Pular para o conteúdo principal

Surto de aftosa em Cachoeira

Há 121 anos, o médico que respondia pela Delegacia de Saúde, Dr. Amedeu Masson, informou o Intendente Municipal, Coronel David Soares de Barcellos, que tinha tomado conhecimento de um surto de aftosa na fazenda do Sr. Salustiano Ilha. Temendo a disseminação da doença, tomou a liberdade de alertá-lo do problema, recomendando-lhe as medidas adequadas para contenção do mal.

Cel. David Soares de Barcellos - jornal O Commercio - 21/9/1904

Assim se dirigiu o Dr. Amedeu Masson ao Coronel David Barcellos:

Cidadão sr. Coronel David Barcellos 

Dignissimo Intendente Municipal da Cachoeira.


Communico-vos que tendo tido conhecimento do apparecimento de alguns cazos de febre aphtósa no estabelecimento de criação do sr. Salustiano Ilha, tratei de ajudicar pessoalmente do facto e verifiquei que não só os campos d'este senhor achão-se contaminados, como tambem os de Virgilio Brilhante e Manduca Prates nas proximidades do Passo do Seringa. No sentido de localizar o mal, entendo necessaria a interdição de passagem de tropas pela porteira do estabelecimento de Feliciano Prates, quer p.ª a cidade, quer p.ª fóra, pelo Passo do Seringa, em torno do qual acha-se m.to desenvolvida a molestia, bem como de carretas e animaes soltos.

Communico-vos igualmente que no sentido de defender a população contra o uso de carne de animaes pestiados, resolvi encarregar o sr. Luiz Xavier de, diariamente visitar os matadouros publicos d'esta cidade e examinar as rezes destinadas ao consumo, com ordem terminante de recusar os que lhe parecessem suspeitas, dando-me immediatamente sciencia do facto.

P.ª a localisação do mal entendo que as providencias que indiquei são sufficientes e peço-vos expeçaes ordem ao sr. Delegado de Policia para tornal-as effectivas.

Saúde e fraternidade.

Dr. Amedeu Masson

Delegado de Hygiene.

Cachoeira, 20 de Agosto de 1900.


(IM/HA/SA/Ofícios - Caixa 17)

Carta do Dr. Amedeu Masson ao intendente David S. de Barcellos - 20/8/1900
- IM/HA/SA/Oficios - Caixa 17

O primeiro registro oficial de febre aftosa no Brasil ocorreu em 1895, de forma que assustava muito os municípios que tinham na pecuária um dos sustentáculos de sua economia. O enfraquecimento do gado causado pela aftosa, cujos principais sintomas são o aparecimento de úlceras na boca e nos pés, alta salivação, febre e perda do apetite, com consequente emagrecimento e redução na produção de leite, causam grandes impactos econômicos e barreiras comerciais onde o surto é verificado.

A febre aftosa segue a assustar os criadores, especialmente em razão da avidez do mercado externo pela carne brasileira e, logicamente, das exigências sanitárias que cercam tais negócios. As medidas do Dr. Amedeu em 1900 demonstravam o conhecimento científico necessário para conter a propagação da febre e suas nefastas consequências na economia local.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co