Pular para o conteúdo principal

Artibano Savi e sua fonte

Artibano Savi, o idealizador da Fonte das Águas Dançantes, chegou em Cachoeira para jogar futebol, mas bateu um bolão na eletricidade. 


Artibano Savi - Museu Municipal


Em agosto de 1929, empregou-se na Intendência Municipal como eletricista e três anos depois assumiu a chefia do Setor de Iluminação Pública. Nessa função, fez brotar e implantar um sistema de segurança para a rede elétrica que seguidamente tinha o fornecimento interrompido em razão de mau tempo ou acidentes.

Em março de 1941, quando aconteceu a Festa do Arroz, Artibano Savi foi laureado com portaria pelos serviços executados na iluminação dos eventos que constaram da programação da festa e por seu trabalho, junto com Joaquim Vidal e Torquato Ferrari, na decoração de vitrines e espaços públicos. Em seu extenso currículo constam também a iluminação da Ponte do Fandango, do Estádio Joaquim Vidal e da cancha de basquete da Praça José Bonifácio, para citar alguns.

Graças a um cartão-postal seu nome jamais será esquecido: a Fonte das Águas Dançantes, inaugurada durante a II FENARROZ, em 18 de maio de 1968. Por proposição do vereador Volny Figueiró, aprovada por unanimidade em sessão de 14 de maio daquele ano, a fonte recebeu o nome de seu idealizador. Na justificativa da denominação, o vereador assim se manifestou:

Basta dizer que esta Casa, verdadeiro estuário das reivindicações e das mais caras expressões de sentimento do povo cachoeirense, em aprovando este projeto de  lei, estará prestando, de forma imorredoura, o reconhecimento e a homenagem àquele que, com seu trabalho, com sua inteligência e sobretudo com o entusiasmo que só podem ter aqueles que realmente amam a nossa querida Princesa do Jacuí, dotou Cachoeira do Sul desta obra magnífica que é a Fonte das Águas Dançantes, hoje um ponto turístico a elevar bem mais alto o nome de nossa cidade, não apenas no cenário rio-grandense, mas brasileiro. (Jornal do Povo, 16/5/1968, p. 1).


Jornal do Povo, 16/5/1968, p. 1

As palavras do vereador Volny Figueiró dão a dimensão do quanto a Fonte das Águas Dançantes impactou positivamente a comunidade naquele já distante ano de 1968. As gerações que se sucederam àquela que viu nascer a obra do Artibano seguiram a valorizá-la e nos momentos em que, por problemas técnicos, viram-se privadas de seu espetáculo, vibraram as vozes clamando por sua volta.

Fonte das Águas Dançantes - Acervo Julio Cezar Caspani

Fonte das Águas Dançantes Artibano Savi em funcionamento - Jornal do Povo

Artibano Savi e sua fonte serviram de inspiração para uma cidade uruguaia, Maldonado, que encomendou ao eletricista uma semelhante à cachoeirense, levando para fora do país as artes e habilidades do santanense que trocou sua cidade natal por Cachoeira do Sul, aqui encerrando seus dias em 6 de outubro de 1993.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da