Pular para o conteúdo principal

Grêmio Náutico Tamandaré - 85 anos

Gremio Nautico Tamandaré

Foi fundado, em 18 de Fevereiro p.p. nesta cidade, este Gremio, por cujo motivo recebemos o seguinte officio:

"Cachoeira, 28 de Fevereiro de 1936

Redação do "O Commercio":

Tenho o praser de communicar-lhe que em sessão realisada no dia 18 do corrente, na séde do Jockey Club, foi fundado nesta cidade o club de regatas Gremio Nautico Tamandaré, tendo sido aclamada e empossada a seguinte directoria:

Presidente, Adail Machado de Oliveira; 1.º Vice-Presidente, Mario Guignatti; 2.º Vice-Presidente, Rodolfo Gonzales; 1.º Secretario, Delcassê Bastos; 2.º Secretario, Mena Meirelles; 1.º Thezoureiro, Dante Machado de Oliveira; 2.º Thezoureiro, Edgar Amaro; Guarda Sport, Jayme Porto; Auxiliar, Sebastião Alario.

Sem outro motivo para o presente, subscrevo-me respeitosamente.

Delcassê Bastos

Secretario"

Agradecemos a communicação, com votos de crescente prosperidade á nova entidade desportiva.


O Commercio, 4/3/1936


Com esta nota o jornal O Commercio, edição do dia 4 de março de 1936, anunciou a fundação do Grêmio Náutico Tamandaré, uma das mais conhecidas sociedades cachoeirenses e que chega em 2021 aos 85 anos de existência.

Diz a ata de fundação:

Acta de fundação do Gremio Nautico Tamandaré

Aos dezoito dias do mes de Fevereiro do anno de mil novecentos e trinta e seis, nesta cidade de Cachoeira, Estado do Rio Grande do Sul, na séde da Sociedade Hippica Jockey Club, sita a rua 7 de Setembro n.º [em branco] teve lugar uma reunião de elementos pertencentes ao Tamandaré Atlectico Clube, como pode ver-se pelas assignaturas da presente acta, com o fim de tratarem da fundação de uma sociedade de remo. Tendo sido dada a palavra ao Snr. Mario Ghignatti, este esplicou aos presentes o fim da reunião, tratando-se em seguida da formação da primeira Directoria, que após diversos pareceres foi aclamada, sendo a seguinte: 

Presidente: Adail Machado de Oliveira

1.º Vice Presidente:

Mario Ghignatti

2.º Vice Presidente:

Rodolfo Gonçalez

1.º Secretario:

Delcassê Bastos

2.º Secretario:

Mena Meirelles

1.º Thezoureiro:

Dante Machado de Oliveira

2.º Thezoureiro:

Edgar Amaro

Guarda Sport:

Jayme Porto

Auxiliar:

Sebastião Alario

Em seguida a Directoria tomou posse, tendo deliberado o seguinte:

O Gremio Nautico Tamandaré uzará as mesmas cores do Tamandaré Atlectico Club, isto é, preta e branca. Deverá ser cobrada a joia de (5$000) cinco mil reis e uma mensalidade de (2$000) dois mil reis. Por proposta do Snr Amelio Riccardi ficou resolvido que nos estatutos a serem elaborados deverá constar os nomes dos presentes nesta sessão, como socios fundadores do Gremio Nautico Tamandaré. Foi recebido com uma salva de palmas o gesto do Snr. Mario Ghignatti, que prometteu offerecer ao Gremio o primeiro terno de camisetas. Não havendo mais nada a tratar, o Snr. Presidente deu por encerrada a sessão, e para constar, lavrei a presente acta, assignando-a com todos os demais fundadores desse Gremio.

[assinaturas]


Ata de fundação do GNT - AP 61

Na sessão de diretoria ocorrida em 14 de março, na residência do presidente, foram recebidas as primeiras propostas para sócios e aceitas as de Argeu Falckenbach, João Carlos Meirelles, Adolfo Chiling [sic], Elvio Lima, Walther Becker, João de Abreu, Helio Riccardi, Gomercindo Gomes, Genaro Nunes, Alcides Machado de Oliveira, Carlos Ghignatti, Nilo Albuquerque, Alexandre Herzog, João Ribeiro Filho, Aldo Schirmer e Willy Löblen. Depois dessa sessão, ficou decidido escolher Alexandre Herzog como Diretor de Regatas, assim como a periodicidade das reuniões, sempre no dia 5 de cada mês, na sede do Jockey Clube.

Em 1937, o Grêmio Náutico Tamandaré passou a ocupar provisoriamente um prédio localizado na Rua Moron, junto ao porto da praia, como depósito para os barcos. Em 21 de novembro daquele ano foi registrada em ata a primeira temporada de remo e o batismo dos barcos do clube. Os barcos foram batizados com os nomes Caxias, que tinha como madrinha a jovem Ione, filha de Ivo Becker, Tupi, barco que tinha como madrinha Odyr, filha do prefeito Aldomiro Franco, e barco Ione, batizado por Yone, filha do industrial Reinaldo Roesch. 

Naquele dia foram disputados dois páreos, saindo vencedor o barco Ione, cuja tripulação era composta por Armindo Gerhardt, Sylvio Silva, Otelo Zinn, Victor Gremmich e Sigefredo Ferreira.

As atas do Grêmio Náutico Tamandaré - GNT demonstram que as reuniões de diretoria e assembleias eram promovidas em diferentes lugares, denotando a carência de uma sede social. A partir de 25 de novembro de 1940, passaram a ocorrer na sede da Sociedade Italiana Príncipe Umberto, localizada na Rua Júlio de Castilhos. Por esse período, além do remo, principal esporte, a sociedade promovia também jogos de basquete, vôlei e futebol. 

Com o encerramento das atividades da Sociedade Italiana Príncipe Umberto, o GNT incorporou o seu patrimônio, recebendo dela o quadro social e a sede própria. Essa sede passou por reformas, ganhou canchas de basquete e voleibol e teve programação festiva de inauguração em janeiro de 1942, também alusiva ao 6.º aniversário de sua fundação.

O prédio da Rua Moron n.º 72 foi vendido para levantamento de fundos para a aquisição e construção de nova sede náutica, cuja pedra fundamental foi lançada em dezembro de 1955.

A história de conquistas do Grêmio Náutico Tamandaré no esporte do remo é uma página à parte, merecendo uma postagem exclusiva. Os seus atletas disputaram muitas regatas, levando com brio e elevada performance o nome de Cachoeira a quatro cantos. 

Remadores no Jacuí - Coleção Armando Fontanari



Atletas do GNT - Praça Dr. Balthazar de Bem
- Coleção Armando Fontanari

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co