1921

As revistas do Rio, datadas de 15 do actual, vêm cheias de illustrações relativas á chegada dos despojos mortaes de D. Pedro II e de D. Thereza Christina, ex-imperadores do Brasil, e banidos com a proclamação da Republica, em 15 de Novembro de 1889.

Esses despojos vieram no couraçado brasileiro São Paulo, chegando no Rio a 8 do corrente e sendo recebidos carinhosamente pela população fluminense e pelo mundo official, inclusive o sr. presidente da Republica. 

Acompanhando os despojos, vieram tambem o Conde d'Eu e o principe D. Pedro de Orleans e Bragança.

A revista Fon-Fon publicou o seguinte soneto:

O IMPERADOR

Vem pelo mar afóra, amortalhado

No auri-verde pendão... Brilha o Cruzeiro

Glorificando o grande Brasileiro,

Por tanto tempo ao longe desterrado!


E o nosso olhar, de pranto marejado,

O espaço corta e o vai fitar primeiro,

Antes que o seu reinado derradeiro

Pela voz do canhão seja saudado...


Vem. É a fala do throno que se escuta!

- Alta noite bebi fel e cicuta,

Como se fôra infame criminoso!


E a santa companheira, coitadinha!

Morreu de dor... Brasil! oh! Patria minha!

Volvo ao teu seio uberrimo e formoso!


(Autora) Presciliana Duarte de Almeida

As urnas que continham os despojos dos imperadores foram trasladadas de Lisboa ao Rio de Janeiro, sendo recebidas com todas as honras devidas a chefes de Estado. Pouco antes, o presidente Epitácio Pessoa havia assinado o decreto de extinção do banimento da família imperial, o que muito agradou ao Conde d'Eu e ao Príncipe D. Pedro, representantes dos monarcas no ato.

Os restos mortais do imperador e de sua esposa repousam na Catedral de São Pedro de Alcântara, em Petrópolis, desde 1939, em mausoléu inaugurado pelo presidente Getúlio Vargas. Em 1921, seu destino provisório foi a Catedral do Rio de Janeiro.

Quando Pedro II morreu, Paris tratou de sua morte com todo a consideração e respeito devidos a um monarca. Nenhum representante do governo brasileiro compareceu. No esquife, por pedido seu, a cabeça repousava sobre um travesseiro contendo terra brasileira, clara demonstração do grande amor que nutria pela pátria que um dia o expulsou, mas para a qual voltou e onde repousará eternamente.

D. Pedro II morto - http://blogdosanharol.blogspot.com/

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da