Pular para o conteúdo principal

Vigário ou vigarista?

Em tempos de flagelo, como acontece nas guerras e nas pandemias, é comum o gesto humanitário de socorro a vítimas de tais eventos. Mas como o homem é sempre o homem, independente dos tempos e das épocas, há os que são genuinamente solidários e há os que buscam tirar proveito pessoal das situações.

Terminada a I Grande Guerra, que ocorreu na Europa entre 1914 e 1918, maléficas foram as consequências. Milhares de famílias foram atingidas em sua integridade e bens, restando um número enorme de órfãos desassistidos. Movimentos de amparo foram deflagrados em todo o mundo, notadamente pela Cruz Vermelha, instituição criada em 1863 para garantir a proteção e a assistência a vítimas de conflitos armados e tensões.

Por outro lado, interessados em ganhar dinheiro em cima da desgraça alheia começaram a surgir, vindo notícia de Palmas, interior do município de Cachoeira, em janeiro de 1920, dando conta da presença de um sujeito que se fazendo passar por padre andava de casa em casa atrás de donativos em prol dos órfãos de guerra. Mas, afinal, era um vigário ou um vigarista, passaram as pessoas a se perguntar? Atento à situação, o jornal O Commercio, na edição do dia 14, primeira página, publicou a seguinte notícia:


O Commercio, 14/1/1920, p. 1


Vigario ou vigarista? - Anda percorrendo a campanha, afim de angariar donativos para os orphaos da guerra, um individuo com trajes ecclesiasticos. Desconfia-se muito tratar-se não de um vigario mas sim de um perfeito vigarista. Verdade que mostra um maço de papeis sellados, carimbados e muito sujos. Quando se lhe fazia alguma pergunta, elle tratava de se mandar rolar. Mostrou um livro cheio de assignaturas de doadores, alguns até com 100$000 rs. Em uma casa onde esteve e em que recebeu, provavelmente, uma boa maquia, benzeu-a com uma mão, emquanto com a outra apalpava o cobre recebido.

Por ter O Commercio ha pouco noticiado a existencia desses cavadores pelo municipio, é que o povo ficou com a pulga na orelha. É um typo alto, moreno, usa cabello cortado a meia cabelleira, mas não tem aquella rodinha pelada que os padres usam atraz, na cabeça.

A resposta não veio... Mas que o sujeito encheu as burras e deve ter ido cantar em outra freguesia é certo. E o pior, fazendo-se passar por um padre, figura que normalmente gozava da admiração e do respeito das comunidades. Portanto, o vigarista que se passou por vigário cometeu dupla heresia: fingir ser outra pessoa e se aproveitar da desgraça alheia em benefício próprio! Péssimo exemplo vindo do passado.

No ano seguinte, o mesmo jornal O Commercio noticiou que o vigário verdadeiro da paróquia de Cachoeira, padre Luiz Scortegagna, havia entregue no Bispado de Santa Maria a quantia de 135$000 réis, proveniente de uma collecta ordenada pelo S. Padre, o Papa Bento XI, em beneficio das crianças soffredoras da Europa, em consequencia da guerra.

O Commercio, 22/6/1921, p. 3

O bom e honesto vigário Luiz Scortegagna
- Acervo Ricardo Abreu

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da