Pular para o conteúdo principal

Sua Majestade O Álcool

Um dos mais combatidos vícios do ser humano é o alcoolismo. A pandemia que assola o mundo desde 2020 serviu também para aumentar o consumo de álcool entre as pessoas. No Brasil, segundo pesquisa feita com mais de 40 mil internautas, 18% deles revelaram estar bebendo mais durante a pandemia, contribuindo para potencializar os problemas advindos dessa prática. 


blog.bancadoramon.com.br

Atravessam-se as eras e a luta para convencer as pessoas dos efeitos nefastos do álcool segue a mesma. Isto pode ser comprovado pela matéria publicada no jornal O Commercio de 24 de abril de 1900, reproduzindo texto do jornal Patria, de Rio Pardo, escrito por Catulle Mendes. Apesar dos 121 anos que separam a publicação dos nossos dias, ainda assim o texto mantém a atualidade, pois apesar do tempo decorrido e dos novos hábitos e vícios que surgiram o álcool segue soberano em suas "conquistas".

S. M. O ALCOOL

"Me conheceis?... Eu sou o principe de todas as alegrias; o companheiro de todos os gozos modernos, o mensageiro da morte, o principe que governa o mundo.

Eu estou presente em todas as cerimonias e nenhuma reunião tem lugar sem a minha presença.

Eu fabrico os ciumes, faço nascer nos corações os pensamentos máos, mancho os lugares, sou pae dos filhos sem pae, enveneno a raça, trago o envelhecimento, a depravação, os suicidios, a loucura, o crime em todas as suas formas imaginaveis.

Eu acábo com as familias, persigo os avós nos netos, faço perder a vergonha, a dignidade, a honra, a boa educação.

Eu ponho um véu sobre os olhos, sobre a consciencia e faço apparecer o crime como vingança, a abjecção como dignidade, a immoralidade como passa tempo, o adulterio como conquista galante.

Eu tenho ganho mais victorias que Alexandre, hei junguido [sic] mais povos ao meu carro que Roma, hei dominado mais povos que Attila.

Eu faço os deputados, obtendo-lhes votos para que façam leis que augmentem meu reino, que é de toda a terra.

Eu aspiro converter o mundo em um hospital, em um manicomio, em um circo onde estejam encerrados tigres, asnos, porcos, falcões e abutres, quero sangue, desolação, ruina, leviandades, rancores, guerras, desesperos e blasphemia.

Eu estou em todas as partes, conheço as frias regiões da Laponia e Siberia, as ardorosas do Egypto e Italia: tenho origem no trigo, arroz, o milho, a cevada, o succo da uva, a vide [sic], o leite, minha patria é a terra, meus escravos os homens, o que me envia o principe do mal.

Eu sei que me conheceis, porém não quereis declarar o meu nome, porque todavia vos resta o pudor dos homens, ja que haveis perdido dos factos.

- Eu sou vosso rei.

Eu sou D. Alcool!!

Parte da publicação em O Commercio, 25/4/1900, p. 2

O consumo moderado de bebidas alcoólicas não oferece maiores riscos à integridade física e à saúde. O problema surge quando o álcool se torna um hábito. A sociedade padece os efeitos dos vícios que a acometem, seja em que tempo for. O importante é conscientizar as pessoas das consequências das suas ações, tanto individual como coletivamente.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da