Pular para o conteúdo principal

Desapareceu o sorriso!

 Porque desappareço do cenario da "vida"

Sinto que se me vão fugindo as forças. Falta-me a illusão da vida. Ha quasi doze mezes, quando appareci aos olhos da população local, avida de novidades, eu era uma criança loura, cheia de esperanças. Trazia o enthusiasmo que domina os corações fortes, os corações engrandecidos pela ambição justa de ser famoso, popular e bemquisto. Vaguei num  mar de rosas sem espinhos.

Por muito tempo eu fui a attenção das tardes domingueiras, quando os cafés regorgitavam de commentarios. Sempre fui um sorriso amavel.

Hoje, porém, derradeira vez que me animo a vir à rua, trago nas minhas paginas um rictus de colera, um desfallecimento visivel e um desprezo enorme pelos que me envenenaram. - Porque? - direis vós! -

Pensaes acaso que possaes viver sem alimento algum? Pensaes que podereis andar sorrindo, quando vosso estomago se comprime sobre o vácuo que produz a fome?

- De certo, não! Eis tambem porque não posso mais encher as ruas com as estridulas risadas que desabrochavam espontaneas, quando andei no auge do engrandecimento.

No vagalhão da crise, que avassalla o mundo, debati-me heroicamente como um cyclope, mas que querieis? Grandes casas bancarias falliram. Porque não poderia eu ter um deslize na cotação da bolsa, voltando a zero o cambio, que estivera ao par?

Sinto-me velho, alquebrado; luctei com estoicismo admiravel; tudo inutil. Prefiro, pois partir para a sepultura fria do esquecimento publico, levando commigo um odio eterno aos "CALOTEIROS", causa de meu suicidio.

Com o meu desapparecimento, eclipsa-se tambem o freio que consegui metter ao sem-vergonhismo, ás falcatruas torpes dos amorais, que vão se espalhar agora num desmedido afan de descontar um anno de reclusão obrigatoria.

Despeço-me, pois, dos carissimos leitores. Vou ler, pela derradeira vez, "A COSTELLA DE ADÃO" de Berillo Neves e em seguida tomarei um calice do mortifero veneno: OPINIÃO PUBLICA e amanhã eu já estarei dormindo o somno eterno que os máus me desejaram ardorosamente...

Adeus, vida cachoeirense

O SORRISO

Esse interessantíssimo editorial do jornal O Sorriso, cuja coleção completa foi repassada ao Arquivo Histórico pelo Museu Municipal, foi a despedida de sua circulação, em 5 de dezembro de 1931. Jornal crítico, humorístico, noticioso e literário, O Sorriso era dirigido pelo Pássaro Azul, pseudônimo de Eliseu Guidugli, e Major Avatar, nome utilizado por Lauro Falkenbach, circulando quinzenalmente. Sua existência foi efêmera, mas deve ter sido bem marcante.


Última edição de O Sorriso, 4/12/1931

A primeira página da derradeira edição n.º 24, traz manchetes que levam o leitor a pensar que se tratam de mensagens de um suicida. E de fato o jornal põe fim à sua existência justificando ter cumprido seu compromisso, apesar de ter sido barrado em seu intuito pela má vontade de muitos assignantes recalcitrantes que ficaram em debito com a (...) folha.

Servir-se do caso do jornal O Sorriso também é uma forma de chamar a atenção para um dos problemas da sociedade atual que, premida pelos problemas de seu tempo, extremamente agravados pela pandemia, vê a cada dia ocorrerem casos de pessoas que como o jornal põem termo à sua existência. Desde 2015, foi iniciada uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio denominada Setembro Amarelo. A escolha de setembro faz com que a campanha coincida com o mês em que recai o Dia Nacional de Prevenção ao Suicídio, que transcorre em 10.

O Arquivo Histórico, com seu manancial de documentos e excepcional acervo de imprensa, é capaz de localizar referências do passado que se aplicam com maestria no presente.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo