Pular para o conteúdo principal

Carta de um aprendiz de alfaiate à sua namorada

Junho é o mês em que recai, no Brasil, em 12, o dia dedicado aos namorados. Em vários países, a data é comemorada em 14 de fevereiro, no Dia de São Valentim. E aqui o 12 de junho foi escolhido porque antecede o Dia de Santo Antônio, comemorado em 13, pela razão de ser o santo conhecido como "casamenteiro" e protetor dos noivos.

Santo Antônio - calendarr.com

Para marcar o calendário, foi encontrado no acervo de imprensa do Arquivo Histórico, mais precisamente no jornal O Commercio, edição de 18 de maio de 1921, uma interessante e alegórica carta escrita por um alfaiate para a sua namorada: 

O Commercio, 18/5/1921, p. 2 - suplemento


Minha fazenda

Passei hoje o dia sem dar um ponto com saudades tuas, o coração trespassado pelas agulhas da tua indifferença, a alma cosida de amarguras, a cabeça como uma almofada de alfinetes, os pensamentos sem fio, tudo isso por motivo do pouco caso que hontem me mostraste!

Casemira de minha alma, as tuas faces são macias como a seda de forro ou como o astrakan das golas que eu pesponto: teus cabellos são como novellos de retroz preto! Teus olhos reluzem como botões de onix! Tua cinturinha não mede 25 pontos! Teus pés são como dois ferros de engommar que abrazam meu coração! Teus dedos como canudinhos de retroz côr de rosa! Teu talhe é digno de uma casaca de panno fino, forrada de seda.

Ah! minha querida Casemira, não desprezes o teu amante, não lhe córtes as esperanças que tem de que um dia serás sua!

Se isso intentas, faze antes do meu coração bainha e atravessa-o com a agulha da tua ingratidão.

Já me sinto afogar nas mangas da tua maldade, sepultar-me nas abas da tua indifferença, o coração d’antes entumecido com os enchimentos das esperanças, faz rugas dolorosas que nem o ferro mais quente pode tirar.

Volta, Casemira, a olhar para mim, verás como tratarei de fazer casas em que habitaremos juntos, constantes, amantes e delirantes.

Deste teu admirador que alinhavou esta ás pressas.

Pafuncio Jamegão Eleutherio


É bem comum os apaixonados não correspondidos, ou aqueles que buscam um amor, fazerem promessas a Santo Antônio, rogando pelo atendimento de suas preces. Em Cachoeira, há uma linda igreja a ele dedicada. Segundo a tradição portuguesa, quem é beneficiado por Santo Antônio em seus pedidos deve casar-se em um templo a ele consagrado. Portanto, não será por falta de igreja que os pombinhos cachoeirenses deixarão de cumprir a velha tradição de nossos fundadores. 

Quanto ao alfaiate Pafuncio Jamegão Eleutherio e sua amada Casemira, terão eles produzido uma boa costura ou apenas um remendo?

 

Igreja Santo Antônio - Renato Thomsen
MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co