Pular para o conteúdo principal

A gripe

Em tempos de pandemia, quando os protocolos sanitários ditam distanciamento, uso de protetor facial e muita higienização, eis que uma pérola salta das páginas do jornal O Commercio, de 7 de setembro de 1921. Trata-se de uma composição jocosa em versos, assinada com as iniciais A. V., em que o tema é a contagiosa gripe. 

Em primeiro lugar, é preciso contextualizar a época, 1921, e entender que há pouco o mundo tinha enfrentado a pandemia da gripe espanhola, que teve início em 1918 e durou até dezembro de 1920. Um terço da população mundial foi contaminada, vitimando cerca de 100 milhões de indivíduos. Em Cachoeira, a espanhola atingiu cerca de 3.000 pessoas, com 29 vítimas até o final de 1918. Nos anos de 1919 e 1920 os números arrefeceram, assim como as mortes. Portanto, a memória da gripe estava bem presente, assim como as suas nefastas consequências e o medo que causou.

A. V. eram as iniciais de Arnaldo Vaz, pseudônimo utilizado pelo advogado e poeta Ernesto Barros, que costumeiramente contribuía com o jornal O Commercio, mantendo a coluna "Caraguatás". O nome da coluna alude à planta popularmente conhecida como gravatá, da família das bromélias, espinhenta e bastante comum nos campos. Como a planta, as colunas de Ernesto Barros "espinhavam" os leitores, ou seja, tratavam de temas delicados de forma bem humorada.

Abaixo, a transcrição de A Grippe, publicada na primeira página da edição d'O Commercio, de 7 de setembro de 1921:


Caraguatás

A Grippe 

A Joaquina, ha tempos já casada,

Julgava-se feliz co'o João Sabino.

Parecia um destino

Esta santa união.

Elle, trabalhador, ella caseira,

Assim, desta maneira,

Trabalhavam os dois, sempre de olho,

A´espera do pimpolho.


Tiveram a Josepha, muito edosa,

Como a mais perfeita das serventes

Pois era desses entes

De bello coração.

A velha do serviço dava conta

A boia tinha prompta,

Quando vinha o João, só á tardinha

Beijar a Joaquininha.

---------------

A Josepha morreu; dera-lhe a grippe.

Foram, então, a ver creada nova,

Queriam della a prova

De boa cosinheira,

Que acordasse ao romper da madrugada,

Que, ao toque da alvorada,

Lhes servisse o café, inda na cama,

Ao patrão e á ama.


Veio uma moça lá dos arrabaldes

E era uma belleza a Ludovina,

De pelle muito fina,

De avelludado olhar,

Ligeira no fazer qualquer guisado,

Perita num assado,

Que ao João encantou, já de chegada

A tal nova creada.

-------------

Certa manhã, a dona Joaquininha

Que dormia, acordou sobressaltada,

Pois vio-se abandonada

Sem ter perto o seu Bem.

Levantou, qual se fôra um furacão,

Em procura do João

--------------

E encontral-o foi, junto da creada,

Que já estava grippada.

A. V.

Ernesto Barros 

O cachoeirense Ernesto da Silva Barros era filho de Henrique Manoel da Silva Barros e de Percília Barros. Destacou-se nas letras, escrevendo em prosa e verso. Em 1903, foi propagador e grande incentivador da fundação de um hospital, ocasião em que lançou o pungente artigo intitulado "Apelo aos corações generosos", conclamando os cachoeirenses a se unirem à ideia. O hospital foi inaugurado em 1910 e Ernesto Barros recebeu o título de Fundador e Grande Benfeitor do Hospital de Caridade e Beneficência.

Quanto aos criativos versos d'A Gripe, entenda o leitor a alfinetada do autor!

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da