Pular para o conteúdo principal

Desapareceu o sorriso!

 Porque desappareço do cenario da "vida"

Sinto que se me vão fugindo as forças. Falta-me a illusão da vida. Ha quasi doze mezes, quando appareci aos olhos da população local, avida de novidades, eu era uma criança loura, cheia de esperanças. Trazia o enthusiasmo que domina os corações fortes, os corações engrandecidos pela ambição justa de ser famoso, popular e bemquisto. Vaguei num  mar de rosas sem espinhos.

Por muito tempo eu fui a attenção das tardes domingueiras, quando os cafés regorgitavam de commentarios. Sempre fui um sorriso amavel.

Hoje, porém, derradeira vez que me animo a vir à rua, trago nas minhas paginas um rictus de colera, um desfallecimento visivel e um desprezo enorme pelos que me envenenaram. - Porque? - direis vós! -

Pensaes acaso que possaes viver sem alimento algum? Pensaes que podereis andar sorrindo, quando vosso estomago se comprime sobre o vácuo que produz a fome?

- De certo, não! Eis tambem porque não posso mais encher as ruas com as estridulas risadas que desabrochavam espontaneas, quando andei no auge do engrandecimento.

No vagalhão da crise, que avassalla o mundo, debati-me heroicamente como um cyclope, mas que querieis? Grandes casas bancarias falliram. Porque não poderia eu ter um deslize na cotação da bolsa, voltando a zero o cambio, que estivera ao par?

Sinto-me velho, alquebrado; luctei com estoicismo admiravel; tudo inutil. Prefiro, pois partir para a sepultura fria do esquecimento publico, levando commigo um odio eterno aos "CALOTEIROS", causa de meu suicidio.

Com o meu desapparecimento, eclipsa-se tambem o freio que consegui metter ao sem-vergonhismo, ás falcatruas torpes dos amorais, que vão se espalhar agora num desmedido afan de descontar um anno de reclusão obrigatoria.

Despeço-me, pois, dos carissimos leitores. Vou ler, pela derradeira vez, "A COSTELLA DE ADÃO" de Berillo Neves e em seguida tomarei um calice do mortifero veneno: OPINIÃO PUBLICA e amanhã eu já estarei dormindo o somno eterno que os máus me desejaram ardorosamente...

Adeus, vida cachoeirense

O SORRISO

Esse interessantíssimo editorial do jornal O Sorriso, cuja coleção completa foi repassada ao Arquivo Histórico pelo Museu Municipal, foi a despedida de sua circulação, em 5 de dezembro de 1931. Jornal crítico, humorístico, noticioso e literário, O Sorriso era dirigido pelo Pássaro Azul, pseudônimo de Eliseu Guidugli, e Major Avatar, nome utilizado por Lauro Falkenbach, circulando quinzenalmente. Sua existência foi efêmera, mas deve ter sido bem marcante.


Última edição de O Sorriso, 4/12/1931

A primeira página da derradeira edição n.º 24, traz manchetes que levam o leitor a pensar que se tratam de mensagens de um suicida. E de fato o jornal põe fim à sua existência justificando ter cumprido seu compromisso, apesar de ter sido barrado em seu intuito pela má vontade de muitos assignantes recalcitrantes que ficaram em debito com a (...) folha.

Servir-se do caso do jornal O Sorriso também é uma forma de chamar a atenção para um dos problemas da sociedade atual que, premida pelos problemas de seu tempo, extremamente agravados pela pandemia, vê a cada dia ocorrerem casos de pessoas que como o jornal põem termo à sua existência. Desde 2015, foi iniciada uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio denominada Setembro Amarelo. A escolha de setembro faz com que a campanha coincida com o mês em que recai o Dia Nacional de Prevenção ao Suicídio, que transcorre em 10.

O Arquivo Histórico, com seu manancial de documentos e excepcional acervo de imprensa, é capaz de localizar referências do passado que se aplicam com maestria no presente.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en