Pular para o conteúdo principal

A utilidade da imigração

A imigração foi um processo importante para a ocupação do imenso e pouco povoado território brasileiro no século XIX e, ao mesmo tempo, desafogador da Europa. Aqui radicados, imigrantes europeus contribuíram também para o desenvolvimento econômico e para a vida social e cultural. 

No século XX, outras levas de imigrantes vieram, estando Cachoeira incluída no recebimento de judeus, sírios, libaneses e palestinos, notadamente, tendo chegado mais tarde os japoneses.

Uma circular remetida à Intendência de Cachoeira, em 21 de janeiro de 1925, pela Sociedade Nacional de Agricultura, entidade de utilidade pública fundada em 1897, mostrando suas finalidades de promover o desenvolvimento da produção brasileira, continha um questionário acerca do pensamento corrente sobre a imigração, com ênfase na ideia da promoção da vinda da immigração amarella e na verificação da aceitação da immigração negra. No documento, assinado por Lyra Castro, presidente da entidade, constavam as seguintes questões:

I) - Julga V.Exa. necessaria e util a imigração estrangeira para o Brasil? Por que?
II) - No caso affirmativo, acha que essa imigração deva ser meramente espontanea, ou deva ser intensificada ou subvencionada pelo Governo do Brasil? No primeiro caso, que ordem de auxilios poderão prestar os governos aos immigrantes?
III) - Pensa que essa immigração deva ser exclusivamente da raça branca? Parece-lhe que esta se acolima bem em todas as regiões do nosso paiz? Dá preferencia a alguma nacionalidade?
IV) - Qual a opinião de V.Exa. acerca da immigração amarella?
V) - Se V.Exa. acceita, em principio, a immigração amarella, acha que ella deva ser acolhida incondicionalmente, ou opina por qualquer especie de restricção, ou de distribuição pelas zonas do Brasil?
VI) - Qual o parecer de V.Exa. no tocante á immigração da raça negra?
VII) - Se V.Exa. aceita, em principio, a immigração negra, acha que ella deva ser acolhida incondicionalmente, ou opina por qualquer especie de restricção ou de distribuição pelas zonas do Brasil?
VIII) - Que bons serviços poderão os immigrantes de qualquer das alludidas raças prestar, especialmente nas zonas em que V.Exa. emprega sua actividade?
IX) - Que sugestões mais lembra V.Exa. em materia de immigração e de braços estrangeiros, para a lavoura do Brasil?
X) - Quaes as idéas de V.Exa. a respeito do trabalhador nacional, sua localização, seu apêgo á terra, sua aptidão para a lavoura e a criação? Que lhe falta?
XI) - Além do braço, que outros elementos de trabalho faltam á lavoura e ás industrias do nosso paiz, para intensificar, melhorar e baratear sua producção?



Questionário da Sociedade Nacional de Agricultura, 21/1/1925
- IM/EA/SI/Ofícios - Caixa 17

O questionário acima deve ter repousado sobre a mesa do intendente sem a devida atenção que mereceria. Não há indicação nem provas documentais de que houve resposta. Muito provavelmente a situação delicada da saúde do intendente Francisco Fontoura Nogueira da Gama tenha posto em suspensão a rotina da Intendência.

Francisco Gama - acervo familiar

Dois dias antes da data da emissão do questionário, que certamente chegou a Cachoeira bem depois de 21 de janeiro, a família de Francisco Gama chamou o Dr. João Neves da Fontoura, vice-intendente, até sua residência. Gama havia tido uma séria crise cardíaca que o impedia de seguir à frente da Intendência. Reunido o Conselho Municipal (equivale hoje à Câmara de Vereadores) à noite, foi concedida licença-saúde ao intendente, assumindo o seu posto o vice João Neves. 

João Neves da Fontoura - Museu Municipal

Sem ter sido guardada cópia da hipotética resposta ao questionário, repousa ele dentre a documentação da Intendência, remetendo ao pensamento corrente num tempo em que o país carecia muito de mão-de-obra para dar conta do anseio de dilatação de seus horizontes econômicos. Sua divulgação se propõe também a relembrar o 25 de julho, Dia do Colono e do Motorista.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co