Pular para o conteúdo principal

A utilidade da imigração

A imigração foi um processo importante para a ocupação do imenso e pouco povoado território brasileiro no século XIX e, ao mesmo tempo, desafogador da Europa. Aqui radicados, imigrantes europeus contribuíram também para o desenvolvimento econômico e para a vida social e cultural. 

No século XX, outras levas de imigrantes vieram, estando Cachoeira incluída no recebimento de judeus, sírios, libaneses e palestinos, notadamente, tendo chegado mais tarde os japoneses.

Uma circular remetida à Intendência de Cachoeira, em 21 de janeiro de 1925, pela Sociedade Nacional de Agricultura, entidade de utilidade pública fundada em 1897, mostrando suas finalidades de promover o desenvolvimento da produção brasileira, continha um questionário acerca do pensamento corrente sobre a imigração, com ênfase na ideia da promoção da vinda da immigração amarella e na verificação da aceitação da immigração negra. No documento, assinado por Lyra Castro, presidente da entidade, constavam as seguintes questões:

I) - Julga V.Exa. necessaria e util a imigração estrangeira para o Brasil? Por que?
II) - No caso affirmativo, acha que essa imigração deva ser meramente espontanea, ou deva ser intensificada ou subvencionada pelo Governo do Brasil? No primeiro caso, que ordem de auxilios poderão prestar os governos aos immigrantes?
III) - Pensa que essa immigração deva ser exclusivamente da raça branca? Parece-lhe que esta se acolima bem em todas as regiões do nosso paiz? Dá preferencia a alguma nacionalidade?
IV) - Qual a opinião de V.Exa. acerca da immigração amarella?
V) - Se V.Exa. acceita, em principio, a immigração amarella, acha que ella deva ser acolhida incondicionalmente, ou opina por qualquer especie de restricção, ou de distribuição pelas zonas do Brasil?
VI) - Qual o parecer de V.Exa. no tocante á immigração da raça negra?
VII) - Se V.Exa. aceita, em principio, a immigração negra, acha que ella deva ser acolhida incondicionalmente, ou opina por qualquer especie de restricção ou de distribuição pelas zonas do Brasil?
VIII) - Que bons serviços poderão os immigrantes de qualquer das alludidas raças prestar, especialmente nas zonas em que V.Exa. emprega sua actividade?
IX) - Que sugestões mais lembra V.Exa. em materia de immigração e de braços estrangeiros, para a lavoura do Brasil?
X) - Quaes as idéas de V.Exa. a respeito do trabalhador nacional, sua localização, seu apêgo á terra, sua aptidão para a lavoura e a criação? Que lhe falta?
XI) - Além do braço, que outros elementos de trabalho faltam á lavoura e ás industrias do nosso paiz, para intensificar, melhorar e baratear sua producção?



Questionário da Sociedade Nacional de Agricultura, 21/1/1925
- IM/EA/SI/Ofícios - Caixa 17

O questionário acima deve ter repousado sobre a mesa do intendente sem a devida atenção que mereceria. Não há indicação nem provas documentais de que houve resposta. Muito provavelmente a situação delicada da saúde do intendente Francisco Fontoura Nogueira da Gama tenha posto em suspensão a rotina da Intendência.

Francisco Gama - acervo familiar

Dois dias antes da data da emissão do questionário, que certamente chegou a Cachoeira bem depois de 21 de janeiro, a família de Francisco Gama chamou o Dr. João Neves da Fontoura, vice-intendente, até sua residência. Gama havia tido uma séria crise cardíaca que o impedia de seguir à frente da Intendência. Reunido o Conselho Municipal (equivale hoje à Câmara de Vereadores) à noite, foi concedida licença-saúde ao intendente, assumindo o seu posto o vice João Neves. 

João Neves da Fontoura - Museu Municipal

Sem ter sido guardada cópia da hipotética resposta ao questionário, repousa ele dentre a documentação da Intendência, remetendo ao pensamento corrente num tempo em que o país carecia muito de mão-de-obra para dar conta do anseio de dilatação de seus horizontes econômicos. Sua divulgação se propõe também a relembrar o 25 de julho, Dia do Colono e do Motorista.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da