Pular para o conteúdo principal

Vigário ou vigarista?

Em tempos de flagelo, como acontece nas guerras e nas pandemias, é comum o gesto humanitário de socorro a vítimas de tais eventos. Mas como o homem é sempre o homem, independente dos tempos e das épocas, há os que são genuinamente solidários e há os que buscam tirar proveito pessoal das situações.

Terminada a I Grande Guerra, que ocorreu na Europa entre 1914 e 1918, maléficas foram as consequências. Milhares de famílias foram atingidas em sua integridade e bens, restando um número enorme de órfãos desassistidos. Movimentos de amparo foram deflagrados em todo o mundo, notadamente pela Cruz Vermelha, instituição criada em 1863 para garantir a proteção e a assistência a vítimas de conflitos armados e tensões.

Por outro lado, interessados em ganhar dinheiro em cima da desgraça alheia começaram a surgir, vindo notícia de Palmas, interior do município de Cachoeira, em janeiro de 1920, dando conta da presença de um sujeito que se fazendo passar por padre andava de casa em casa atrás de donativos em prol dos órfãos de guerra. Mas, afinal, era um vigário ou um vigarista, passaram as pessoas a se perguntar? Atento à situação, o jornal O Commercio, na edição do dia 14, primeira página, publicou a seguinte notícia:


O Commercio, 14/1/1920, p. 1


Vigario ou vigarista? - Anda percorrendo a campanha, afim de angariar donativos para os orphaos da guerra, um individuo com trajes ecclesiasticos. Desconfia-se muito tratar-se não de um vigario mas sim de um perfeito vigarista. Verdade que mostra um maço de papeis sellados, carimbados e muito sujos. Quando se lhe fazia alguma pergunta, elle tratava de se mandar rolar. Mostrou um livro cheio de assignaturas de doadores, alguns até com 100$000 rs. Em uma casa onde esteve e em que recebeu, provavelmente, uma boa maquia, benzeu-a com uma mão, emquanto com a outra apalpava o cobre recebido.

Por ter O Commercio ha pouco noticiado a existencia desses cavadores pelo municipio, é que o povo ficou com a pulga na orelha. É um typo alto, moreno, usa cabello cortado a meia cabelleira, mas não tem aquella rodinha pelada que os padres usam atraz, na cabeça.

A resposta não veio... Mas que o sujeito encheu as burras e deve ter ido cantar em outra freguesia é certo. E o pior, fazendo-se passar por um padre, figura que normalmente gozava da admiração e do respeito das comunidades. Portanto, o vigarista que se passou por vigário cometeu dupla heresia: fingir ser outra pessoa e se aproveitar da desgraça alheia em benefício próprio! Péssimo exemplo vindo do passado.

No ano seguinte, o mesmo jornal O Commercio noticiou que o vigário verdadeiro da paróquia de Cachoeira, padre Luiz Scortegagna, havia entregue no Bispado de Santa Maria a quantia de 135$000 réis, proveniente de uma collecta ordenada pelo S. Padre, o Papa Bento XI, em beneficio das crianças soffredoras da Europa, em consequencia da guerra.

O Commercio, 22/6/1921, p. 3

O bom e honesto vigário Luiz Scortegagna
- Acervo Ricardo Abreu

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co