Pular para o conteúdo principal

Tarefa de agrimensor

Em 31 de outubro de 1903, o agrimensor Cassiano de Freitas Santos enviou à Intendência Municipal um trabalho de levantamento e cálculo da zona a desapropriar na ex-Colônia Santo Ângelo, para conclusão da estrada de Dona Francisca. 

O agrimensor é aquele profissional que verifica e determina os limites das propriedades, tanto na zona urbana quanto na zona rural. Nessa tarefa, é preciso coletar, organizar e fornecer dados para formalizar os limites e permitir com sua definição que obras possam vir a ser executadas ou projetos serem desenvolvidos.

Cassiano de Freitas Santos era profissional bem requisitado e que mantinha, no início do século XX, um escritório na Rua Sete de Setembro n.º 54. Na divulgação de seus serviços, informava que fazia medições, inscrições Torrens*, projetos para construções, orçamentos e plantas topográficas.

No material encaminhado à Intendência, Cassiano de F. Santos fez um longo relatório dando conta que as autoridades municipais solicitaram-lhe levantar uma planta topographica da zona a desapropriar, a fim de estabelecer uma estrada de rodagem, que, seguindo o valle do Jacuhy, evitasse os fortes declives, diminuindo a distancia a percorrer, entre o porto de embarque, na ex-Colonia D.ª Francisca e a estrada geral pra esta cidade. (...) No trecho sobre que versou meu trabalho profissional extende-se da divisa de Carlos Gerhke com Frederico Hoppe e termina na de Carlos Peske** com Carlos Jann. (...) A planta e o memorial que junto a este relatorio dão perfeito conhecimento do terreno, (...) 

Relatório do agrimensor Cassiano de Freitas Santos
- IM/OPV/CCP-Relatórios - Caixa 16

Assinatura do agrimensor no relatório - 31/10/1903

Conforme apresentado no relatório, o agrimensor anexou a ele uma caderneta de campo, cálculo analítico da linha e um memorial que concluiu, em síntese, o seguinte: que os proprietários dos terrenos a desapropriar eram Frederico Hoppe, Carlos Peske e Gustavo Drevanz, situados no 6.º distrito da cidade da Cachoeira, ex-Colônia Santo Ângelo, no lugar denominado Agudo, margem esquerda do rio Jacuí. Informou também que não havia nenhuma construção na zona a desapropriar, nem córregos ou cursos d'água de qualquer natureza. 

Caderneta de campo - IM/OPV/CCP-Relatórios - Cx. 16

Cálculo analítico - IM/OPV/CCP-Relatórios - Cx. 16


Memorial - IM/OPV/CCP-Relatórios - Cx. 16

Frederico Hoppe teria 4.971 metros quadrados desapropriados; Gustavo Drevanz, 3.522, e Carlos Peske um total de 4.476 metros quadrados, perfazendo tudo 12.969 metros quadrados. Serviriam como marcos e pontos de referência A estaca zéro, orientada e fixada segundo o meridiano verdadeiro; e o vertice da ogiva da porta principal da Igreja de D.ª Francisca.

Igreja Matriz de São José - Dona Francisca - ponto de referência da medição - tripadvisor.com.br

Os documentos preservados na série "Obras Públicas e Viação" do fundo "Intendência Municipal" (1892 - 1930) dão conta do quanto eram trabalhosos os processos que envolviam a execução dos serviços de construção e conservação dos ditos próprios municipais, ou seja, os bens que eram de interesse e utilização pública, como uma estrada. Por esses documentos também é possível dimensionar a trabalhosa tarefa de um agrimensor em tempos ainda muito distantes dos recursos tecnológicos hoje existentes. Um agrimensor do início do século XX tinha que reunir conhecimentos de astronomia, cartografia, geologia, topografia e muito mais, além de ter domínio de cálculo, uma vez que poucos eram os instrumentos disponíveis para a execução das tarefas que lhe competiam.

Registro Torrens: dá ao proprietário título com força absoluta sobre a propriedade.

** Pode ser Perske.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da