Pular para o conteúdo principal

Pipas marcadas

A inauguração da primeira hidráulica, em setembro de 1921, não resolveu de todo a questão da distribuição de água na cidade, dependendo muitos ainda dos serviços prestados pelos pipeiros. Toda sorte de reclamações chegava à Intendência com relação à venda de água, ora atendo-se ao preço cobrado, às condições higiênicas das pipas e do próprio líquido precioso.

Uma correspondência de 4 de março de 1922, existente no acervo documental do Arquivo Histórico, dá mostras que a Intendência Municipal tentava proceder a análises da água comercializada, no sentido de garantir que o abastecimento da população atendesse às normas de higiene:

Cachoeira, 4 de Março de 1922

Illm.º Snr. Guilherme Francke Sobrinho.

Communico-vos de ordem do cidadão Intendente Municipal, Dr. Annibal Lopes Loureiro que, em virtude das analyses bacteriologicas procedidas nas aguas da fonte situada em terreno de vossa propriedade á rua Conde de Porto Alegre, foi verificado tratar-se de aguas suspeitas, povoadas pelos bacillos de Flessner e Proteus vulgaris, virulentos.

O bacillo coli encontra-se na quantidade de [rasgado] por litro.

O numero total de micro-organismos encontrados foi por centimetro cubico de 477.

Deveis pois, no caso de quererdes continuar a explorar a venda desta agua fazer as obras indicadas no croquis junto.

Após exgotamento da agua que tiver na fonte será feito a remoção do lodo existente, e o revestimento de reboco com cimento alisado; isto feito, uma vez novamente cheio dagua o poço, dissolvereis nelle 100 gramas de permanganato de potassio e deixareis assim uma semana.

Exgotada novamente a agua, será espalhada no fundo duas camadas; uma de carvão mineral e outra de areia lavada, como o croquis indica.

Deixareis juntar agua e sujeital-a-eis a novo exame bacteriologico.

São estas as condicções indispensaveis, exigidas pela municipalidade, para levantar a interdicção existente.

IM/OPV/Ofícios - 4/3/1922


O recolhimento da água da fonte de Guilherme Francke Sobrinho havia sido interditado e a liberação da captação somente depois do atendimento das instruções prescritas. 

Mas como saber, diante do variado número de pipeiros, de que fontes provinham águas que causavam malefícios à população? Uma das medidas foi a de marcar as pipas utilizadas com o nome da fonte em que a água era recolhida. A confirmar isso, há correspondências assinadas pelo engenheiro chefe de Obras Públicas, Joaquim de Almeida Vidal, orientando os pipeiros Taurino Cunha e Guilherme Francke no que segue:

Cachoeira, 16 de junho de 1922

Illm.º Sr. Taurino Cunha

N/Cidade.

De ordem do eng. chefe da Secção de Obras Publicas e de accordo com o regulamento em vigor, fica marcado o prazo de uma semana para que todas as pipas que se abastecem de agua nesta fonte, gravem em lettras regulares, brancas, bem legiveis, o distico: FONTE DO MATTO.

4.º Secção de Obras Publicas.

[assinatura] Joaquim de Almeida Vidal

IM/OPV/Ofícios - 16/6/1922


Outra correspondência, de teor idêntico à de Taurino Cunha, foi remetida a Guilherme Francke, determinando que o seu dístico, ou seja, o letreiro que constaria de suas pipas deveria ser FONTE FRANCKE.

Tais medidas certamente facilitaram o trabalho de fiscalização da qualidade de água, mas ainda devem ter causado muitos incômodos as águas recolhidas e comercializadas sem o devido tratamento. Em 1925, quando a segunda hidráulica passou a funcionar, uma parte maior da população teve acesso à água tratada. 

Frustrante é constatar que em pleno século XXI, apesar de todos os avanços e da expansão do serviço de água e esgotos, ainda assim uma parcela desassistida da população convive com a insalubridade...  

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co