Pular para o conteúdo principal

Pipas marcadas

A inauguração da primeira hidráulica, em setembro de 1921, não resolveu de todo a questão da distribuição de água na cidade, dependendo muitos ainda dos serviços prestados pelos pipeiros. Toda sorte de reclamações chegava à Intendência com relação à venda de água, ora atendo-se ao preço cobrado, às condições higiênicas das pipas e do próprio líquido precioso.

Uma correspondência de 4 de março de 1922, existente no acervo documental do Arquivo Histórico, dá mostras que a Intendência Municipal tentava proceder a análises da água comercializada, no sentido de garantir que o abastecimento da população atendesse às normas de higiene:

Cachoeira, 4 de Março de 1922

Illm.º Snr. Guilherme Francke Sobrinho.

Communico-vos de ordem do cidadão Intendente Municipal, Dr. Annibal Lopes Loureiro que, em virtude das analyses bacteriologicas procedidas nas aguas da fonte situada em terreno de vossa propriedade á rua Conde de Porto Alegre, foi verificado tratar-se de aguas suspeitas, povoadas pelos bacillos de Flessner e Proteus vulgaris, virulentos.

O bacillo coli encontra-se na quantidade de [rasgado] por litro.

O numero total de micro-organismos encontrados foi por centimetro cubico de 477.

Deveis pois, no caso de quererdes continuar a explorar a venda desta agua fazer as obras indicadas no croquis junto.

Após exgotamento da agua que tiver na fonte será feito a remoção do lodo existente, e o revestimento de reboco com cimento alisado; isto feito, uma vez novamente cheio dagua o poço, dissolvereis nelle 100 gramas de permanganato de potassio e deixareis assim uma semana.

Exgotada novamente a agua, será espalhada no fundo duas camadas; uma de carvão mineral e outra de areia lavada, como o croquis indica.

Deixareis juntar agua e sujeital-a-eis a novo exame bacteriologico.

São estas as condicções indispensaveis, exigidas pela municipalidade, para levantar a interdicção existente.

IM/OPV/Ofícios - 4/3/1922


O recolhimento da água da fonte de Guilherme Francke Sobrinho havia sido interditado e a liberação da captação somente depois do atendimento das instruções prescritas. 

Mas como saber, diante do variado número de pipeiros, de que fontes provinham águas que causavam malefícios à população? Uma das medidas foi a de marcar as pipas utilizadas com o nome da fonte em que a água era recolhida. A confirmar isso, há correspondências assinadas pelo engenheiro chefe de Obras Públicas, Joaquim de Almeida Vidal, orientando os pipeiros Taurino Cunha e Guilherme Francke no que segue:

Cachoeira, 16 de junho de 1922

Illm.º Sr. Taurino Cunha

N/Cidade.

De ordem do eng. chefe da Secção de Obras Publicas e de accordo com o regulamento em vigor, fica marcado o prazo de uma semana para que todas as pipas que se abastecem de agua nesta fonte, gravem em lettras regulares, brancas, bem legiveis, o distico: FONTE DO MATTO.

4.º Secção de Obras Publicas.

[assinatura] Joaquim de Almeida Vidal

IM/OPV/Ofícios - 16/6/1922


Outra correspondência, de teor idêntico à de Taurino Cunha, foi remetida a Guilherme Francke, determinando que o seu dístico, ou seja, o letreiro que constaria de suas pipas deveria ser FONTE FRANCKE.

Tais medidas certamente facilitaram o trabalho de fiscalização da qualidade de água, mas ainda devem ter causado muitos incômodos as águas recolhidas e comercializadas sem o devido tratamento. Em 1925, quando a segunda hidráulica passou a funcionar, uma parte maior da população teve acesso à água tratada. 

Frustrante é constatar que em pleno século XXI, apesar de todos os avanços e da expansão do serviço de água e esgotos, ainda assim uma parcela desassistida da população convive com a insalubridade...  

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo