Pular para o conteúdo principal

Receita e despesa do município de Cachoeira há 100 anos

Um quadro gráfico elaborado com capricho e à mão pela Secção de Estatistica da Intendência Municipal registra minuciosamente dados relativos à receita e à despesa do município de Cachoeira entre 1821 e 1920. 

O servidor municipal que se atirou à tarefa de transpor os dados para o papel, quadriculou meticulosamente a folha acartonada, estabelecendo um comparativo de 200 anos, ou seja, desde o primeiro ano de existência da Vila Nova de São João da Cachoeira, quando a Câmara Municipal administrava os negócios públicos e disciplinava a vida dos cidadãos, até 1920, período da Intendência. Por essa época, a administração pública era comandada pelo intendente municipal e acompanhada em suas ações pelo Conselho Municipal, equivalente ao poder legislativo atual e então desempenhado pelos conselheiros.

Vamos aos dados. Em 1821, a receita da Vila Nova de São João da Cachoeira foi de 201.160 réis, ficando a despesa na casa de 173.593. Houve, portanto, uma sobra positiva de recursos, ainda que os montantes fossem modestos, o que se explica pelos primeiros tempos de autonomia política e administrativa, com todas as implicações de pôr em funcionamento uma nascente máquina pública. 

Entre 1835 e 1845, período da Revolução Farroupilha, marcado pelo estado de guerra e suas drásticas consequências na economia, observa-se uma inversão, ou seja, despesas maiores que a receita, com arrecadação bem aquém do verificado anteriormente.

1836 - receita de 67.061 réis / despesa de 170.340 réis

1837 - receita de 186.200 réis / despesa de 201.980 réis

1838 - receita de 282.480 réis / despesa de 282.470 réis

1839 - receita de 840.102 réis / despesa de 913.708 réis

1840 - receita de 299.260 réis / despesa de 304.280 réis

1841 - receita de 467.570 réis / despesa de 432.339 réis

1842 - receita de 443.339 réis / despesa de 446.353 réis

1842 a 1845 - receita de 1:193.417 réis / despesa de 991.163 réis

1845 - receita de 3:199.027 / despesa de 3:223.265 réis

Entre 1861 e 1864, período em que estava sendo construída a Casa de Câmara, Júri e Cadeia, atual sede do Museu Municipal Edyr Lima, observa-se um substancial aumento da receita, certamente reforçada pelo aporte de recursos repassados pelo governo da Província para o custeio da obra:

1861 - receita de 8:638.315 réis / despesa de 3:288.693 réis

1862 - receita de 11:121.933 réis / despesa de 1:008.685 réis

1863 - receita de 16:291.993 réis / despesa de 3:310.987 réis

1864 - receita de 3:601.043 réis / despesa de 2:191.579 réis

Mesmo superavitária, a Câmara não cumpria rigorosamente com os pagamentos ao construtor, Ferminiano Pereira Soares, que inclusive morreu sem receber as últimas parcelas a que tinha direito!

As arrecadações da Câmara passaram bem pelo momento da Guerra do Paraguai (1864-1870) e se mantiveram firmes nos anos seguintes. Aqueles eram tempos já de resultados positivos pela implantação da Colônia Santo Ângelo, com boa produção agrícola.

Nos anos finais da década de 1870, o estabelecimento da Charqueada Paredão, primeira grande indústria do município, refletiu a força do empreendimento nos cofres municipais:

1878 e 1879 - receita de 24:481.770 réis / despesa de 20:166.523 réis

No ano de 1889, quando foi proclamada a República, as finanças responderam de acordo com o momento de transição entre o Império e a República e a natural insegurança advinda dessa mudança, quando os cofres municipais arrecadaram 13:377.930 e gastaram 15:920.642 réis.

Entre 1891 e 1895, outra vez a província do Rio Grande do Sul se viu convulsionada pela violenta Revolução Federalista. Os reflexos negativos na economia levaram os cofres da Intendência Municipal a praticamente empatarem em receita e despesa:

1891 - receita de 18:103.808 réis / despesa de 18:141.237 réis

1892 - receita de 18:128.808 réis / despesa de 18:045.641 réis

Nos anos de 1893 e 1894, houve boa reação, com receita superior à despesa, havendo equalização em 1895: receita de 62:406.943 réis e despesa idêntica.

Em 1899, com o início da construção do Teatro Municipal, a arrecadação despencou! Talvez resida aí a iniciativa do Coronel David Soares de Barcellos em apelar à comunidade e emitir apólices resgatáveis para dar conta da obra: receita de 71:523.494 réis e despesa de 76:504.432 réis!

Com as apólices, a arrecadação de 1900 elevou-se, suportando bem a despesa daquele ano: 83:119.502 contra 71:586.988 de gastos.

Apólice emitida para construção do Teatro Municipal - IM/RP/SF/D-070

A partir de 1906, com o boom da lavoura de arroz, percebe-se um bom incremento nas rendas da Intendência, exceto no ano de 1919, véspera do centenário, quando a receita foi de 502:784.309 e a despesa de 516:770.576 réis. 1920 foi de burras cheias: receita de 537:558.583 réis e despesa de 498:588.274. Com o início da I Grande Guerra Mundial, em 1914, a arrecadação ficou abaixo dos gastos: 388:274.235 contra 389:700.419 réis.

Arrematando o quadro gráfico, uma representação geométrica da evolução das finanças da Câmara Municipal, desde o tempo do primeiro aniversário da instalação da Vila, quando partiu dos 100 mil réis, até chegar 100 anos depois, quando a arrecadação da Cidade da Cachoeira chegou aos 500 contos de réis.

Como se vê, o quadro gráfico da economia do município, no período de 1821 a 1920, permite entrever os diferentes momentos históricos e as suas influências negativas ou positivas nos cofres municipais.

Quadro gráfico de receita e despesa entre 1821 e 1921
- IM/EA/SI/Quadros Demonstrativos - Caixa 17


MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co