Pular para o conteúdo principal

Inauguração e consagração da Igreja de Lutero

No dia 19 de abril de 1931, a comunidade alemã de Cachoeira pôde comemorar a realização de um sonho que teve início quando os primeiros imigrantes trocaram a colônia pela cidade: o de ter uma igreja para celebração da sua fé.

Naquele dia, oito meses depois do início da construção da então chamada Igreja de Lutero, no Bairro Rio Branco, grande foi a reunião de luteranos. Integrantes da comunidade local e das cidades vizinhas buscavam posicionar-se nas imediações da esquina da Rua Venâncio Aires (hoje Presidente Vargas) com Deoclécio Pereira (atual Isidoro Neves) para assistirem aos atos de inauguração e consagração do templo.

Construção do Templo Martim Lutero - Museu Municipal


O jornal O Commercio, de 22 de abril de 1931, em sua primeira e segunda páginas, traz pormenorizada descrição dos atos que se sucederam desde sábado, dia 18, quando na gare da Estação Ferroviária foram recebidos diversos convidados para o ato inaugural. No domingo, dia marcado para a festa, apesar de ter amanhecido nublado, o clima era de alegria, como se o sol estivesse a iluminar todos. 

O Commercio, 22/4/1931, p. 1


Às 7 horas, os sinos do templo repicaram festivamente, lançando pelo espaço as suas ondas sonoras e annunciando o dia anciosamente esperado. A's 8 1/2, novo tanger de sinos avisava a chegada da hora, e antes das 9 já um grande numero de exmas. familias e cavalheiros, aguardava, no local, o começo da cerimonia. A's 9 25 entraram no salão  do Collegio Brasileiro-Allemão, que, durante longos annos, serviu de templo, 8 sacerdotes: o sr. prior Funke, representante da União das Igrejas Evangelicas Allemães; o sr. pastor Becker, de Candelaria; sr. pastor Gustavo Reusch, de São Miguel; sr. pastor Plottnick, do Agudo; sr. pastor Riehn, do Lageado; sr. pastor Wipf, do Paraiso; sr. pastor emeritus Ahrens, desta cidade; e o sr. pastor Carlos Hünnermund, director espiritual da Comunidade Evangelica de Cachoeira, que celebrou o culto de despedida do velho templo, o qual foi insufficiente para conter os crentes que affluiram.

Terminadas as orações de agradecimento, que duraram pouco mais de 10 minutos, organizou-se um grande cortejo, indo á frente os sacerdotes, que empunhavam os paramentos do novo altar, seguidos dos alumnos do Collegio Brasileiro-Allemão com seus professores, depois os cavalheiros e em seguida exmas. sras., senhoritas e crianças.

O prestito entrou pela rua Commendador Fontoura e desta passou á rua Ernesto Alves para entrar na rua Dr. Deoclecio Pereira. A 4 de fundo, mais ou menos, já os primeiros participantes estavam á frente da nova igreja e os ultimos ainda vinham na esquina da rua Commendador Fontoura, isto é, a duas quadras de distancia.

A descrição do jornal dá a medida da grandiosa assistência que se postou para celebrar o grande acontecimento e testemunhar os atos inaugurais.

O acto inaugural

Chegados á frente da igreja, o sr. Rodolpho Müller, presidente da Communidade Evangelica, após proferir ligeira allocução, entregou a chave do novo templo ao sr. pastor Carlos Hünnermund, director espiritual da mesma, que a abriu, nessa occasião, em nome de Deus Pai, Filho e Espirito Santo.

A orchestra do sr. Walter Ritter executou um bello coral, que tornou solemne o momento, entrando então o povo, para tomar logar nas confortaveis bancadas, nas cadeiras e nas galerias lateraes, superiores, do templo e ficando muita gente de pé, por falta de localidades.

Vitrais e bancadas do Templo Martim Lutero - foto Robispierre Giuliani


Dentre as autoridades presentes, a notícia refere o prefeito municipal, Leopoldo Ribeiro dos Santos Souza, e o pastor Acacio Goulart, diretor espiritual da Congregação Metodista; também representantes da imprensa local e de Porto Alegre e famílias procedentes das localidades de Candelária, Agudo, Paraíso, Botucaraí, São Miguel, Santa Cruz, Santa Maria e São Pedro. 

Após a execução de um preludio ao orgão, pelo maestro Curt Dreyer, teve inicio o culto divino, com uma allocução pelo sr. pastor Carlos Hünnermund. Depois de um coral, cujos acompanhamentos foram feitos, ao orgão, pelo professor Guilherme Weihmann, o sr. prior Funke procedeu ao acto da consagração da nova igreja.

O órgão do novo templo, segundo o jornal, com 18 registros, era um instrumento de excelência e, assim como os sinos e os objetos de paramentação do altar, procedia da Alemanha.

Do bello pulpito de madeira esculpida, offerecido pela Sociedade Auxiliadora de Senhoras, o pastor Hünnermund fez o primeiro sermão na Igreja de Luthero, tomando por thema o Apocalypse, cap. 21, verso 2 a 3.

(...)

A's 11 horas e 20 minutos terminou o culto divino. Na occasião da sahida, o maestro Curt Dreyer executou, ao orgão, a Fuga de Bach, de Beethoven, em mi-bemol maior, fazendo-se uma collecta em beneficio dos fundos da igreja, pois a construcção deixou uma divida approximada a 25:000$000.

Era de notar o regosijo entre os membros da communidade local e suas familias, por terem, finalmente, alcançado a realização de uma esperança afagada ha tantos annos.

Templo Martim Lutero - foto Méia Albuquerque

Depois da inauguração, os membros da Comunidade e famílias confraternizaram nos salões da Sociedade Atiradores Concórdia, onde havia fartas mesas com café, cucas e doces e se desenrolaram atrações.

À noite, entre as 19 e 20 horas, as portas da nova igreja estiveram abertas à visitação. Fartamente iluminada, foram muito apreciadas as suas instalações e objetos litúrgicos. Depois, todos afluíram novamente ao salão da Sociedade Atiradores Concórdia, onde foram recebidos pela orquestra dos irmãos Mernak e Stracke, com a participação de Rodolfo Müller. Procederam-se diversos discursos, assim como apresentações musicais, declamações e cantos. A festa prolongou-se até perto de meia-noite e todos os convivas saíram com a certeza de que a frase proferida pelo pastor Hünnermund era carregada de verdade: "Alegria repartida é dupla alegria".

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da